Menu
sexta, 21 de junho de 2024
Governo - Detran MS
Andorinha - 76 anos - Junho 2024
Geral

Militares investigados por tráfico já respondem por contrabando e agressão

25 agosto 2022 - 10h16Ana Clara Santos do Correio do Estado

Alvos da Operação Magna Manu, deflagrada ontem pela Corregedoria da Polícia Militar, o ex-policial da corporação Thiago de Souza Martins e o policial militar Alisson José Carvalho de Almeida já respondem a processos na Justiça Militar e na comum. Entre as acusações estão prática de contrabando, corrupção passiva e agressão física.   

Em busca no sistema E-Saj do Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul (TJMS), a reportagem do Correio do Estado encontrou quatro processos contra o agente Alisson José, que já havia sido afastado da PM por envolvimento na Máfia dos Cigarreiros, quadrilha que contrabandeava cigarros pela região de fronteira do Estado com o Paraguai.   

Todas as quatro denúncias foram recebidas pela Auditoria Militar, sendo três de 2019 e uma de 2021. Todas do primeiro ano constam como paradas. 

Entre os processos está um que foi recebido pela Auditoria Militar em 30 de janeiro de 2019. Neste, o agente foi acusado de crimes contra a vida por ter agredido a própria mãe.   

Já no recebido pela Justiça no dia 16 de abril do mesmo ano, o policial militar consta como um dos envolvidos no contrabando de cigarros do Paraguai pela região de fronteira com Mato Grosso do Sul.   

A quadrilha integrada por Alisson José foi investigada e desmantelada por operação conduzida pelo Grupo de Atuação Especial de Repressão ao Crime Organizado (Gaeco), do Ministério Público de Mato Grosso do Sul (MPMS).   

Com sua exclusão “ex-offício” das fileiras da PM por seu envolvimento no crime já citado, o agente entrou com um mandado de segurança contra a corporação requisitando sua volta para o grupo. Dessa forma, hoje, ele integra os quadros da polícia por força da decisão judicial.   

Em outro processo, o policial militar figura como acusado de lesão corporal contra um outro policial. Conforme as investigações, o fato aconteceu dentro do Presídio Militar Estadual, quando o policial puxou uma cadeira na qual a vítima estava sentada, fazendo com que ela machucasse de forma grave o ombro.   

A denúncia foi feita pelo Ministério Público e assinada pela promotora de Justiça Thatiana Correa da Silva Façanha, em 30 de novembro de 2018. Alisson José recorreu da decisão e o processo ainda não transitou em julgado.   

Contrabando

Já por parte do ex-policial Thiago de Souza Martins, existe um processo tramitando na Auditoria Militar em que ele é acusado de transportar aproximadamente R$ 100 mil em produtos contrabandeados vindos do Paraguai.   

De acordo com o processo, Thiago, junto de outro policial militar, passou pelo Batalhão da Polícia Militar Rodoviária de Aquidabã/Ponta Porã e, tirando proveito de seu cargo, não foi devidamente revistado, por se apresentar como agente da PM.   

Ao Correio do Estado, a defesa de Thiago afirmou que o ex-policial continuará preso até passar pela audiência de custódia na manhã de hoje. Após a decisão, o acusado ficará à disposição da Justiça.   

O advogado de Thiago ainda aponta que o ex-policial se declarou inocente das acusações de desvio e tráfico de drogas. Dessa forma, ele ainda alega que apenas foi alvo da operação para prestar esclarecimentos à polícia.   

Martins era 3º sargento e teve seu afastamento divulgado no Diário Oficial do Estado, no dia 16 de agosto. Sua exclusão se deu pela condenação por crime de descaminho.   

À época, o ex-policial foi condenado após investigações que apontaram que ele, juntamente com outro policial militar, foi flagrado ao contrabandear aproximadamente R$ 100 mil em produtos pela fronteira do Estado com o Paraguai.   

Operação Magna Manu 

A fim de apurar o envolvimento do ex-policial e do policial militar em tráfico de drogas e receptação, a Corregedoria de Polícia Militar deflagrou, na manhã de ontem, a Operação Magna Manu. Dentro das investigações, que começaram em julho, foram cumpridos mandados de busca e apreensão e prisão preventiva. Os acusados permanecem em cárcere.   

Martins é conhecido por administrar um perfil no Instagram com cerca de 7 mil seguidores, no qual são publicados vídeos sobre a atuação de militares. 

Os dois presos foram localizados e encaminhados para a Corregedoria-Geral da Polícia Militar para oitivas e posteriormente deverão ser conduzidos para o Presídio Militar Estadual. 

Conforme divulgado em julho, ocorreu a prisão de um cidadão pelos crimes de tráfico de drogas e receptação. Durante a ocorrência, foram localizados nove tabletes de pasta base de cocaína, os quais pesavam aproximadamente nove quilos. 

Com a investigação em curso, constatou-se, por meio de outras diligências, já com a participação da Corregedoria-Geral da Polícia Militar, indícios de participação de policiais militares na prática dos crimes de peculato e tráfico de drogas. 

Desse modo, começou a ser investigada a possibilidade de os policiais estarem se apropriando dos entorpecentes, “tomando” a droga para eles próprios realizarem o tráfico, não havendo, portanto, o encaminhamento do material apreendido para as delegacias. 

Por isso os enquadramentos “peculato” e “tráfico de drogas”. Os demais fatos são objetos da apuração, que transcorre em segredo de Justiça.   

Por meio da assessoria de comunicação, a Polícia Militar informou que o inquérito policial para a apuração dos fatos foi instaurado ontem (24) e que a operação perdurará até a conclusão das investigações.   

A assessoria ainda informou que outros mandados de buscas e apreensão serão emitidos conforme o andamento do inquérito e a autorização da Justiça, caso se faça necessário.   

Como os acusados estão presos, a Polícia Militar estima que as apurações devem durar aproximadamente mais 20 dias. 

 Saiba 

A investigação que resultou na operação de ontem começou em julho deste ano, quando ocorreu a prisão de uma pessoa por tráfico de drogas e receptação. A pessoa estava com nove tabletes de pasta base de cocaína, que pesavam aproximadamente nove quilos.  

Na investigação, então, constatou-se, já com a participação da Corregedoria-Geral da Polícia Militar, indícios de participação de policiais militares na prática dos crimes de peculato e tráfico de drogas. Assim que se chegou aos envolvidos. 

 

Deixe seu Comentário

Leia Também

Começou em 3 abril
Servidores do IFMS aceitam propostas do Governo Federal para pôr fim à greve
O resultado da votação ainda não significa o fim da greve. A decisão será definida na plenária nacional do sindicato, nesta sexta-feira e sábado, 21 e 22 de junho
Urgente
Senador Nelsinho Trad mobiliza Senado Federal para ajudar o Pantanal contra incêndios
Em Dourados
Justiça do Trabalho de MS determina redução de jornada para trabalhador acompanhar filho com TEA
O caso é de Dourados e a redução da jornada de trabalho é de 50%, sem compensação de horas ou perda salarial para o trabalhador
Educação
IFMS prevê investimento de R$ 1 milhão em tecnologia da informação
Patrimônio Cultural
Prefeitura entrega certificação de agente cultural para 98 festeiros de São João
Cultura Pantaneira
Concurso de Andores e show de Thaeme e Thiago abre Banho de São João nesta sexta (21)
Destaque
Atleta, empresário e servidor público são homenageados pela Câmara de Corumbá
Evento
Corumbá recebe etapa Pantanal do Diálogo sobre Patrimônio Cultural e Ações Climáticas
Destaque
Corumbá debate o Paradesporto em Festival da Inclusão na Apae
No Pantanal
Vereador pede instalação de hidrante para combate a incêndios em Forte Coimbra

Mais Lidas

Queimadas
Fogo destrói ponte de madeira na Estrada Parque
Ladário
Incêndio atinge região próxima da Apa Baía Negra
Queimada
Fogo cresce na região do Bracinho e brigada da Apa Baía Negra fica sob alerta
Paredão de fogo
Equipes atuam em cinco frentes de combate ao fogo no Pantanal