Menu
quinta, 18 de abril de 2024
Andorinha - Novos ônibus - agosto 2023
Andorinha - Novos Ônibus - Agosto 2023
Geral

IBGE: 9,7 milhões de trabalhadores ficaram sem remuneração em maio

24 junho 2020 - 16h45Midiamax

O número de trabalhadores que ficaram sem remuneração durante a pandemia de covid-19 no mês de maio chegou a 9,7 milhões, o que equivale a 11,5% da população ocupada no país. Os dados foram divulgados nesta quarta-feira (24), pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), que publicou a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD) – Covid-19.IBGE: 9,7 milhões de trabalhadores ficaram sem remuneração em maio

Nas Regiões Norte e Nordeste, o percentual de trabalhadores sem remuneração foi maior que a média nacional, chegando a 15% e 16,8%, respectivamente. No Sul, 5,9% dos trabalhadores ficaram nessa situação, enquanto, no Centro-Oeste, o percentual atingiu 8,2%, e, no Sudeste, 11%.

Em números absolutos, o Sudeste somou 4,19 milhões de trabalhadores sem remuneração, enquanto, no Nordeste, foram 3,16 milhões. Menos populosas, as regiões Norte (953 mil), Sul (828 mil) e Centro-Oeste (591 mil) tiveram números menores.

O grupo sem remuneração corresponde a 51,3% dos trabalhadores afastados de suas atividades no mês de maio, contingente que soma 19 milhões de pessoas, ou 22,5% da população ocupada. Os setores com mais afastamentos são: outros serviços (37,8%), serviço doméstico (28,9%) e alojamento e alimentação (28,5%). As atividades de agricultura, pecuária, produção florestal, pesca e aquicultura foram as menos afetadas, com 6,8% de afastados.

O trabalho remoto foi adotado por 8,7 milhões de trabalhadores, o que equivale a apenas 13,3% da população que continuou trabalhando em maio. O home office foi mais comum entre os trabalhadores de nível superior (38,3%), enquanto as demais faixas de escolaridade ficaram bem abaixo: 0,6% no nível fundamental incompleto, 1,7% no fundamental completo, e 7,9% no médio completo. O trabalho remoto também foi mais comum entre as mulheres (17,9%) que entre os homens (10,3%).

Renda

Outro efeito da pandemia foi a redução de horas trabalhadas, que atingiu 18,3 milhões de trabalhadores. Por outro lado, 2,4 milhões de pessoas trabalharam mais horas que o habitual no mês de maio.

Os impactos se refletiram na renda dos trabalhadores. O rendimento médio de todos os trabalhos caiu 18,2% em maio, de R$ 2.320 para R$ 1.899. Tal perda de renda chega a quase 20% nas Regiões Nordeste e Sudeste, e é menos intensa no Centro-Oeste, onde a diferença foi de 14,4%.

Deixe seu Comentário

Leia Também

4ª convocação
Atleta corumbaense disputa Pan-Americano de Basquete Máster no México
Destaque
Plano de Combate a incêndios prevê instalação de 13 bases avançadas no Pantanal
Obrigatório
FUNPREV convoca aposentados e pensionistas por invalidez para perícia médica bianual
Assistência
Povo das Águas atende moradores da região do Baixo Pantanal a partir de segunda, dia 22
Destaque
Corumbá promove, na 6ª feira, 2ª Conferência de Gestão do Trabalho e da Educação na Saúde
Economia
Exportação de industrializados de MS atingem US$ 434,7 milhões em março
Mudança
Novo sistema de cadastro no Programa Precoce MS já está disponível
Abril Verde
Campanha promove conscientização contra assédio a mulheres no trabalho
Plantão
Moradores do Centro América acionam os Bombeiros para conter Pitbull agressivo
Eleições 2024
Em novo partido, vereador Luciano Costa confirma pré-candidatura à prefeitura de Corumbá

Mais Lidas

Prata da Casa
Campanha arrecada doações para estudante competir em provas de atletismo na Capital
Segurança Alimentar
Supermercado de Ladário recebe autorização para manipular alimentos de origem animal
Segurança
Em 1º mês de atuação, Gafip recupera 100% das tornozeleiras rompidas em Corumbá
Corumbá
Banda faz apresentação cultural em celebração aos 376 anos do Exército