Menu
sexta, 27 de novembro de 2020
Sebrae - Torra Estoque MS
Andorinha - 10% de desconto - Novembro
Geral

Governo recorre contra afastamento de diretoria da Aneel e da ONS

20 novembro 2020 - 09h30Agencia Brasil

A Advocacia-Geral da União (AGU) e a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) entraram com recurso ontem (19) contra a decisão do juiz João Bosco Costa Soares da Silva, da 2ª Vara Cível da Justiça Federal do Amapá, que determinou o afastamento provisório de toda a diretoria da Aneel e do Operador Nacional do Sistema (ONS). A AGU enviou pedido de suspensão da liminar ao Tribunal Regional Federal (TRF) da 1º região.

 

Para a União e a Aneel, a medida só é possível juridicamente em “situações nas quais a manutenção do agente público se revele nociva à instrução de processo de ação de improbidade”, o que, segundo os órgãos, não é o caso. “Pelo contrário, o afastamento das funções representa medida extrema que irá instabilizar completamente a organização e o funcionamento da Aneel e do Operador Nacional do Sistema, especialmente no atual contexto de enfrentamento da situação gravosa que assola o estado do Amapá”, defendeu a AGU.

 

Desde a noite do dia 3 de novembro, a população de 13 dos 16 municípios do Amapá enfrenta as consequências da falta de energia elétrica. O problema foi causado por um incêndio em um transformador da subestação da capital, Macapá, que acabou por ocasionar o desligamento automático nas linhas de transmissão Laranjal/Macapá e das usinas hidrelétricas de Coaracy Nunes e Ferreira Gomes, que abastecem a região. O transformador que pegou fogo pertence à LMTE, do grupo Gemini Energy.

 

Auxílio

 

Também foi solicitada a suspensão da liminar que determinava o pagamento de auxílio emergencial às famílias carentes atingidas pelo apagão. A União argumenta que o pagamento teria um custo estimado de R$ 418 milhões e que ocasionaria “grave lesão à ordem pública jurídica, administrativa e social e à economia pública e que não se pode criar um novo benefício social por decisão judicial”.

 

“A extensão consubstanciada na decisão abre um enorme espaço, sem autorização legislativa, para que o auxílio emergencial seja pago após qualquer catástrofe ou infortúnio, gerando gastos sem qualquer previsão orçamentária e ensejando um efeito multiplicador incomensurável”.

 

Além disso, de acordo com a AGU, o governo adotou “medidas administrativas com base em critérios técnicos que visam, justamente, mitigar a grave situação vivenciada pela população na região”, como a transferência de mais de R$ 21 milhões ao estado do Amapá para ações de defesa civil.

Deixe seu Comentário

Leia Também

Geral
Como fica o tempo no fim de semana?
Policial
PF deflagra operação contra fraudes no fornecimento de combustíveis
Policial
Mãe e bebê de dois meses morrem após carro bater em coqueiro em Bonito
Geral
Capacitações devem atingir mais de 4 mil profissionais da assistência social em MS
Geral
Com artesanatos produzidos por reeducandos, 12ª Feira do Artesão Livre "Especial de Natal' será em f
Geral
SES realiza webinário sobre 'Febre Amarela: Humana, Animal e Imunização'
Geral
Cuidados ao contratar um serviço de ônibus de fretamento
Geral
Indígenas de MS começam ser contratados para colheita da maçã no sul do País
Geral
Operação Pátio Zero: mais de 400 motocicletas estão disponíveis em leilão de sucata aproveitável
Geral
Atletas são destaques novamente em prova do Estadual de Ciclismo

Mais Lidas

Policial
PF deflagra operação contra fraudes no fornecimento de combustíveis
Policial
Mãe e bebê de dois meses morrem após carro bater em coqueiro em Bonito
Geral
Queimadas: propostas incluem auxílio aos pantaneiros e Fundo de Proteção de Biomas
Geral
Cuidados ao contratar um serviço de ônibus de fretamento