Menu
quarta, 29 de maio de 2024
Andorinha - Novos ônibus - agosto 2023
Andorinha - Novos Ônibus - Agosto 2023
Geral

Incertezas na Saúde da capital

08 abril 2016 - 14h53Redação
Precarização do atendimento público e da relação do trabalho, com maior rotatividade e número de acidentes; ocorrências de assédio moral e facilitação para a corrupção. Esses foram alguns pontos negativos apontados pela audiência pública que discutiu a privatização da Saúde, na manhã desta quarta-feira (6), no Plenário Oliva Enciso da Câmara Municipal de Campo Grande. O vereador e médico Dr. Eduardo Cury (Partido Solidariedade) declarou o seu apoio aos usuários do Sistema Único de Saúde (SUS), enfermeiros, médicos e aos demais profissionais da Saúde que lotaram o auditório, posicionando-se contra a implantação das Organizações Sociais de Saúde (OSS). Ao fazer uso da palavra, Dr. Cury lembrou nomes de grandes empresas, inclusive do segmento da construção civil, que foram as primeiras a entrarem na gestão da Saúde em São Paulo e Rio de Janeiro. “Interessante. Como é que, sem fins lucrativos, temos empresas de grande porte entrando na área de gestão da Saúde”. Hospitais de São Paulo também foram citados pelo Dr. Cury, que possuem estruturas maravilhosas, mas com muitos fins lucrativos. Durante o evento, Dr. Cury alertou para as armadilhas que as avaliações de algumas OSS podem representar, pois estas organizações em seu primeiro ano de funcionamento são excelentes. Segundo ele, não podemos ter como referência o funcionamento de alguma OSS que não tenha uma história, sem informações que possam servir para comparações. Dr. Cury lembrou determinados programas que são referências nacionais como o “Brasil Sorridente”. Ele questionou: “Depois de privatizarmos isso, como vai ser o nome? ‘A Cárie Sorridente’? Ou será a ‘Dentadura Sorridente?’”. Após as discussões, por sugestão do Dr. Cury, foram feitos encaminhamentos, como a elaboração de uma carta oficial declarando que a Câmara Municipal não votará legislação em âmbito municipal, que permita a implantação de OSS em Campo Grande. “A conclusão desta Audiência Pública, extremamente legal e válida, é absolutamente contra a implantação das OSS em nossa Capital”.

Deixe seu Comentário

Leia Também

Embrapa
Campanha Anual de Promoção do Alimento Orgânico chega a sua 20ª edição no Pantanal
Atrativo Turístico
Vereador pede revitalização do Eco Parque Cacimba da Saúde
Bolsistas
IFMS prorroga inscrições para bolsas do Mulheres Mil
Serviço Necessário
Vereador pede atenção especial para recuperar sistema de energia no Taquaral
Solidariedade
Sistema Fiems envia carretas de eletrotécnica e marcenaria para atender desabrigados no RS
Vagas para MS
Divulgado gabarito preliminar do concurso da Caixa
Operação Cartão Vermelho
Cezário pede licença do cargo de presidente da federação
Pavimentação
Obras de infraestrutura avançam em ruas do bairro Jardim dos Estados
Recurso Federal
Luciano Costa busca emenda para atender programas sociais do Moinho Cultural
Obrigatório
Prazo para implantação de QR Code para identificação de táxis termina dia 21 de junho

Mais Lidas

Educação
Inscrições no IFMS para qualificação profissional a distância vão até domingo, 2 de junho
Esporte
Primeira etapa do Circuito Funec de Corrida Rua reúne mais de 400 participantes
+ de 7 quilos
Bolivianas são presas transportando pasta base para São Paulo
Na Câmara
Aprovado Projeto que institui 30 horas de jornada a profissionais de enfermagem em Corumbá