Menu
domingo, 26 de setembro de 2021
Expresso Mato Grosso - Junho
Geral

Mais de 54 mil ficaram sem energia nos últimos 11 meses por causa das queimadas

08 agosto 2020 - 08h50Redação

A meteorologia indica tempo seco para os próximos dias no Estado, é o que informa a previsão divulgada pelo Centro de Previsão de Tempo e Estudos Climáticos, que diz que até o dia 16 de agosto, não há expectativa de chuva. E é justamente nesse período de seca, que vai de abril à setembro, que aumentam o registro de queimadas urbanas e rurais que levam a prejuízos às comunidades. Além de colocar vidas em risco, o fogo pode afetar diretamente o fornecimento de energia elétrica.

De 25 de julho até o momento, a concessionária de energia elétrica já substituiu 28 postes de madeira que foram atingidos pelas chamas no Pantanal. “Pois mesmo sem atingir a rede, as queimadas podem colocar em risco a distribuição de energia, já que não é necessário que as chamas encostem nos cabos para provocar curtos-circuitos nas linhas de energia, pois o calor das queimadas pode provocar ocorrências como o rompimento de cabos e danos aos equipamentos, prejudicando o fornecimento”, explica o gerente de Operações da Energisa MS, Fernando Corradi.

De acordo com a concessionária de energia elétrica nos últimos 11 meses, as ocorrências provocadaspor queimadasinterromperamo fornecimento de energia para mais de 54.977 clientes, dos municípios de Dois Irmãos do Buriti, Aquidauana, Porto Murtinho, Miranda, Bodoquena, Bonito, São Gabriel do Oeste, Tacuru, Rio Brilhante e Guia Lopes da Laguna.

“De janeiro a julho deste ano, as ocorrências provocadaspor queimadasinterromperamo fornecimento de energia para mais de 4.691 clientes, sendo uma na Capital e 14 interferências na rede distribuídas pelo interior do estado, sendo as cidades atingidas: Anastácio, Ribas do Rio Pardo, Itaporã, Angélica, Nioaque, Maracaju, Itaquirai, Japorã, Sidrolândia, Cassilândia, Jaraguari, Sonora e Corumbá", aponta Fernando.
 
Além de causar danos ao meio ambiente e colocar a natureza, plantas e animais em perigo, as queimadas provocam ainda problemas à saúde, principalmente em períodos mais secos como este, pois quem sofre com doenças respiratórias, tem sua saúde ainda mais abalada.

"Seja no campo ou na cidade, as pessoas devem redobrar a atenção. Orientamos o produtor rural a se informar com os órgãos responsáveis, como a Secretaria Municipal de Meio Ambiente e Desenvolvimento Urbano (Semadur) ou Sindicato Rural de sua cidade, onde poderá obter orientações sobre técnicas que substituam a necessidade de uma queimada", instruiFernando.
 
Todos os anos as queimadas provocam grandes prejuízos, tais como empobrecimento do solo, poluição, danos às redes de eletricidade, além de acidentes rodoviários. Diante disso, ao identificar um foco de incêndio, informe o departamento de meio ambiente de seu município e o Corpo de Bombeiros. Se for próximo às redes elétricas, notifique também aEnergisa pelo telefone 0800722 7272(ligação gratuita), pelo aplicativoEnergisaOnou pelas redes sociais (Facebook.com/energisa).

Deixe seu Comentário

Leia Também

Denúncia
Homem morre e família acusa médica da UPA de negligência
Palestras
3ª edição da Semana da Saúde do Sesc tem foco nos reflexos da pandemia
SCT 2021
IFMS abre inscrições para Semana de Ciência e Tecnologia
Javaporco
PMA flagra criação ilegal de javalis em propriedade de Dourados
Alerta
De agendamentos a esquemas de 'pirâmides', entenda os maiores golpes do Pix em MS
Retomada
Fundtur recebe inscrições no Programa "Incentiva+MS Turismo" até 5 de outubro
Bonito
Mulher é multada em R$ 5 mil por desmatamento ilegal em área protegida
Imunização
Veja quem pode se vacinar neste fim de semana em Corumbá
Balanço
Mais de 50% das drogas apreendidas na Operação Fronteiras e Divisas I são de MS
Economia
Comércio deve facilitar pagamento e ser cauteloso para o Dia das Crianças

Mais Lidas

Denúncia
Homem morre e família acusa médica da UPA de negligência
Imunização
Veja quem pode se vacinar neste fim de semana em Corumbá
Desenvolvimento
Comissão mista homologa consórcio que vai construir ponte da Rota Bioceânica em MS
Bonito
Mulher é multada em R$ 5 mil por desmatamento ilegal em área protegida