Menu
domingo, 09 de maio de 2021
Andorinha - Maio
Geral

Juiz manda a júri popular acusado de matar ex-mulher e esconder em sofá-cama em Campo Grande

02 março 2018 - 09h50G1

O juiz Aluizio Pereira dos Santos, da 2ª Vara do Tribunal do Júri de Campo Grande, decidiu levar a júri popular o julgamento de Eduardo Dias Campos Neto, acusado de matar a ex-mulher Aparecida Anauanny Martins de Oliveira, de 18 anos, asfixiada e esconder o corpo em sofá-cama, há 11 anos.

Interrogado em dezembro do ano passado, Eduardo afirmou ao juiz que matou a ex-mulher depois de uma discussão sobre a paternidade do filho do casal. No dia 6 de março de 2007, Aparecida teria cuspido no rosto dele e confessado que o acusado não era o pai da criança.

Conforme a denúncia do Ministério Público do Estado (MPE), o laudo de exame necroscópico atesta que a causa da morte davítima foi asfixia mecânica causada por provável esganadura. Além disso, Eduardo disse no interrogatório ter dado um golpe conhecido como "mata leão" na vítima, que é uma espécie de estrangulamento utilizado em artes marciais.

"A instrução processual permite concluir que EDUARDO pode teraplicado o golpe de asfixia de inopino, sem que a vítima pudesse esperar o ataque, bem como teria segurado-a em 'chave de braço' por cerca de 3 (três) minutos, somente cessando a agressão quando Aparecida parou de se mexer", disse Aluizio na decisão.

O Tribunal de Justiça de Mato Grossodo Sul (TJ-MS) concedeu ao acusado a substituição da prisão preventiva por domiciliar no dia 22 de fevereiro. Eduardo faz tratamento contra um câncer, inclusive foi interrogado pelo juiz na Santa Casa, onde estava internado.

Fuga

O acusado ficou 10 anos foragido da polícia. A captura dele, em agosto de 2017, foi possível depois da inclusão na da Interpol. A prisão ocorreu em uma estrada de terra no Paraguai, próximo a Porto Murtinho, região sudoeste de Mato Grosso do Sul.

O acusado disse que escondeu o corpo da ex-mulher para evitar que o filho visse a mãe morta. Em seguida, fugiu para o país vizinho onde permaneceu foragido até a prisão. Durante os 10 anos que esteve como fugitivo, trabalhou em fazendas e constituiu outra família e é pai de uma menina.

Relacionamento

Antes de morar com Eduardo, a jovem Aparecida vivia com a família, no distrito de Anhanduí, em Campo Grande. Ela era a filha mais nova de dona Maria Iraídes. A professora se lembra que o relacionamento dos dois era conturbado e que o genro sempre foi agressivo por causa de ciúmes. Um dia depois do crime ela chegou a ir até o apartamento onde o corpo da filha estava escondido.

Deixe seu Comentário

Leia Também

POLICIAL
Pedestre é atropelado por caminhonete, arremessado e corpo encontrado 1h depois em matagal
Várias testemunhas procuraram corpo por cerca de uma hora
SAÚDE
Cruz Vermelha Internacional completa hoje 158 anos
POLICIAL
Idoso de 86 anos morre após ser atropelado e arrastado em Campo Grande
INTERNACIONAL
Pfizer deve produzir 4 bilhões de doses de vacina contra covid em 2022
GERAL
Sábado é o último dia para matrícula para aprovados da UEMS da 4ª convocação
POLICIAL
Polícia Militar Ambiental resgata tucano atropelado em rodovia
SAÚDE
Centro de Atendimento à Covid-19 está funcionando em novo endereço
GERAL
Procon divulga pesquisa de preços com opções de presentes para o Dia das Mães
GERAL
Pequenos negócios são responsáveis por quase 70% dos empregos gerados em março em MS
GERAL
Senac Corumbá oferece opções de cursos nas áreas de beleza e saúde

Mais Lidas

GERAL
Senac Corumbá oferece opções de cursos nas áreas de beleza e saúde
POLICIAL
Pedestre é atropelado por caminhonete, arremessado e corpo encontrado 1h depois em matagal
POLICIAL
Idoso de 86 anos morre após ser atropelado e arrastado em Campo Grande
CIÊNCIA E TECNOLOGIA
Pesquisadores do Estado desenvolvem gel cicatrizante à base de planta nativa