Menu
quinta, 23 de maio de 2024
Andorinha - Novos ônibus - agosto 2023
Andorinha - Novos Ônibus - Agosto 2023
Geral

Imigrantes sírios viviam em condições insalubres para trabalharem em obras na cidade

29 janeiro 2016 - 12h14Gesiane Medeiros
No dia nacional de combate ao trabalho escravo, a Polícia Federal de Corumbá flagrou seis imigrantes sírios trabalhando de forma ilegal e vivendo em condições sub-humanas, em imóvel localizado no centro da cidade. A constatação foi feita por equipe de policiais federais e auditores fiscais do trabalho, após receberem denúncia de suposta escravidão trabalhista envolvendo estrangeiros. Na delegacia da PF os sírios afirmaram estar na cidade há alguns meses, desde o ano passado, e que recebiam de R$ 1.200 à R$ 1.500 pelo trabalho, porém viviam em uma casa pequena, sem estrutura e dormiam sobre lenções diretamente forrados no chão. Segundo auditores fiscais, a empresa contratante que não teve o nome divulgado, recebeu 11 autuações, por ter deixado de observar os direitos trabalhistas dos nacionais sírios, como por exemplo o fato de não terem assinado a carteira de trabalho dos imigrantes, o que gera o não recolhimento de Fundo de Garantia por Tempo de Serviço (FGTS) e, também pelas irregularidades encontradas no alojamento disponibilizado. A empresa também foi notificada para que regularize a situação trabalhista e de moradia. Os seis estrangeiros receberam orientações sobre seus direitos trabalhistas e também sobre como regularizar a situação migratória, em seguida foram liberados. A investigação continua para apurar como os homens entraram no país. Diante de problemas em seu país, o povo sírio vive em uma busca incessante por uma vida melhor em outras nacionalidades, o Brasil é um dos países que mais recebe imigrantes. Em Corumbá, a comunidade síria é grande e boa parte do comércio é composto por trabalhadores e empresários de nacionalidade síria. A situação de imigrantes que se sujeitam a trabalhos escravos e sem seus direitos preservados termina sendo comum, no último ano, houveram dez casos de infração do Artigo n° 149 do Código Penal Brasileiro em Mato Grosso do Sul, artigo indicado quando alguém é reduzido a condição análoga à de escravo. Pena vai de dois a oito anos, e multa, fora a pena correspondente à violência.    Para a PF Segundo portal do G1, o chefe da Delegacia de Defesa Institucional da Polícia Federal, Marcelo Alexandrino de Oliveira, “esse é um crime que atinge não somente a liberdade, mas também a dignidade do indivíduo e é uma das formas mais cruéis de violação dos direitos humanos, por isso seu combate é uma das prioridades para a Polícia Federal”. Para o Delegado Regional de Combate ao Crime Organizado da Polícia Federal, Cléo Matusiak Mazzotti, "a integração entre os órgãos e as ações conjuntas de fiscalização e combate ao trabalho escravo são fatores fundamentais para a diminuição e busca da erradicação dessa prática criminosa”.    

Deixe seu Comentário

Leia Também

Fiscalização
Ação conjunta apreende 4 toneladas de mercadorias em Corumbá
Esporte
Com trinta equipes, 1ª Copinha do Futuro de Futsal tem primeiro jogo nesta quarta-feira
Oportunidade
IHP abre vagas para jovens aprendizes com idades entre 16 e 20 anos
Afroturismo
Corumbá participa pelo segundo ano consecutivo do projeto Caminhadas Negras
Meio Ambiente
Show com Seu Jorge e Daniel Jobim vai arrecadar recursos para o Pantanal
Economia
Começa amanhã consulta a maior lote de restituição do IR da história
Economia
Quase 50 mil pessoas buscam negociar dívidas em MS
Saúde
Projeto que institui vacinação nas escolas vai à sanção presidencial
Na Zona Rural
Vereador quer equipes da Assistência Social, atendendo assentamentos de Corumbá
Segurança
Táxis de Corumbá tem até 21 de junho para implantar QR Code de identificação

Mais Lidas

Agenda Cultural
Evento de som automotivo arrecada doações para RS e Instituto Novo Olhar
Na Câmara
Projeto de Lei Municipal torna laudos de TEA permanentes
Segurança
Denúncia de moradora recupera moto furtada no bairro Vila Mamona
Gaeco
Operação apura desvio de R$ 6 milhões e 1.200 saques para driblar fiscalização no Futebol