Menu
quinta, 13 de junho de 2024
Andorinha - 76 anos - Junho 2024
Andorinha - 76 anos - Junho 2024
Geral

Justiça condena três servidores por esquema de consignados na Prefeitura de Corumbá

20 agosto 2022 - 09h22Redação

Foi publicada a condenação dos primeiros réus apontados pelo inquérito da Polícia Federal e Ministério Público Estadual, que investiga esquema criminoso de desvio de dinheiro público, envolvendo servidores do município, através de empréstimos consignados contratados por servidores cooptados pela administração do ex-prefeito Ruiter Cunha de Oliveira. A sentença foi proferida pelo Juiz Marcelo da Silva Cassavara.  

Foram condenados Márcio Aparecido Cavasana da Silva, Samuel Paiva de Figueiredo e Luiz Marcio Maciel. A decisão ocorre em primeira instância e cabe recurso. 

Foram absolvidos das acusações, Luiz Marcos Ramires e Pedro Paulo Marinho de Barros por não existir prova suficiente para a condenação. 

Marcio Cavasana foi condenado pelos crimes de Peculato e Associação Criminosa, com pena de oito anos e quatro meses de reclusão e 129 dias-multa em regime fechado, por se tratar de pena superior a oito anos. O juiz determinou que o réu perca seu cargo público de acordo com o art. 92,I, “b”, do Código Penal.   

Marcio Cavasana ocupou cargo na gestão de Ruiter Cunha, integrou o primeiro escalão na gestão de Paulo Duarte e atualmente exerce o cargo comissionado de Assessor Executivo I na Secretaria Municipal de Relações Institucionais com salário de R$ 9.500,00.  

A justiça fixou a título de indenização ao município, que Marcio pague R$ 41.971,72. Valor correspondente ao total dos empréstimos consignados, com correção monetária pelo IGP-M/FGV e juros de mora de 1% ao mês a contar da datar do crime, sendo considerada a data do primeiro consignado em 19 de fevereiro de 2010.  

Pela conduta de Corrupção Passiva, Marcio Cavasana foi absolvido pela justiça.  

Samuel Paiva foi condenado pelos crimes de Peculato à pena quatro anos e seis meses de reclusão em regime Semiaberto, por se tratar de condenação inferior a 8 anos de prisão. 

Uma indenização de R$ R$ 50.813,00 ao município foi fixada pela justiça. Valor que corresponde a soma total dos empréstimos consignados, com correção monetária pelo IGP-M/FGV e juros de mora de 1% ao mês a contar da data do crime, sendo considerada a data do segundo empréstimo em 27 de agosto de 2010. 

Luiz Mario foi condenado pelos crimes de Peculato à pena de seis anos e dez meses de reclusão em regime semiaberto, por se tratar de condenação inferior a 8 anos de prisão. 

Uma indenização de R$ 4.240,00 ao município foi fixada pela justiça. Valor correspondente a soma total dos empréstimos consignados com correção monetária pelo IGP-M/FGV e juros de mora de 1% ao mês a contar da data do crime, sendo considerada a obtenção do empréstimo consignado em 10 fevereiro de 2011. 

O Capital do Pantanal conversou com Marcio Cavanasa sobre a condenação, ele se disse surpreso com a decisão da justiça e que vai recorrer:

"Sobre a sentença proferida em 1ª Instância em me desfavor, me causou surpresa uma vez que sempre auxiliei e disponibilizei para a justiça todos os documentos pertinentes aos fatos apurados. A sentença se baseou apenas em delação premiada sem que se tenha apresentado de forma contundente a minha participação nos atos apurados. Acreditando fielmente na justiça e na minha inocência, uma vez que anteriormente a este processo jamais fui indiciado ou respondi a outro  processo criminal; Acreditando que se faz necessário uma análise mais apurada em todo andamento processual e provas constantes no processo que possui mais de 2.700 (duas mil e setecentas) páginas, informo que irei recorrer, tendo a tranquilidade necessária para aguardar o julgamento a ser realizado pelo Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul. Desta maneira, não cabe neste momento a antecipação de responsabilidade penal externada expressamente pelo Juiz de 1º Grau , restando a minha defesa apresentar os recursos permitidos, uma vez que se faz necessário respeitar e confiar no Estado Democrático de Direito e nas instituições, no sentido de garantirem aplicabilidade da Justiça".

O site Capital do Pantanal tenta contato com os outros dois condenados na sentença pela Justiça.

Sobre a operação

A operação que origina o inquérito penal, teve sua primeira fase deflagrada em 2013 e foi batizada como “Cornucópia”. De acordo com a investigação da Polícia Federal e do Ministério Público Estadual, mais de R$ 60 milhões de reais teriam sido obtidos ilegalmente gerando prejuízo aos cofres municipais.  

O esquema criminoso consistia no aliciamento de servidores municipais que obtinham aumento ilegal da sua folha de pagamento, o que consequentemente gerava uma maior margem para empréstimos consignados, que eram aprovados por instituições bancárias e depois repartidos com os operadores do esquema. Os empréstimos eram pagos com recursos públicos. 

 

 

 

Deixe seu Comentário

Leia Também

Capacitação
Qualifica Ladário está com inscrições abertas até 20 de junho
Novidade
Sorveteria de Caio Castro inaugura loja nesta sexta em Corumbá
Evento
Sábado tem Festival de Pipa em Ladário
Em até 9X
Ladário: prazo para incluir taxa do lixo na fatura de água encerra dia 14
Economia
Reunião aprovou prioridades e novas áreas de financiamento do FCO para 2025
Cidadania LGBTQIA+
Certidão de nascimento garante cidadania, direitos e renascimento de novas histórias
Viva a São João
Estão abertas as inscrições para concursos de Andores, Miniandores e Quadrilhas Juninas
Praça da Independência
Cerimônia cívico-militar comemora os 157 da Retomada de Corumbá
Edital
Sindicato convoca trabalhadores da J&F Mineração para Assembleia Geral
Economia
Em novo recorde para o mês, Junta Comercial registrou abertura de 960 empresas em maio

Mais Lidas

Infraestrutura
Moradores falam de melhor qualidade de vida após lajotamento de vias no Cravo Vermelho
Turismo
Consultoria vai facilitar certificação internacional para destinos e negócios de turismo em MS
Meio Ambiente
Câmara pede apoio técnico e logístico ao Governo Federal para combater queimadas no Pantanal
Meio Ambiente
Estudo alerta para escassez hídrica e aumento de mais de 1000% em incêndios no Pantanal