Menu
quarta, 01 de dezembro de 2021
Cassems - Rede Amo
Mobile - Andorinha Dezembro
Geral

Mãe e filho foram condenados por mentirem à Justiça em processo de tráfico

08 julho 2020 - 17h45Midia Max

Uma mulher e o filho foram condenados por mentirem à Justiça em processo de . Eles recorreram, mas a 2ª Câmara Criminal do  (Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul) deram provimento parcial ao recurso. 

A sentença da mãe, de dois anos e quatro meses de prisão, mais 16 dias-multa, em regime semiaberto, foi substituída por medidas restritivas de direito. O filho foi condenado a dois anos, 11 meses e 16 dias-multa, em regime inicial semiaberto.

No recurso, a defesa pediu a exclusão da culpabilidade pelo “reconhecimento da prática delitiva sob coação moral irresistível”. Para a mãe, pediu a redução do valor da prestação pecuniária e, para o filho, a fixação do regime inicial aberto.

Consta no processo que no dia 16 de novembro de 2010, em Três Lagoas, durante inquérito policial, a mulher afirmou ter comparecido à delegacia para registrar um boletim de ocorrência contra um homem que era investigado pela polícia.

No depoimento, ela declarou ter sido ameaçada pelo homem, que teria ido até sua casa cobrar uma dívida de drogas feita pelo filho. Ela afirmou à polícia ter pago a quantia de R$ 30 que estava sendo cobrada e ainda assim foi agredida pelo traficante. 

O filho confirmou os fatos, dizendo que foi cobrado o valor de sua mãe. No entanto, quando intimados para depor em juízo, como testemunhas em ação penal sobre o crime de , mãe e filho prestaram declarações falsas, diferente do que disseram à polícia.

A mãe alterou o depoimento, dizendo não ter conhecimento sobre o motivo da dívida cobrada, negando ter comentado sobre drogas em sua declaração. O filho alegou que não se recordava sobre o testemunho prestado à polícia, esclarecendo que o valor cobrado correspondia a uma quantia emprestada para comprar gás de cozinha.

Para o relator da apelação, desembargador Luiz Gonzaga Mendes Marques, a alegação da defesa de que os réus mudaram o depoimento em razão de represálias do traficante não encontra respaldo nos autos, pois não há um elemento seguro que aponte a ameaça de dano grave.

“Para que a coação moral irresistível esteja caracterizada são necessários cinco requisitos e, na hipótese, os réus alteraram as versões em juízo dizendo que se tratava de dívida de gás e não de drogas, no entanto essas versões são isoladas nos autos. A alegação de que mudaram os depoimentos porque houve represálias do traficante não encontra respaldo nos autos. Inexiste elemento seguro que aponte a ameaça de dano grave e a inevitabilidade do perigo”, apontou o relator em sua decisão.

Deixe seu Comentário

Leia Também

Crescimento
MS tem 37,9 mil trabalhadores formais a mais que antes da pandemia
Polícia
'Deu Zebra' não chega nem perto de donos do jogo do bicho e policiais se revoltam em Campo Grande
Meio Ambiente
Sanesul é cobrada para eliminar descarte de lodo na região do Porto Geral
Benefício
Nascidos em dezembro têm até o dia 31 para aderir ao saque-aniversário
Infraestrutura
Recuperação de galeria no bairro cervejaria é urgente
Acidente
Motociclista sofre ferimentos em queda acidental
Inédito
Bonito recebe primeiro voo em conexão direta com Congonhas nesta quinta-feira (02)
Habitação
Decreto regulamenta projeto Lote Urbanizado e cria novas regras e prazos
Rio Brilhante
Empresários que tiveram prisão decretada na operação 'Dark Card' estão foragidos
Jovens Empreendedores
Alunos de Escolas Municipais de Porto Murtinho expõem produtos desenvolvidos em sala

Mais Lidas

Alerta
Estudantes de medicina denunciam faculdade boliviana por aulas presenciais com casos de Covid
Desdobramentos
Universidade de medicina na Bolívia responde denúncia e concede exame virtual
Farsa
Bolivianos são presos ao tentavam ir para a Europa com documentos paraguaios
Cidade
Briga de casal termina com marido ferido por faca