Menu
segunda, 19 de abril de 2021
Andorinha Fevereiro
Andorinha Fevereiro
Geral

Luciano Leite diz que disputa na Famasul fortalece o setor produtivo

15 maio 2018 - 11h47Sindicato Rural de Corumbá

A disputa pela presidência da Famasul (Federação da Agricultura e Pecuária de Mato Grosso do Sul) na eleição marcada para junho, depois de 40 anos de votação por aclamação ao candidato único, é salutar e democrático e fortalece a classe produtora, na opinião do presidente do Sindicato Rural de Corumbá, Luciano Aguilar Leite.

O dirigente ruralista pantaneiro integra a chapa da candidata Terezinha Cândido, que se apresenta como a primeira mulher a disputar o cargo na entidade maior do agronegócio sul-mato-grossense, mas esclarece que nem por isso existe uma divisão do meio rural no Pantanal.

“A nossa classe produtora não está dividida, nem no Estado, nem no Pantanal, onde o companheiro Leonardo de Barros está na chapa do Saito (Maurício Saito, atual presidente da Famasul)”, disse Luciano. “Estamos trabalhando em cima de propostas e vencerá a que for melhor”, completa.

Um grande avanço

Para o presidente do Sindicato Rural de Corumbá, que integra a atual diretoria da Famasul como vice-presidente no Pantanal, a disputa inédita pela presidência da entidade fortalece o setor do agronegócio no Estado ao estimular um debate sadio e amplo em defesa dos interesses da classe.

A candidata Terezinha Cândido é veterinária e produtora e atualmente ocupa o cargo de diretora secretária da Famasul. Concorrendo à reeleição, Maurício Saito, também veterinário, é o nono presidente da entidade, eleito por aclamação do maior quórum de delegados já representado em eleições.

“Acreditamos que a concorrência estimulará um debate democrático e aberto dentro da federação e isso é bom para a nossa classe”, defende Luciano Leite. “Isso proporcionará a discussão de projetos e propostas que venham de encontro com o desejo do agronegócio, o que considero um avanço”, avaliou.

Força do campo

A Famasul é uma das 27 entidades sindicais que integram a Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), congregando atualmente 69 sindicatos rurais. Foi constituída em 29 de outubro de 1977, e fundada efetivamente com a assinatura da Carta Sindical, pelo Ministério do Trabalho, em 22 de fevereiro de 1979.

A primeira diretoria foi empossada em 18 de agosto no ano de 1979, tendo como primeiro presidente o produtor Sylvio Mendes Amado. O pecuarista Eduardo Machado Metello, presidente da entidade por duas vezes (1988-94), reformulou seu estatuto e integrou a instituição às atividades do Senar (Serviço Nacional de Aprendizagem Rural).

 

 

Deixe seu Comentário

Leia Também

POLICIAL
Homem é preso por crime de ameaça e apreende arma de fogo
CORONAVÍRUS
Covid-19 tem leve estabilidade, mas patamar continua alto
GERAL
Farmacêutico e agente de farmácia são convocados em processo seletivo do HRMS
POLICIAL
Homem é preso por violência doméstica no bairro Popular Velha
DETRAN
Detran-MS abre leilão de sucata aproveitável nesta terça-feira com 260 veículos
POLICIAL
PM de Corumbá realiza visita surpresa em aniversário de menino fã da corporação
ECONOMIA
Atividade econômica cresce 1,7% em fevereiro, diz BC
SAÚDE
Anvisa autoriza novo ensaio clínico de vacina contra covid-19
EDUCAÇÃO
Começa hoje o prazo para matrículas em chamada única do Sisu
TURISMO
Fundação de Turismo divulga 2º boletim do Observatório do Turismo Meios De Hospedagem

Mais Lidas

GERAL
Presos brigam em cela e um acaba morto em presídio de MS
PANTANAL
Com mais de 50 programas, apresentador divulga belezas do Pantanal na TV
CORONAVÍRUS
Coronavírus: variante P1 já é predominante em Mato Grosso do Sul
SAÚDE
Com mais um drive thru na Praça CEU, Prefeitura retoma vacinação contra a Covid-19