Menu
quarta, 29 de maio de 2024
Andorinha - Novos ônibus - agosto 2023
Andorinha - Novos Ônibus - Agosto 2023
Geral

Exportações de industrializados de MS voltam a registrar queda

12 abril 2016 - 11h05Assessoria
Após registrar alta depois de 12 meses, a receita com as exportações de produtos industrializados de Mato Grosso do Sul teve, em março, uma nova queda, desta vez de 24% em relação ao mesmo período do ano passado, diminuindo de US$ 272 milhões para US$ 206,5 milhões, conforme levantamento do Radar Industrial da Fiems. Já na comparação do acumulado de janeiro e março de 2016 com o acumulado de janeiro e março de 2015 a redução foi de 4,2%, saindo de US$ 722,3 milhões para US$ 692,2 milhões. Em relação ao volume, na comparação de março deste ano com março do ano passado, a queda foi de 29,7%, diminuindo de 880.703 toneladas para 618.800 toneladas, enquanto no acumulado do ano de 2016 a redução foi de 4,75% na comparação com o mesmo período de 2015, caindo de 2.159.825 toneladas para 2.057.34 toneladas. Além disso, nos três primeiros meses deste ano os produtos industrializados representaram 55% de tudo que foi exportado pelo Estado, enquanto em março de 2016 esse percentual chegou a 37%. Segundo o coordenador da Unidade de Economia, Estudos e Pesquisas da Fiems, Ezequiel Resende, de janeiro a março, os principais destaques ficaram por conta dos grupos “Papel e Celulose”, “Complexo Frigorífico”, “Óleos Vegetais”, “Açúcar e Etanol”, “Couros e Peles” e “Extrativo Mineral”, que, somados, representaram 97,1% da receita total das vendas sul-mato-grossenses de produtos industriais ao exterior.   Desempenho De janeiro a março de 2016 as exportações do grupo “Papel e Celulose” somaram US$ 304,9 milhões, apontando crescimento de 17,8% sobre igual intervalo de 2015, quando as vendas atingiram o equivalente a US$ 258,7 milhões. Em relação aos compradores, os principais até o momento são China, com 41,5% ou US$ 126,5 milhões, Itália, com 20,3% ou US$ 61,8 milhões, Holanda, com 12,1% ou US$ 36,9 milhões, Estados Unidos, com 6,3% ou US$ 19,2 milhões, e Coreia do Sul, com 3,6% ou US$ 10,9 milhões. No “Complexo Frigorífico”, a receita de exportação de janeiro a março de 2016 alcançou o equivalente a US$ 193,4 milhões, apontando queda de 8,7% sobre igual período de 2015, quando o total ficou em US$ 211,9 milhões. “A redução observada se deu, principalmente, por conta da forte diminuição das compras em importantes mercados para as carnes de Mato Grosso do Sul, com destaque para Hong Kong, Venezuela, China, Japão, Rússia, Arábia Saudita e Egito, que, somados, apresentaram uma redução equivalente a US$ 36,5 milhões”, detalhou Ezequiel Resende. Já o grupo “Óleos Vegetais” fechou o período de janeiro a março de 2016 com receita equivalente a US$ 60,9 milhões, indicando aumento de 73% sobre o mesmo intervalo de 2015, quando o resultado ficou em US$ 35,2 milhões. Os países que mais contribuíram para o desempenho observado foram Tailândia e Indonésia que, somados, compraram o equivalente a US$ 52,5 milhões ou 86,2% do total.   Outros grupos No grupo “Açúcar e Etanol”, a receita de exportação de janeiro a fevereiro de 2016 alcançou o equivalente a US$ 54 milhões, redução nominal de 50,8% sobre igual período do ano passado, resultado das quedas ocorridas no volume e preço médio de comercialização de 40% e 18%, respectivamente. O único produto do grupo com registro de vendas ao exterior no acumulado deste ano foi o açúcar de cana. Quanto ao grupo “Couros e Peles”, a receita de exportação de janeiro a março de 2016 alcançou US$ 36,2 milhões, indicando redução de 6,3% sobre igual período de 2015. Resultante da diminuição das aquisições de importantes compradores como a Itália, Hong Kong, Estados Unidos e Taiwan, que, somados, apresentaram queda de US$ 12,7 milhões. Bem como pela redução de 31% no preço médio da tonelada do couro exportado por Mato Grosso do Sul. Já o grupo “Extrativo Mineral” alcançou receita de exportação de US$ 22,9 milhões no acumulado de janeiro a março, indicando recuo de 52,5% sobre o mesmo período de 2015, quando as vendas foram de US$ 48,3 milhões. “O resultado é fortemente influenciado pela queda de 41% no preço médio da tonelada do minério de ferro, bem como pela redução de 23% no volume comercializado do produto. Em valores, o preço médio da tonelada caiu de US$ 41 para US$ 24”, detalhou.            

Deixe seu Comentário

Leia Também

Embrapa
Campanha Anual de Promoção do Alimento Orgânico chega a sua 20ª edição no Pantanal
Atrativo Turístico
Vereador pede revitalização do Eco Parque Cacimba da Saúde
Bolsistas
IFMS prorroga inscrições para bolsas do Mulheres Mil
Serviço Necessário
Vereador pede atenção especial para recuperar sistema de energia no Taquaral
Solidariedade
Sistema Fiems envia carretas de eletrotécnica e marcenaria para atender desabrigados no RS
Vagas para MS
Divulgado gabarito preliminar do concurso da Caixa
Operação Cartão Vermelho
Cezário pede licença do cargo de presidente da federação
Pavimentação
Obras de infraestrutura avançam em ruas do bairro Jardim dos Estados
Recurso Federal
Luciano Costa busca emenda para atender programas sociais do Moinho Cultural
Obrigatório
Prazo para implantação de QR Code para identificação de táxis termina dia 21 de junho

Mais Lidas

Educação
Inscrições no IFMS para qualificação profissional a distância vão até domingo, 2 de junho
Esporte
Primeira etapa do Circuito Funec de Corrida Rua reúne mais de 400 participantes
+ de 7 quilos
Bolivianas são presas transportando pasta base para São Paulo
Na Câmara
Aprovado Projeto que institui 30 horas de jornada a profissionais de enfermagem em Corumbá