Menu
sábado, 18 de setembro de 2021
Expresso Mato Grosso - Junho
Geral

Incêndios que ameaçaram escola no Pantanal faz comando da PMA rever estratégias

15 julho 2020 - 11h01Gesiane Sousa

O Comandante e Subcomandante da Policia Militar Ambiental (PMA), Tenente Coronel José Carlos Rodrigues e Major Cleiton Douglas da Silva, respectivamente, se deslocaram até o Pantanal de Mato Grosso do Sul (MS), para analisar de perto e conversar com autoridades locais sobre estratégias que minimizem a ocorrência de incêndios na região.

O Comando esteve nesta segunda-feira (13) com autoridades em Miranda e ontem (14), em Corumbá,  para definir melhores estratégias que evitem os incêndios que têm causado grandes transtornos e danos à região. A exemplo recente, o incêndio que no inicio de julho, ameaçou atingir a escola Jatobazinho, no Pantanal de Corumbá.

O Comando da PMA de Corumbá e equipes locais, juntamente com os Comandantes sobrevoaram a região para verificar a situações dos focos mais preocupantes. Infelizmente os incêndios advindos de causas naturais são em números mínimos. Normalmente sua origem é antrópica.

O Comando da PMA ressaltou que queimada (queima controlada) ainda pode ser autorizada para áreas agropastoris, cumprindo as diversas condicionantes impostas pelo órgão ambiental na concessão da autorização. Para a autorização de queimada é necessário procurar o Instituo de Meio Ambiente de Mato Grosso do Sul (Imasul), para a obtenção da autorização ambiental.

A partir de 1º de agosto até o fim de setembro em todas as áreas do Estado, à exceção do Pantanal, neste até o fim de outubro, a queima controlada fica proibida neste período extremamente seco.

Apesar de a estratégia primária ser sempre a prevenção, o Comando da PMA alerta que provocar incêndio em mata ou floresta é crime punível com pena de dois a quatro anos de reclusão. Ou seja, é passível de prisão em flagrante. O infrator ainda pode ser multado administrativamente em até R$ 5.000,00 por hectare ou fração e ainda ser obrigado a recomposição dos danos.

Revista do Produtor

O Comando da PMA anunciou parceria com o Sindicato Rural em Campo Grande e a Polícia Militar Ambiental está concluindo uma cartilha no modelo da cartilha do pescador, com orientações aos produtores de como retirar as licenças, com passo a passo para cada tipo de atividade, bem como o que pode e não pode ser realizado nas propriedades.

A ideia surgiu porque a PMA percebeu que a maior parte das autuações nas propriedades rurais acontecem pela falta de atitudes simples para se conseguir legalizar aquele evento que motivou o auto de infração.

A PMA esclarece, que de fato, nunca quis autuar ninguém, até porque quando se autua o dano já foi causado e a função constitucional da Unidade de Fiscalização é a prevenção.  O Comando acredita que a informação e a educação sempre foram as melhores armas para a minimização dos problemas ambientais.

 

Deixe seu Comentário

Leia Também

Tentativa de Homicídio
Adolescente é socorrido com perfuração de bala na coxa
Auditoria
Brechas favorecem corrupção em mais de 90% das organizações públicas de MS, revela TCU
Espancamento
Rapaz vítima de agressão é socorrido inconsciente no bairro Camalote
Trânsito
Motociclista é socorrido com fratura na perna
Limpeza
Centro e Aeroporto recebem mutirão da dengue
23 vagas
Inscrição para o processo seletivo da Saúde de Corumbá termina às 17h de hoje
Imunização
Veja quem pode se vacinar nesta sexta (17) em Corumbá
PMA
Usina é multada em quase R$ 2 milhões por incêndio em áreas protegidas por lei
Cursos Grátis
Confira programação das carretas do Cidade Empreendedora em Corumbá
Repasses
MEC lança Painel de Investimentos em Educação Básica

Mais Lidas

"Branca Pura"
Operação apreende 47 quilos de cocaína; carga é avaliada em R$ 650 mil
Criminoso
Polícia investiga incêndio na ponte do Saran na Estrada Parque
Bodoquena
Assentamento é multado em R$ 60 mil por incêndio no Pantanal
Campo Grande
Tesouro Nacional reprova administração do prefeito Marquinhos Trad e secretário