Menu
domingo, 25 de julho de 2021
Expresso Mato Grosso - Junho
Expresso Mato Grosso - Promoção de Junho
Geral

Fora da disputa pela prefeitura da Capital, Trutis acusa rivais e diz que vai ao TSE

06 outubro 2020 - 15h01Redação Capital do Pantanal

A situação do deputado federal Loester Trutis (PSL) nas Eleições Municipais 2020 está mesmo complicada. Ele foi eleito em convenção partidária no dia 13 de setembro para disputar o cargo de prefeito por Campo Grande, porém sua candidatura não foi reconhecida pela Justiça Eleitoral, que considerou o evento partidário ilegal.

A Justiça Eleitoral reconheceu Vinícius Siqueira como o candidato oficial a prefeitura de Campo Grande pelo PSL e Trutis recorreu a decisão, porém mais uma vez foi derrotado na justiça e segue fora da disputa pelo pleito municipal. Nesta terça-feira, 6, ele acusou seus rivais e afirmou que vai ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE) para contestar as decisões que dão direito ao vereador Vinícius Siqueira de se lançar candidato à prefeitura da Capital.

O Capital do Pantanal teve acesso ao parecer da Justiça Eleitoral. No documento o TRE-MS:

  • Reconhece que o vice-presidente, primeiro secretário e primeiro tesoureiro da Comissão Provisória Municipal, não estavam legitimados a votar na convenção do PSL, sendo seus votos inválidos.  
  • Validou a expressão do voto do convencional representante da Câmara de Vereadores em sua própria pretensão de candidatura e determinar, em consequência, a retificação da declaração de voto do requerente para o fim de constar que votou em favor de sua própria candidatura, para o fim de considerar ser o mais votado para se candidatar ao cargo de Prefeito Municipal o requerente;
  • Determinou que o partido delibere a respeito da candidatura ao cargo de vice-prefeito;
  • Determinar a retificação da ata em 24 horas, bem como a regularização das candidaturas no mesmo prazo.

No documento consta ainda que as Direções Estadual e Nacional do PSL decidiram pela instauração de procedimento administrativo para apurar as condutas dos dirigentes municipais e que por unanimidade, em reunião do colegiado do Diretório Estadual, no dia 30 de setembro, decidiu  preliminarmente, pelo afastamento do Presidente e Vice-Presidente da direção da Comissão Provisória Municipal.

De um lado, o diretório estadual, presidido pela senadora Soraya Thronicke, alega que a votação do diretório que elegeu o nome de Trutis ao pleito municipal foi ilegal, pois nela votaram pessoas que não poderiam. Já Trutis diz que a senadora atuou em favor do vereador, ao dissolver o diretório municipal e desistir do recurso favorável a Trutis quando ele já não era presidente municipal do partido.  

Segundo apurações do Correio do Estado, Trutis pretende acusar grupo do partido que atuou em favor de Vinícius Siqueira e também frisou que o partido já havia investido R$ 110 mil na pré-candidatura do vereador, inclusive patrocinando as investigações publicadas em redes sociais, e ele “não decolou”.  

 

 

 

 

 

 

 

Deixe seu Comentário

Leia Também

Seguiriam para Bolívia
Dois veículos que seriam atravessados para Bolívia são recuperados
Mais tempo
Exame toxicológico na emissão de CNH tem prazo ampliado para utilização do laudo
Empreendedorismo
Cinco erros que o empresário deve evitar no Marketing e Vendas
Imunização
Sábado tem vacinação contra Covid até 12h no drive do Poliesportivo
Investigaçã
Famosos em MS, grupos de venda estão 'recheados' de produtos roubados
Saúde
Anvisa suspende estudos clínicos da Covaxin no Brasil
Sorte
Mega-Sena pode pagar R$ 7 milhões no sorteio deste sábado
Cidade Tranquila
Operação conjunta combate crimes fronteiriços em Corumbá e Ladário
Tempo
Ar seco e quente pode marcar o sábado em Mato Grosso do Sul
Acidente
Motociclista fratura clavícula após perder controle em lombada

Mais Lidas

Seguiriam para Bolívia
Dois veículos que seriam atravessados para Bolívia são recuperados
Imunização
Sábado tem vacinação contra Covid até 12h no drive do Poliesportivo
Cidade Tranquila
Operação conjunta combate crimes fronteiriços em Corumbá e Ladário
Mais tempo
Exame toxicológico na emissão de CNH tem prazo ampliado para utilização do laudo