Menu
quinta, 20 de junho de 2024
Câmara - Queimadas 2024
Andorinha - 76 anos - Junho 2024
Geral

Justiça vê falta de prova e nega liminar contra operadoras por embolsar desconto

21 setembro 2022 - 08h55Aline dos Santos do CG News

Apesar de encontrar  “incongruências”, a Justiça negou liminar para que quatro operadoras de telefonia sejam obrigadas a aplicar a redução de ICMS (Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços) nas contas, sob pena de multa de no mínimo R$ 250 milhões. 

A questão foi levada ao Poder Judiciário pela Adecon (Associação de Defesa do Consumidor de Mato Grosso do Sul), enquanto o deputado estadual Paulo Duarte (PSB) denunciou a irregularidade na tribuna da Assembleia Legislativa e acionou o MPF (Ministério Público Federal).

Na ação, a Adecon destacou que a Lei Federal 194, de 23 de junho, determinou queda na aplicação de alíquota de ICMS em produtos e serviços essenciais, como combustíveis e comunicações. Mas se o preço da gasolina caiu de forma imediata, as faturas para os clientes das empresas de telefonia continuaram a chegar com mesmo valor, sem desconto. A alíquota passou de 27% para 17%.

Na tarde de ontem, o juiz da 2ª Vara dos Direitos Difusos, Coletivos e Individuais Homogêneos de Campo Grande, Alexandre Corrêa Leite, negou a liminar por não enxergar os pré-requisitos de probabilidade ao direito e perigo do dano. 

“Sucede que no caso concreto e a despeito das alegações da autora, ainda não há elementos que conduzam a esse juízo de convencimento acerca da probabilidade do direito invocado. Dentre outros motivos porque a autora foi incapaz de trazer aos autos prova razoável e induvidosa de que as rés estariam a infringir ou burlar o Decreto Estadual 15.990/2022 ou, ainda, normas congêneres dos outros Estados da Federação – que, aliás, não foram indicadas ou apresentadas”, informa o magistrado.

O processo, com pedido de indenização de R$ 1,5 bilhão, é contra a Claro, Vivo, TIM e Oi. Sobre a Vivo, o juiz apontou que as faturas anexadas pela associação mostra redução da alíquota, mas sem decréscimo do valor total porque o preço do plano subiu.

Quanto às contas anexadas da empresa Oi, “houve redução da alíquota para 19%, com consequente diminuição do valor total a ser pago pelo consumidor”, aponta o magistrado.

“É certo que persistem incongruências, especialmente na fatura da ré TIM (...), relativa ao período de 07 de julho a 06 de agosto de 2022, já sob a incidência do Decreto 15.990, na qual aparentemente foi cobrada a alíquota de 29%. Também comparando-se as faturas da ré CLARO, de períodos anteriores e posteriores ao Decreto (...), verifica-se que sem embargo da redução nominal da alíquota do ICMS, não houve modificação do valor total a ser pago pelo consumidor, sem que para isso se encontre explicação plausível nos documentos".

Conforme Alexandre Corrêa Leite, é imprescindível a abertura do contraditório, com a possibilidade de que as rés apresentem suas defesas e explicações, bem como a produção de provas mais robustas e convincentes, que porventura atestem a deliberada violação das normas pelas empresas.

Operadoras 

Por meio de nota, a Vivo assegurou que a redução da carga tributária será repassada aos consumidores. "O desenvolvimento técnico de múltiplos sistemas e com processamento plano a plano, teve início em julho, assim que os primeiros estados realizaram a divulgação das novas alíquotas. Dentro deste cenário, até setembro aproximadamente 80% dos clientes já deverão ser impactados com a redução dos valores em sistema”.

 A TIM informou que "a execução da redução da carga tributária dos serviços de telecomunicações impõe adaptações sistêmicas e operacionais em que a TIM vem trabalhando desde que a redução de ICMS foi adotada por parte dos Estados". Informou ainda que "seus efeitos serão necessariamente aplicados em fases" até novembro. 

A Oi informa que está repassando integralmente a redução do ICMS que incide sobre a conta dos seus clientes pessoa física, conforme decisão tomada em cada estado, para regulamentar a Lei Complementar 194/22.

Contudo, a empresa esclarece que o repasse se dá no mesmo período da aplicação do reajuste dos planos que é feita anualmente de acordo com índices econômicos atrelados aos serviços, conforme consta nos contratos entre a operadora e seus clientes.

No processo, a Claro informou que tão logo foi publicado o decreto em MS que reduziu a alíquota do ICMS para 17%, a empresa mobilizou seu corpo de profissionais para desenvolvimento de ferramenta necessária a promover os ajustes dos preços dos serviços de telecomunicações, individualizados por usuário, no menor prazo possível.

Entretanto, dada a complexidade que envolve tais ajustes, seria impossível implementá-las de forma imediata. A Claro anexou conta com vencimento em setembro que veio com desconto.
 

Deixe seu Comentário

Leia Também

Meio Ambiente
Falta de navegabilidade já impacta atuação de combate ao fogo no Pantanal
Programação
Arraial do Banho de São João em Ladário acontece de 20 a 23 de junho
Estado
Aprovados no concurso público da Saúde de MS são convocados para posse
Incêndios
Reunião entre Governo do estado e MMS alinham ações para ampliar atuação no Pantanal
Queimada
Fogo cresce na região do Bracinho e brigada da Apa Baía Negra fica sob alerta
Emprego e Renda
Vereador sugere estrutura para transformar terminal em um centro comercial
Maus Tratos
Civil resgata cães abandonados em imóvel fechado no bairro Guatós
Arraial
Termina hoje inscrição para Concurso de Quadrilhas; Andores e Miniandores prazo é amanhã
Ladário
Incêndio atinge região da Apa Baía Negra
Confira
Banho de São João faz mudanças no trânsito de Corumbá

Mais Lidas

Bombeiros
Plantão registra cinco enxames de abelhas e três incêndios em terrenos baldios
Queimadas
Fogo destrói ponte de madeira na Estrada Parque
Queimada
Fogo cresce na região do Bracinho e brigada da Apa Baía Negra fica sob alerta
Dsdobramentos
Prefeitura divulga resultado preliminar da avaliação psicológica do Concurso da Guarda Municipal