Menu
domingo, 26 de setembro de 2021
Expresso Mato Grosso - Junho
Geral

Justiça considera que prefeitura de Ladário não violou laicidade ao 'conclamar' jejum em município

20 junho 2020 - 15h34Redação A Crítica de Campo Grande

Foi negado por desembargadores do Órgão Especial o pedido em que a Ordem dos Advogados do Brasil - Seccional Mato Grosso do Sul  (OAB/MS) entrou com uma liminar de Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADI) contra o município de Ladário, após o prefeito Iranil de Lima Soares "conclamar" a população da cidade por meio de orações e jejum para combater a pandemia do coronavírus. No documento, a entidade informou que a medida é inconstitucional, levando em consideração que o Estado é laico, não podendo o município promover ou realizar qualquer ato religioso.

Os magistrados acompanharam o voto do desembargador Eduardo Machado Rocha, apontando que o decreto não é uma norma de cumprimento obrigatório, cabendo a população aderir a medida se quiser.  

Desembargador Machado Rocha apontou que a população poderia aderir a medida se quisesse. Foto: Divulgação

“É fácil perceber que o Decreto nº 5.202, que alterou o Decreto nº 5.194, ao conclamar toda a população ladarense a aderir as orientações de orações e jejum em prol do combate à pandemia, não violou qualquer norma constitucional, ao contrário, assegurou a mais ampla aplicação da liberdade de crença e de religião”, explica Rocha.

Ele ainda acresceta que o Decreto não faz alusão a uma religião específica, dirigindo-se à população cristã e não cristã, o que ficou bastante evidente no documento

“A intenção do decreto não é impor uma crença religiosa ou a observância de princípios teológicos e diretrizes religiosas, mas sim assegurar a liberdade de crença e religião e a prática de seu exercício, em qualquer de suas formas. Não se pode proibir a livre manifestação religiosa através da oração, pois aí sim haveria violação à liberdade de manifestação de pensamento e de crença”, ressalta.

Entenda 

A prefeitura de Ladário, publicou no dia 21 de maio um decreto local que pedia 21 dias de oração e um de jejum para combater a pandemia do novo coronavírus. O decreto pedia que voluntariamente a população ladarense, que possua "fé em Deus", faça orações diárias em seus lares ou nas igrejas, evitando aglomerações.

O documento ainda cita que para aqueles que não acreditam em Deus, que também de forma voluntária, utilizem da fé pessoal em favor da cidade.

Do outro lado, a OAB/MS argumentou que a Prefeitura violou o princípio da laicidade do Estado, na medida em que pauta ações do poder público, de acordo com orientações e fundamentações religiosas, e não observa a ampla liberdade de crença, descrença e religião presente no meio social do Município de Ladário, prestigiando práticas cristãs em detrimento das demais. Assim, buscou a concessão de medida cautelar a fim de suspender liminarmente o ato como forma de restabelecer o Estado laico não discriminatório.

 

Deixe seu Comentário

Leia Também

Denúncia
Homem morre e família acusa médica da UPA de negligência
Palestras
3ª edição da Semana da Saúde do Sesc tem foco nos reflexos da pandemia
SCT 2021
IFMS abre inscrições para Semana de Ciência e Tecnologia
Javaporco
PMA flagra criação ilegal de javalis em propriedade de Dourados
Alerta
De agendamentos a esquemas de 'pirâmides', entenda os maiores golpes do Pix em MS
Retomada
Fundtur recebe inscrições no Programa "Incentiva+MS Turismo" até 5 de outubro
Bonito
Mulher é multada em R$ 5 mil por desmatamento ilegal em área protegida
Imunização
Veja quem pode se vacinar neste fim de semana em Corumbá
Balanço
Mais de 50% das drogas apreendidas na Operação Fronteiras e Divisas I são de MS
Economia
Comércio deve facilitar pagamento e ser cauteloso para o Dia das Crianças

Mais Lidas

Denúncia
Homem morre e família acusa médica da UPA de negligência
Imunização
Veja quem pode se vacinar neste fim de semana em Corumbá
Desenvolvimento
Comissão mista homologa consórcio que vai construir ponte da Rota Bioceânica em MS
Bonito
Mulher é multada em R$ 5 mil por desmatamento ilegal em área protegida