Menu
quarta, 20 de outubro de 2021
Andorinha - Setembro e Outubro
Andorinha - Outubro e Novembro - MOBILE
Geral

Mesmo sob impasse, empresa que vai gerir Aquário descarta romper contrato

07 março 2016 - 13h46Campo Grande News
Em meio ao impasse jurídico entre o governo do Estado e a Egelte, empresa responsável pela obra do Aquário do Pantanal, em Campo Grande, o grupo Cataratas do Iguaçu, que administrará o local depois de pronto, descartou o rompimento do contrato e diz aguardar apenas a conclusão para assumir a administração. A empresa paranaense, que ganhou a licitação em 25 de dezembro de 2014, será a administradora do Aquário e cobrará a entrada do centro turístico de R$ 15,44 a R$ 30,88. O contrato tem duração de 25 anos e seu valor estimado é de R$ 145.000.000,00. Em resposta, a empresa afirmou que quanto à necessidade de atualização de prazos ou até mesmo dos valores, as tratativas acontecerão somente depois da entrega da obra. Por enquanto, a orientação é aguardar a conclusão do Aquário. Isto porque o Executivo Estadual trava uma batalha judicial com a Egelte. O governo entende que a empresa tem de retomar as obras, já que venceu a licitação, desde que o MPF-MS (Ministério Público Federal em Mato Grosso do Sul) recomendou a retirada da Proteco, esta, por sua vez alvo da Operação Lama Asfáltica. Com a suspensão, o governo, então, pediu que a Egelte assumisse novamente, mas a empresa disse não ter mais obrigação, já que foi substituída pela Proteco. Depois, condicionou seu retorno a uma auditoria no Aquário, para saber a condição da obra. O caso foi parar na Justiça, que tenta intermediar um acordo para obra ser, finalmente, retomada e concluída. Enquanto isso, a Cataratas do Iguaçu, que administra centros turísticos em todo o País, disse que as medidas adotados pelo governo não mudaram "absolutamente nada" a relação contratual com o Executivo Estadual. O edital prevê que a empresa só assumirá quando a obra estiver pronta. Na ocasião da licitação, o representante da empresa, Carlos Eduardo de Melo Guimarães, no entanto, havia dito que pretendia discutir tão logo os modos de operacionalização com o então governador do Estado, André Puccinelli (PMDB) e o que assumiu em janeiro de 2015, Reinaldo Azambuja (PSDB). Valores – A entrada integral, fechada no contrato, custará R$ 30,88 e a meia R$ 15,44. Nas compras em grupo haverá desconto, com ingressos por R$ 20,70. Estes valores devem prevalecer por 180 dias. O edital também prevê a isenção de estudantes carentes e de escolas públicas.  

Deixe seu Comentário

Leia Também

Flexibilidade
Com redução dos casos de Covid-19, Prefeitura altera Toque de Recolher em Corumbá
Monumento Histórico
Vereadores defendem resgate de antigo Farol do Balduíno no Rio Paraguai
Sem Emendas
Câmara aprova Moção em Apoio à regulamentação da profissão de podologia
Pobreza Menstrual
Vereadora pede apoio de deputados para derrubar veto presidencial na distribuição de absorventes
Em tramitação
Proposta cria programa de apoio a catadores de recicláveis em Corumbá
Briga Antiga
Anatel convoca a Oi para reunião sobre internet em Corumbá
Na Câmara
Vereador questiona índices do ICMS Ecológico estabelecidos para 2022
Desdobramento
Denúncia contra os nove indiciados pelo Dracco na Operação "Dark Money" vira processo judicial
Desdobramentos
PF apreende arma, munição e faz termo de conduta durante operação Mercês
Crime na Capital
Após disparos, polícia prende ladrões que fizeram idosa e cuidadora de reféns na Capital

Mais Lidas

Investigação
Polícia federal cumpre sete mandados judiciais por crimes praticados na eleição 2020
Desdobramentos
PF apreende arma, munição e faz termo de conduta durante operação Mercês
Monumento Histórico
Vereadores defendem resgate de antigo Farol do Balduíno no Rio Paraguai
Desdobramento
Denúncia contra os nove indiciados pelo Dracco na Operação "Dark Money" vira processo judicial