Menu
domingo, 26 de setembro de 2021
Expresso Mato Grosso - Junho
Geral

Máscaras devem ter 3 camadas de tecido para evitar contaminação pelo coronavírus

21 junho 2020 - 08h30Midia Max

A OMS (Organização Mundial de Saúde) referendou e, pelo mundo, o uso de máscaras de tecido se tornou comum como meio de prevenção ao novo coronavírus (Covid-19). Desde sexta-feira (19), seu uso é obrigatório em Campo Grande e, a partir desta segunda-feira (22), a exigência valerá para todo o Estado.

No entanto, o item deve ter algumas especificações a serem seguidas, entre elas a existência de três camadas de tecido para que realmente evite a disseminação do vírus no ambiente.

Conforme a OMS, as máscaras de tecido devem ter uma camada interna de algodão, uma externa de material hidrofóbico (como poliéster) e uma camada intermediária feita de material sintético –como o polipropileno (cuja fibra é usada, por exemplo, no TNT, sigla de “tecido não tecido”).

“Essas máscaras são indicadas para o uso da comunidade em geral na prevenção da Covid-19 e precisam ter três camadas de tecido. A que fica em contato com a pele deve ser de um tecido de algodão 100%, a camada do meio deve ser de tecido sintético, como TNT ou usa-se outra camada de tecido de algodão 100%. A camada externa deve ser de um tecido que não absorva água, como o poliéster. Um exemplo de tecido poliéster que pode ser utilizado é o oxford”, explicou a professora Ana Lúcia Marran, do curso de enfermagem da Uems (Universidade Federal de Mato Grosso do Sul).

Segundo a professora, as máscaras podem ser feitas em dois modelos: plana (fixa ao rosto) e a “bico de pato”. “A máscara tipo bico de pato pode ter uma costura na frente, que deve estar bem fechada para que a máscara te proteja”.

É importante que as máscaras sejam justas e tenham o tamanho adequado para cada pessoa. Os tecidos devem ter tramas bem fechadas e cobrir nariz, boca e queixo. O elasteno não pode ser usado porque, ao se colocar a máscara no rosto, a mesma estica, reduzindo sua eficiência.

“Quando elas apresentam desgastes, já não está ficando bem justa, o elástico já não está tão firme, é necessário descartar a máscara”, explicou Ana, reiterando que o uso da proteção não dispensa hábitos de higiene como lavar as mãos e evitar o contato físico e aglomerações.

Higienização da máscara de tecido

A limpeza da máscara é importante e deve ser feita após o uso. A proteção deve ser pega pelo elástico ou laço traseiro (não se pode tocar na parte da frente, que pode estar contaminada) e a imergir em um recipiente com água potável e água sanitária (2 a 2,5%) por 30 minutos.

Não é necessária uma grande quantidade de água sanitária: a proporção de diluição é de uma parte do produto para 50 de água –10 ml de água sanitária para meio litro de água– por 30 minutos. Depois, lave-a com água e sabão e enxágue em água correte.

As máscaras funcionam por até 2 horas de uso, devendo ser trocada depois por conta da umidade natural produzida pela respiração.

Deixe seu Comentário

Leia Também

Denúncia
Homem morre e família acusa médica da UPA de negligência
Palestras
3ª edição da Semana da Saúde do Sesc tem foco nos reflexos da pandemia
SCT 2021
IFMS abre inscrições para Semana de Ciência e Tecnologia
Javaporco
PMA flagra criação ilegal de javalis em propriedade de Dourados
Alerta
De agendamentos a esquemas de 'pirâmides', entenda os maiores golpes do Pix em MS
Retomada
Fundtur recebe inscrições no Programa "Incentiva+MS Turismo" até 5 de outubro
Bonito
Mulher é multada em R$ 5 mil por desmatamento ilegal em área protegida
Imunização
Veja quem pode se vacinar neste fim de semana em Corumbá
Balanço
Mais de 50% das drogas apreendidas na Operação Fronteiras e Divisas I são de MS
Economia
Comércio deve facilitar pagamento e ser cauteloso para o Dia das Crianças

Mais Lidas

Denúncia
Homem morre e família acusa médica da UPA de negligência
Imunização
Veja quem pode se vacinar neste fim de semana em Corumbá
Desenvolvimento
Comissão mista homologa consórcio que vai construir ponte da Rota Bioceânica em MS
Bonito
Mulher é multada em R$ 5 mil por desmatamento ilegal em área protegida