Menu
sábado, 02 de março de 2024
Andorinha - Novos ônibus - agosto 2023
Andorinha - Novos Ônibus - Agosto 2023
Geral

Juiz manda a júri popular acusado de matar ex-mulher e esconder em sofá-cama em Campo Grande

02 março 2018 - 09h50G1

O juiz Aluizio Pereira dos Santos, da 2ª Vara do Tribunal do Júri de Campo Grande, decidiu levar a júri popular o julgamento de Eduardo Dias Campos Neto, acusado de matar a ex-mulher Aparecida Anauanny Martins de Oliveira, de 18 anos, asfixiada e esconder o corpo em sofá-cama, há 11 anos.

Interrogado em dezembro do ano passado, Eduardo afirmou ao juiz que matou a ex-mulher depois de uma discussão sobre a paternidade do filho do casal. No dia 6 de março de 2007, Aparecida teria cuspido no rosto dele e confessado que o acusado não era o pai da criança.

Conforme a denúncia do Ministério Público do Estado (MPE), o laudo de exame necroscópico atesta que a causa da morte davítima foi asfixia mecânica causada por provável esganadura. Além disso, Eduardo disse no interrogatório ter dado um golpe conhecido como "mata leão" na vítima, que é uma espécie de estrangulamento utilizado em artes marciais.

"A instrução processual permite concluir que EDUARDO pode teraplicado o golpe de asfixia de inopino, sem que a vítima pudesse esperar o ataque, bem como teria segurado-a em 'chave de braço' por cerca de 3 (três) minutos, somente cessando a agressão quando Aparecida parou de se mexer", disse Aluizio na decisão.

O Tribunal de Justiça de Mato Grossodo Sul (TJ-MS) concedeu ao acusado a substituição da prisão preventiva por domiciliar no dia 22 de fevereiro. Eduardo faz tratamento contra um câncer, inclusive foi interrogado pelo juiz na Santa Casa, onde estava internado.

Fuga

O acusado ficou 10 anos foragido da polícia. A captura dele, em agosto de 2017, foi possível depois da inclusão na da Interpol. A prisão ocorreu em uma estrada de terra no Paraguai, próximo a Porto Murtinho, região sudoeste de Mato Grosso do Sul.

O acusado disse que escondeu o corpo da ex-mulher para evitar que o filho visse a mãe morta. Em seguida, fugiu para o país vizinho onde permaneceu foragido até a prisão. Durante os 10 anos que esteve como fugitivo, trabalhou em fazendas e constituiu outra família e é pai de uma menina.

Relacionamento

Antes de morar com Eduardo, a jovem Aparecida vivia com a família, no distrito de Anhanduí, em Campo Grande. Ela era a filha mais nova de dona Maria Iraídes. A professora se lembra que o relacionamento dos dois era conturbado e que o genro sempre foi agressivo por causa de ciúmes. Um dia depois do crime ela chegou a ir até o apartamento onde o corpo da filha estava escondido.

Deixe seu Comentário

Leia Também

Benefício
Prefeito assina decreto que regulamenta aumento no plantão de profissionais da saúde
Imunização
Corumbá terá três postos de multivacinação neste sábado, 02 de março
Ranking
MS é destaque nacional na gestão de recursos federais e execução de projetos e convênios
Necessário
Recadastramento em programa do Governo que paga a conta de luz segue até 10 de maio
Campanha
Ladário expande vacinação contra dengue nas escolas da rede municipal
Evento
Corumbá sedia 3ª edição da Copa dos Campeões da Assomasul neste final de semana
Mudanças
Supremo derruba a regra sobre distribuição de sobras eleitorais em eleições proporcionais
Em processo
Reunião com novos diretores aborda habilitação de unidade de saúde exclusiva para presídios
Turismo ecológico
Encontro aborda aspectos da educação ambiental no turismo do Pantanal
Direito à saúde
DPU assegura que imigrantes sejam incluídos na fila de transplantes

Mais Lidas

10 vagas em MS
Inscrições estão abertas para concurso da Caixa com três vagas em Corumbá
Confirmado
Dupla sertaneja Henrique e Diego é a principal atração cultural do FIPEC 2024
Bombeiros
Acidentes de trânsito fazem quatro vítimas nesta manhã em Corumbá
27 vagas
Inscrições para concurso de professores da UFMS seguem abertas até 7 de março