Menu
quinta, 04 de março de 2021
Governo do Estado - Campanha de Março
Geral

Lei que libera ‘Pílula do Câncer’ é aprovada mesmo que com ressalvas

14 abril 2016 - 09h11Gesiane Medeiros
  A disputa judicial pela liberação do medicamento Fosfoetanolamina Sintética, enfim teve Lei que libera o uso em pacientes com a doença aprovada pela presidente Dilma Rousseff. A publicação saiu no Diário Oficial da União desta quinta-feira (14).O medicamento que já havia sido distribuído no passado, e depois foi proibido através da portaria 1389/2014, causou grande mobilização social por parte de pacientes da doença e parentes, muitos acessaram a justiça para conseguir o direito de utilizarem o medicamento. Como o caso do advogado Corumbaense, Alexandre Mavignier, que entrou com até quatro ações judiciais em São Paulo, junto a tantas outras mil já registradas no Estado, solicitando a liberação do medicamento para sua mãe, Rosa Mavignier, que na época lutava contra um câncer que a venceu no início de março. A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), chegou por várias vezes comentar que a Fosfo não possuía ação eficiente contra o câncer, e que poderia sim, ser utilizada como suplemento ao tratamento, porém mesmo com a consideração decidiram por aprovar a liberação do remédio com ressalvas. O artigo 1° da publicação em Diário Oficial destaca que a Lei "autoriza o uso da substância fosfoetanolamina sintética por pacientes diagnosticados com neoplasia maligna". Já o artigo 2°, afirma que só "poderão fazer uso da fosfoetanolamina sintética, por livre escolha", os pacientes que apresentarem "laudo médico que comprove o diagnóstico" e "assinatura de termo de consentimento e responsabilidade pelo paciente ou seu representante legal". Sobre a Fosfoetanolamina Sintética A FOSFOETANOLAMINA é uma substância produzida pelo corpo humano e pode ter como função ser antitumoral, possuindo ação antiproliferativa e estimulativa a apoptose, que seria uma “morte celular programada”, ou seja, impede que o câncer se espalhe e produz a morte de suas células. Os estudos a Fosfo foram iniciados no começo dos anos 90 pelo professor Gilberto Orivaldo Chierice, no Instituto de Química de São Carlos – USP, e o mesmo descreve a ação da substância como uma espécie de marcador, sinalizando para o corpo sobre a célula cancerosa, deixando as mesmas mais visíveis para que o sistema imunológico a possa combater. A pesquisa que vem sendo realizada há 20 anos, e conta com dissertações de mestrado apontando resultados positivos na contenção e redução de tumores, através da utilização da droga em animais, e mais de 800 tiveram resultados positivos em tratamentos realizados com o medicamento.

Deixe seu Comentário

Leia Também

GERAL
Riedel aponta relevância do "Ilumina Pantanal"
BOLETIM COVID
Com mais 24 óbitos, MS contabiliza 3.374 mortes por Coronavírus
ABANDONO
Ladário sofre com descaso e abandono das autoridades municipais
CORONAVÍRUS
Saúde confirma primeiro caso da nova variante do coronavírus em MS
LUTO
Jornalista Jucyllene Castilho morre aos 35 anos em Campo Grande
SAÚDE
Idosos de 77 anos já podem se vacinar contra a Covid-19
SAÚDE
Anvisa diz que vacinas usadas no Brasil são seguras
POLÍTICA
André e Rose lideram 1ª pesquisa para o Governo em eleição 2022
COVID-19
Vereador propõe penalidades para quem não cumprir a ordem de vacinação dos grupos prioritários
CONCURSO PÚBLICO
Técnicos de Enfermagem são convocados em processos seletivos da Funsau

Mais Lidas

GERAL
PMA realiza trabalhos de orientação sobre minhocas em casas de iscas no MS
ABANDONO
Ladário sofre com descaso e abandono das autoridades municipais
INFRAÇÃO ADMINISTRATIVA
PMA autua morador de Corumbá por transporte ilegal de pescado
GERAL
Reinaldo Azambuja autoriza concurso público com 250 vagas para Polícia Civil