Menu
terça, 05 de março de 2024
Fipec 2024
Fipec 2024
Geral

Implantação e restauração de rodovias do Pantanal avançam em várias frentes

24 julho 2018 - 10h16Kamilla Marques

Obra já licitada pelo Governo do Estado e com ordem de serviço, a implantação de revestimento primário em 40 km da rodovia MS-228, no Pantanal da Nhecolândia (Corumbá), aguarda apenas o fim da cheia na região para ser executada. Trecho arenoso, dificultando o acesso às fazendas, será compactado com cascalho (resíduos de minério), integrando a malha viária da maior planície alagável do mundo.

Com recursos do Fundo de Desenvolvimento de MS (Fundersul), a Agência Estadual de Gestão de Empreendimentos (Agesul) implanta na região pantaneira o maior programa rodoviário do Estado, abrindo um corredor de produção (pecuária e turismo) de Coxim, ao Norte, a Porto Murtinho, no extremo Sudoeste. A meta do Governo é criar uma rota de 1.000 km, interligando dez municípios da planície e destinos turísticos como Bonito e Jardim.

O cascalhamento dos 40 km da MS-228, entre a Curva do Leque (trevo com a MS-184, conhecida como Estrada-Parque) e a Fazenda Alegria, beneficia uma região de alta produção pecuária e o ecoturismo. A Agesul estima que em agosto, com o solo seco, será possível implantar desvios nas pontes de vazão para transportar o minério. As pontes de madeira têm capacidade para apenas 1,5 tonelada. A obra foi contratada por R$ 7.957.098,88.

“O areião nesse trecho segura até carro traçado”, observou Cláudio Francisco do Carmo, o Quequé, 49, dono de restaurante, oficina mecânica e borracharia na Curva do Leque, onde mora há 27 anos. “Pra passar aqui tem que ser bom e teimoso no volante e conhecer esse pedaço de chão, mas com esse cascalho vai melhorar 100%”, aposta ele. Seu comércio serve de entreposto para embarque e desembarque de gado e suprimento para as fazendas.

Bonito-Nabileque

São várias frentes de obras em execução, incluindo revestimento e implantação de rodovias e construção de pontes de concreto e madeira. A partir de Bonito, está sendo pavimentado um trecho da MS-382, até a entrada à Gruta do Lago Azul, e segue com restauração até a ponte do Naitaca, no Pantanal do Nabileque, em Corumbá. Essa via se interliga à MS-458, acesso alternativo a Porto Murtinho, e à MS-195, entroncamento com a MS-243, na Fazenda Jatobá.

A partir desta propriedade, situada na beira do Rio Nabileque, a MS-243 se estendia por 89 km até a BR-262 (Guaicurus, em Miranda).  O Estado implantou mais 29 km da estrada, em direção ao Forte Coimbra (Rio Paraguai), com a ajuda dos fazendeiros, que assumiram os custos do serviço de aterro. A Agesul executou a parte de revestimento primário (cascalhamento) e abriu licitação para construção de três pontes de concreto, ao custo de R$ 2.746.869,41.

A implantação de trechos intransitáveis da MS-243, superando áreas alagadas e de brejo, gerou uma nova perspectiva econômica na região e, além de reduzir custos, os pantaneiros estimam o aumento da produção bovina a partir deste ano. “É a estrada do nosso sonho, nenhum outro governo olhou por nós”, sintetizou o produtor rural do Nabileque Antônio Albuquerque dos Santos, 75. “Nessa cheia tiramos o gado pelo cascalho, sem perdas.”

Corumbá-Rio Verde

Outro acesso restaurado na região foi a MS-325, entre a MS-243 e a BR-262 (Morro do Azeite, em Corumbá, a poucos metros da Estrada-Parque, pela MS-184). Desse trecho até a MS-228 são 40 km com manutenção permanente da Agesul, atendendo um dos principais destinos de ecoturismo do Estado. O cascalhamento dos 40 km da MS-228 garante acesso o ano todo a uma das maiores praças de leilões, com comercialização de cinco mil cabeças/mês.

Na outra ponta da MS-228 (Corumbá-Aquidauana), está em execução a implantação de 18 km, entre a Vazante do Castelo e a Fazenda Conceição, com 50% da obra concluída. Com ordem de serviço, serão implantados 65 km nas MS-228-MS-423, entre Morrinho, Fazenda Pica-Pau e Vazante do Riozinho, interligando também Rio Negro. O trecho Serra da Alegria-Morrinho (MS-423), de 33 km, em Rio Verde, foi concluída. Total de investimentos: R$ 25 milhões.

“A abertura dessas estradas, além de garantir o ir-e-vir na seca ou na cheia, vai diversificar a nossa economia, agregando pecuária e turismo dentro das propriedades”, aposta Luciano Leite, presidente do Sindicato Rural de Corumbá. “Muitas pousadas fecharam na Nhecolândia, por falta de acesso; mas agora podemos ofertar novos produtos e fortalecer nosso destino”, complementou João Venturini Junior, empresário de turismo na Estrada-Parque.

Deixe seu Comentário

Leia Também

Saúde Pública
Vereadora busca informações sobre exames do pré-natal na Saúde Pública
Destaque
Pesquisa mostra que diferença salarial entre mulheres e homens caiu
Aposta
Mega-Sena sorteia nesta terça-feira prêmio acumulado em R$ 205 milhões
Escalonamento
Governo de MS propõe indicadores de produção para aumentar salário de agentes de saúde
Boas Vindas
Moinho Cultural retoma atividades com 120 novos alunos
Bacia Paraguai
PMA aplica mais de R$ 53 mil em multas no primeiro final de semana de pesca aberta
Apresentação
Jiboia resgatada de circo é a embaixadora ambiental do Bioparque Pantanal
Tráfico de Drogas
Escaneamento identifica pasta base dentro de compressor
Tempo
Com temperaturas mais amenas, terça-feira tem tempo instável e probabilidade de chuvas
Corumbá tem mínima de 26°C e máxima de 31°C
Oportunidades
Qualifica Ladário divulga lista com os inscritos para as turmas 2024

Mais Lidas

Em Corumbá
Homem é preso acusado de abusar da sobrinha de 12 anos
Na BR 262
Boliviano é preso com 2kg de maconha em fundo falso de mala
Até dia 11
Processo Seletivo da UEMS tem 51 cursos de graduação com inscrições abertas
Ecoturismo
Baixa temporada em pleno verão em Bonito e Serra da Bodoquena tem tarifário reduzido