Menu
segunda, 26 de julho de 2021
Expresso Mato Grosso - Junho
Expresso Mato Grosso - Promoção de Junho
Geral

Mãe e filho foram condenados por mentirem à Justiça em processo de tráfico

08 julho 2020 - 17h45Midia Max

Uma mulher e o filho foram condenados por mentirem à Justiça em processo de . Eles recorreram, mas a 2ª Câmara Criminal do  (Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul) deram provimento parcial ao recurso. 

A sentença da mãe, de dois anos e quatro meses de prisão, mais 16 dias-multa, em regime semiaberto, foi substituída por medidas restritivas de direito. O filho foi condenado a dois anos, 11 meses e 16 dias-multa, em regime inicial semiaberto.

No recurso, a defesa pediu a exclusão da culpabilidade pelo “reconhecimento da prática delitiva sob coação moral irresistível”. Para a mãe, pediu a redução do valor da prestação pecuniária e, para o filho, a fixação do regime inicial aberto.

Consta no processo que no dia 16 de novembro de 2010, em Três Lagoas, durante inquérito policial, a mulher afirmou ter comparecido à delegacia para registrar um boletim de ocorrência contra um homem que era investigado pela polícia.

No depoimento, ela declarou ter sido ameaçada pelo homem, que teria ido até sua casa cobrar uma dívida de drogas feita pelo filho. Ela afirmou à polícia ter pago a quantia de R$ 30 que estava sendo cobrada e ainda assim foi agredida pelo traficante. 

O filho confirmou os fatos, dizendo que foi cobrado o valor de sua mãe. No entanto, quando intimados para depor em juízo, como testemunhas em ação penal sobre o crime de , mãe e filho prestaram declarações falsas, diferente do que disseram à polícia.

A mãe alterou o depoimento, dizendo não ter conhecimento sobre o motivo da dívida cobrada, negando ter comentado sobre drogas em sua declaração. O filho alegou que não se recordava sobre o testemunho prestado à polícia, esclarecendo que o valor cobrado correspondia a uma quantia emprestada para comprar gás de cozinha.

Para o relator da apelação, desembargador Luiz Gonzaga Mendes Marques, a alegação da defesa de que os réus mudaram o depoimento em razão de represálias do traficante não encontra respaldo nos autos, pois não há um elemento seguro que aponte a ameaça de dano grave.

“Para que a coação moral irresistível esteja caracterizada são necessários cinco requisitos e, na hipótese, os réus alteraram as versões em juízo dizendo que se tratava de dívida de gás e não de drogas, no entanto essas versões são isoladas nos autos. A alegação de que mudaram os depoimentos porque houve represálias do traficante não encontra respaldo nos autos. Inexiste elemento seguro que aponte a ameaça de dano grave e a inevitabilidade do perigo”, apontou o relator em sua decisão.

Deixe seu Comentário

Leia Também

Imunização
Quem pode se vacinar nesta segunda (26)
Operação Hefesto
Incêndio atinge linha férrea sobre o Rio Paraguai
Economia
Prefeitura reúne meios de hospedagem para sensibilização turística e uso do QR Code 
Plantão
Incêndio atinge aterro sanitário de Corumbá
Suspeito
Governo prorroga contrato com empresa investigada por pagar propina a filho de Reinaldo
Tráfico de Drogas
Mala com 14 quilos de pasta base é encontrada na rodoviária de Corumbá
Pedrada
Briga de família termina com mãe ferida e filho preso
Polícia Militar
Homem denuncia filho foragido
Alerta Infectologista
Vacinados contra Covid-19 devem aguardar 48 horas para ingerir bebida alcoólica
Oportunidade
Inscrições para estágio na Justiça Federal terminam nesta terça (27)

Mais Lidas

Seguiriam para Bolívia
Dois veículos que seriam atravessados para Bolívia são recuperados
Imunização
Sábado tem vacinação contra Covid até 12h no drive do Poliesportivo
Cidade Tranquila
Operação conjunta combate crimes fronteiriços em Corumbá e Ladário
Mais tempo
Exame toxicológico na emissão de CNH tem prazo ampliado para utilização do laudo