Menu
quinta, 28 de janeiro de 2021
Andorinha Fevereiro
Andorinha Fevereiro
Geral

Homenagens à padroeira de Forte Coimbra preservam tradição histórica e cultural

18 julho 2018 - 09h20Prefeitura de Corumbá

O prefeito Marcelo Iunes participou das celebrações em homenagem a Nossa Senhora do Carmo, padroeira de Forte Coimbra nesta segunda-feira, 16 de julho. Ao lado da primeira-dama e secretária Especial de Cidadania e Direitos Humanos, Amanda Balancieri Iunes, o chefe do Executivo Municipal acompanhou a procissão em que a imagem sagrada é carregada por uma guarda real com vestimentas de gala da época do Império. O cortejo segue da capela para a vila militar e termina às margens do rio Paraguai.

Iunes destacou que a celebração da padroeira de Forte Coimbra fortalece a preservação da memória histórica da fortificação, fundamental para a defesa do Brasil durante a guerra contra o Paraguai. Para ele, também reforça a devoção e a fé que a comunidade da região tem em Nossa Senhora do Carmo. “É uma data importante e a Prefeitura está ao lado da comunidade nesta bela celebração”, disse o prefeito, que visitou as dependências da escola rural da região.

Também participou da festa, o diretor-presidente da Fundação da Cultura e do Patrimônio Histórico de Corumbá, Joilson Cruz. Ele destacou que as comemorações em homenagem à santa padroeira do Forte é uma das atrações que integram o roteiro turístico e cultural de Corumbá. A celebração é organizada pelo Comando da 3ª Companhia de Fronteira Porto Carrero.

A data

O Dia de Nossa Senhora do Carmo é celebrado com muita fé, pois à santa são creditados milagres durante batalhas contra espanhóis e paraguaios, em 1801 e 1864. Conta a história, que Nossa Senhora do Carmo livrou a guarnição militar do forte (110 homens, cinco canoas e três canhões) de um massacre no dia 17 de setembro de 1801, quando um exército espanhol (600 homens, navios e 30 canhões) tinha ordem de ocupar o lugar na disputa pelo território com Portugal. Após nove dias de batalha, os espanhóis venceram, mas bateram em retirada ao verem a imagem da santa na entrada do forte.

Desde então, a imagem passou a ser reverenciada pela população local. A segunda manifestação ocorreu durante a Guerra do Paraguai. No dia 28 de dezembro de 1864, tropa paraguaia com 3,2 mil homens, 41 canhões, 11 navios e farta munição cercou o forte. Os brasileiros (149 homens) resistiram até o segundo dia, quando um soldado exibiu a imagem da santa e os inimigos suspenderam o fogo, permitindo a fuga dos sobreviventes.

A mesma imagem, trazida pelo construtor e depois comandante do forte, Ricardo Franco, encontra-se na capela da vila, onde recebe as honras militares. As joias, fotos, dinheiro e condecorações junto a seu manto representam graças recebidas.

A fortificação foi construída em 1775 e tombada pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) 200 anos depois.

Deixe seu Comentário

Leia Também

TRANSPORTE ILEGAL
ANTT emite nota a pedido do MPF e diz que operação da Buser é ilegal e passível de penalização
PROMOÇÃO DE PASSAGENS
Andorinha disponibiliza passagens promocionais a R$59,90
ASSISTÊNCIA SOCIAL
Povo das Águas atende ribeirinhos da região do Taquari a partir do dia 30
CONSUMIDOR
Anatel divulga balanço de reclamações em 2020
EDUCAÇÃO
IFMS divulga lista de inscritos para cursos de idiomas em andamento
Candidatos com a inscrição homologada deverão fazer testes de nivelamento de Espanhol, Inglês e Libras. Provas online serão aplicadas entre 1º e 9 de fevereiro
COVID-19
Mato Grosso do Sul registra 582 novos casos de Covid e 9 óbitos
COVID-19
Mais de 1200 pessoas já foram vacinadas contra a Covid-19 em Corumbá
CULTURA
Prefeitura disponibiliza, na quinta-feira, espetáculo "Conectados" na internet
GERAL
MS participa da 3ª edição de maratona mundial de criação de games
ECONOMIA
Nascidos em dezembro podem sacar auxílio emergencial a partir de hoje

Mais Lidas

DENÚNCIA
Funcionários demitidos do hospital não recebem rescisão trabalhista
ECONOMIA
Governo federal aprova auxílio emergencial para 196 mil pessoas
CHUVA FORTE
Temporal em Corumbá causa queda de árvores e alagamentos
MORTE POR COVID-19
Cinco dias após morte do marido, ex-primeira-dama de Dourados não resiste à Covid-19