Menu
sexta, 15 de janeiro de 2021
Andorinha - campanha dezembro
Andorinha - Dezembro
Geral

Jornalista Victor Barone lança no dia 6 o livro "Poemas de Amor e Fúria"

05 fevereiro 2019 - 08h40Assessoria de imprensa

Uma ciranda de palavras que proporcionam a percepção de dicotomias que habitam nas coisas e nos atos. De um lado, o amor profundo, a projeção da empatia. Do outro, o peso e a responsabilidade que advém desse sentimento. Em "Poemas de Amor e Fúria", o jornalista Victor Barone quebra jejum de uma década da primeira publicação, e revela que neste ínterim maturou seu olhar sobre o mundo.

Com lançamento a partir das 18h da próxima quarta-feira (6), na livraria Leparole, o novo livro de poesias de Victor Barone apresenta aos leitores 74 poemas repletos de lirismo e força. Também integram a obra o prefácio assinado pelo escritor e poeta mineiro L. Rafael Nolli e a riqueza das ilustrações do artista plástico Isaac de Oliveira, baiano radicado em Campo Grande.

Diferente de seu primeiro livro (Outros Sentidos, 2008 - Independente), no qual a sinestesia das palavras decorrentes de emoções seguiu protagonista, os versos de "Poemas de Amor e Fúria" trazem a guerra entre sentimentos não necessariamente opostos, mas complementares em sua essência: o amor, como sintoma da empatia. E a fúria, como reação das marcas d'alma.

É o experimento possível que surge a partir do enxergar-se em frente ao espelho. E de notar nos traços do rosto o resultado da vida fatigante, mas não por isso menos encantadora.

Barone celebra em "Poemas de Amor e Fúria" sua visão sobre o poder das palavras - as ditas e não ditas, que também ressonam no olhar, nos gestos, no sentir das coisas. Ao mesmo tempo que é poesia, é também uma etnografia dos tempos, é um retrato da fenomenologia tatuada nos atos cotidianos.

No prefácio, Nolli arremata certeiro esse aspecto marcante dos versos, nos quais o autor imprime suas impressões do mundo, ao longo de uma década marcada por tumultos sociais, políticos e interpessoais.

"A poesia de Victor Barone está no olhar – no que ele vê. E ele vê não só o superficial, facilmente perceptível – transformando a realidade em poesia – ele vê, como os poetas veem – ou deveriam ver – por dentro, pelas engrenagens secretas, pelas entranhas, pelas entrelinhas. Creio residir aí o grande segredo de sua poesia", comenta o prefacerista.

Nas palavras do próprio autor, a obra marca o fim de um hiato desde sua primeira obra e a maturação de seu olhar para além de si. É a mistura da sensibilidade com a agressividade, na composição e reprodução dos maniqueísmos que diariamente presenciamos, mas que nem sempre percebemos ou queremos notar.

Deixe seu Comentário

Leia Também

CAPTURA DE ANIMAL
PMA captura tamanduá-bandeira no centro da cidade, o terceiro em 15 dias
EDUCAÇÃO
Termina hoje inscrição para primeira seleção de 2021 do ProUni
COVID-19
MS chega à metade de janeiro com 272 mortes por Covid-19
CAMPANHA SAÚDE MENTAL
Janeiro Branco: Profissionais falam da importância de cuidar da saúde mental
POLICIAL
PRF e PM apreendem 581 Kg de maconha em MS
Utilidade
O melhor formato de vídeo para o seu Mac
EDUCAÇÃO
Veja cinco dicas para se preparar para o Enem 2020
EDUCAÇÃO
IEL está com inscrições abertas para o curso de planejamento estratégico
SAÚDE
Centro e Borrowiski recebem ação de combate à dengue nesta sexta e sábado
ECONOMIA
Nascidos em julho podem sacar auxílio emergencial a partir de hoje

Mais Lidas

CHUVA FORTE
Tempestade atinge 220 famílias em Corumbá
COVID-19
Criança de 8 morre por coronavírus em MS, somando 2.625 mortes pela doença
POLICIAL
Policiais prendem homens por lesão corporal dolosa e ameaça no Loteamento Pantanal
RECLAMAÇÃO DO CONSUMIDOR
Consumidor paga conta e tem água cortada