Menu
domingo, 28 de fevereiro de 2021
Andorinha Fevereiro
Andorinha Fevereiro
Geral

Imigrantes sírios viviam em condições insalubres para trabalharem em obras na cidade

29 janeiro 2016 - 12h14Gesiane Medeiros
No dia nacional de combate ao trabalho escravo, a Polícia Federal de Corumbá flagrou seis imigrantes sírios trabalhando de forma ilegal e vivendo em condições sub-humanas, em imóvel localizado no centro da cidade. A constatação foi feita por equipe de policiais federais e auditores fiscais do trabalho, após receberem denúncia de suposta escravidão trabalhista envolvendo estrangeiros. Na delegacia da PF os sírios afirmaram estar na cidade há alguns meses, desde o ano passado, e que recebiam de R$ 1.200 à R$ 1.500 pelo trabalho, porém viviam em uma casa pequena, sem estrutura e dormiam sobre lenções diretamente forrados no chão. Segundo auditores fiscais, a empresa contratante que não teve o nome divulgado, recebeu 11 autuações, por ter deixado de observar os direitos trabalhistas dos nacionais sírios, como por exemplo o fato de não terem assinado a carteira de trabalho dos imigrantes, o que gera o não recolhimento de Fundo de Garantia por Tempo de Serviço (FGTS) e, também pelas irregularidades encontradas no alojamento disponibilizado. A empresa também foi notificada para que regularize a situação trabalhista e de moradia. Os seis estrangeiros receberam orientações sobre seus direitos trabalhistas e também sobre como regularizar a situação migratória, em seguida foram liberados. A investigação continua para apurar como os homens entraram no país. Diante de problemas em seu país, o povo sírio vive em uma busca incessante por uma vida melhor em outras nacionalidades, o Brasil é um dos países que mais recebe imigrantes. Em Corumbá, a comunidade síria é grande e boa parte do comércio é composto por trabalhadores e empresários de nacionalidade síria. A situação de imigrantes que se sujeitam a trabalhos escravos e sem seus direitos preservados termina sendo comum, no último ano, houveram dez casos de infração do Artigo n° 149 do Código Penal Brasileiro em Mato Grosso do Sul, artigo indicado quando alguém é reduzido a condição análoga à de escravo. Pena vai de dois a oito anos, e multa, fora a pena correspondente à violência.    Para a PF Segundo portal do G1, o chefe da Delegacia de Defesa Institucional da Polícia Federal, Marcelo Alexandrino de Oliveira, “esse é um crime que atinge não somente a liberdade, mas também a dignidade do indivíduo e é uma das formas mais cruéis de violação dos direitos humanos, por isso seu combate é uma das prioridades para a Polícia Federal”. Para o Delegado Regional de Combate ao Crime Organizado da Polícia Federal, Cléo Matusiak Mazzotti, "a integração entre os órgãos e as ações conjuntas de fiscalização e combate ao trabalho escravo são fatores fundamentais para a diminuição e busca da erradicação dessa prática criminosa”.    

Deixe seu Comentário

Leia Também

PGE
Vídeo sobre planejamento financeiro está disponível no canal da PGE/MS
SAÚDE
Fiocruz espera ter 'protagonismo' na vacinação em abril com 30 milhões de doses
NOTA MS PREMIADA
Chance de ganhar no Nota MS Premiada é 28 vezes maior do que na Mega-Sena
TRÂNSITO
Capotamento na BR-163 mata adolescente e deixa motorista em estado grave
EDUCAÇÃO
IFMS oferece vagas para portadores de diploma e transferências no Campus Corumbá
SAÚDE
Brasil tem recorde de mortes por covid-19 pelo terceiro dia seguido
ECONOMIA
Acumulada, Mega-Sena sorteia hoje R$ 50 milhões
ECONOMIA
Banco do Brasil ajuda estados e municípios a cobrar impostos via Pix
TURISMO
Fornatur e ABEAR se reúnem para alinhar acordos com empresas aéreas durante pandemia
GERAL
Agesul conclui manutenção de muitas estradas após período de chuvas

Mais Lidas

EDUCAÇÃO
IFMS oferece vagas para portadores de diploma e transferências no Campus Corumbá
TRÂNSITO
Capotamento na BR-163 mata adolescente e deixa motorista em estado grave
GERAL
Complexo hospitalar de Corumbá está com 85% de sua estrutura pronta
PESCA
PMA lança e disponibiliza Cartilha do Pescador 2021 com todas regras de pesca