Menu
segunda, 17 de junho de 2024
Andorinha - 76 anos - Junho 2024
Andorinha - 76 anos - Junho 2024
Geral

Estelionatos aumentam 136% no Estado este ano em comparação com 2019

28 julho 2022 - 09h50Natália Olliver do Correio do Estado

O aparecimento da Covid-19, não alterou apenas hábitos de higiene e comportamento pessoal, como também modificou a maneira como crimes são praticados no País. Em Mato Grosso do Sul não foi diferente, refexo disse é o aumento de 136% nos crimes de estelionato, quando comparado dados deste ano com o mesmo período de 2019 - antes da eclosão da doença.   

O número disparou de 2.969 registros de janeiro a julho de 2019, para 7.012 de janeiro a 25 de julho de 2022. 

De acordo com o portal de estatística da Secretaria de Estado de Justiça e Segurança Pública do Estado (Sejusp), em junho deste ano, a pasta catalogou 1.084 ocorrências do crime. Este mês, até a segunda-feira (25), Mato Grosso do Sul contabilizou 716 episódios do crime de estelionato, que no dicionário está exemplificado como: fraude, enganação ou indução ao erro, vantagem ilícita para próprio benefício ou para terceiros. 

Em 2021, o número total de crimes da natureza somaram, 11.411 durante todo ano. Deste, 6.564 apenas até julho, contra 7.012 equivalente a 1º de janeiro até o dia 25 deste mês.   

Ou seja, em sete meses o cálculo já corresponde a 61% do número registrado no ano anterior inteiro. 

Os meses com maior incidência de casos foram  em janeiro, com 732 em 2021 e 1.045 em 2022 (aumento de 46%), e em junho, como já mencionado, com número que saltou de 796 ocorrências em 2021 para 1.084 no ano seguinte (alta de 36%), índice que representa mais de 36 casos por dia. 

O delegado titular da 2ª Delegacia de Polícia Civil de Campo Grande, Ricardo Meirelles Bernardinelli, salientou que houve uma migração nos crimes cometidos.   

O que antes evidenciava ações contra o patrimônio, como a modalidade de crimes de furtos e roubos à propriedade, bancos e lojas, hoje, também englobam o crime de estelionato, que podem ser praticados tanto presencialmente quanto de maneira virtual. Sendo a segunda a mais utilizada pelos transgressores.   

“Hoje em qualquer lugar o criminoso consegue aplicar os golpes, ele não precisa correr o risco de ser reconhecido. Agora tem a segurança do anonimato, sejam em golpes de aplicativos de conversa, como WhatsApp, paginas sociais em sites de relacionamento ou clonagem. Por que não ganhar dinheiro correndo o menor risco possível?”, ironizou. 

Motivos do aumento 

De acordo com Bernardinelli, as pessoas sabem como proceder em casos de crimes físicos, entretanto, ainda são confusas quanto a casos de crimes virtuais, como o de estelionato.   

Conforme o delegado os fatores que contribuíram com aumento expressivo dos casos foram, primeiramente, a mudança no perfil tecnológico no cometimento de crimes nos últimos anos, atrelado a pandemia e ao empobrecimento da população. 

“Tivemos um momento inicial de retração das pessoas, que fez com que hábitos fossem modificados. Por exemplo, pessoas que costumavam comprar em lojas físicas passaram a comprar online. Muitas pessoas, pelo isolamento, deixaram de pedir auxílio para tirar dúvidas, isso aumentou muito incidência dos golpes de estelionato, fraude eletrônicas, furtos qualificados mediante fraude. A marginalidade teve que se reestruturar. Crimes que eram cometidos em aglomerações deixaram de existir no momento”, evidenciou. 

Para o especialista, outro fator que cooperou com a ascensão dos golpistas foram as facilidades dos bancos digitais, de acesso ao crédito e menos burocracias. Isto significa que a  proteção não acompanhou a revolução tecnológica. 

“Um celular que você perde não coloca em risco apenas você, pela quantidade de dados particulares que ele tem, mas a toda sua família e amigos. As pessoas não pensam nessa quantidade de informações que possuem sobre pessoas próximas. Esse material na mão de criminosos vai ser usado para aplicar golpes”, destacou o delegado. 

Mesmo cenário 

Na Capital a situação não é diferente. Ignorando o hiato de dois anos referente a 2020 e 2021 - antes e depois da maior taxa de mortalidade devido à Covid-19 - Campo Grande registrou aumento de 105% dos crimes de estelionato. Em junho, em 30 dias, a Capital atingiu 444 casos notificados. O equivalente a quase 15 episódios por dia.   

Além da alta registrada em junho, o mês de janeiro também teve destaque na tabela. Em 2021 a Sejusp recebeu 286 denúncias, já em comparação ao ano subsequente o valor dispara para 448, aumento de 56%. 

O locutor Reinaldo Ayala, de 54 anos relatou ao Correio do Estado que perdeu R$ 620,00 no famoso “golpe do PIX”. Na ocasião, ele recebeu uma mensagem que supostamente seria do filho, onde dizia que o aparelho celular dele quebrou, por isso, precisava de dinheiro para o concerto.   

“Ele agiu como os meus filhos agem comigo, de pedir bença e tudo, bem intimista. Então ele falou para eu mandar o PIX para o rapaz que estava arrumando. O dinheiro que eu tinha na hora depositei na conta da minha esposa e ela fez a transferência. Só que ela entendeu que o valor era apenas R$ 600. Então o cara retornou, por mensagem falando “falta R$ 20,00, pai”, comentou. 

Após a transferência, o filho ligou e os pais perguntaram se o concerto deu certo. O rapaz se assustou e desconheceu o problema no aparelho. “Nessa hora vimos que caímos no golpe”, acrescentou Reinaldo.   

Como se prevenir 

Ricardo Meirelles Bernardinelli salientou que é necessário cautela e paciência para não cair em golpes e deu dicas de como evitar ou dificultar a ação de estelionatários e golpistas. 

“O negócio é colocar o pé no freio. Mesmo que veja uma oportunidade de efetuar um bom negócio. Espera um pouco, liga, checa, vê se aquele site existe, se é aquela pessoa, se cerque de garantias de que vai receber o produto”, frisou. 

Segundo Bernardinelli é preciso trocar a senha com regularidade e escolher um passaporte eletrônico forte. Outra dica é não utilizar a mesma chave de acesso para todos aplicativos.   

Limitar o limite diário do Pix é importate, assim como verificar a autenticidade de sites, checar a veracidade de produtos e serviços e não clicar em links recebidos.   

Fazer bloqueio e denunciar o número quando receber algo suspeito também é aconselhado. E sempre desconfiar de prêmios e sorteios. Não deixar número e dados públicos em sites e redes sociais e manter o celular com senha para acesso.   

Além dessas precauções também é recomendável que o cidadão ative a dupla etapa de verificação em aplicativos de conversa, tenha cuidado redobrado com o login em computadores temporários, atenção na hora de deslogar ou fechar corretamente as abas de navegação e se possível ter dois celulares, deixando os com acesso a aplicativos de banco em casa.   

Um dos golpes mais visados recentemente tem sido capturar vitimas ofertando empregos com salários vantajosos e fáceis. O delegado acrescentou que ofertas de trabalho não são realizadas de maneira informal, ainda mais se tratando de grandes empresas.   

“Está sendo um golpe imenso, é o tempo todo. São novas roupagens. A pessoa recebe uma oportunidade de emprego, pede para clicar em um link, pode ser um endereço eletrônico com virús que vai espelhar os dados da vítima ou  tirar  o acesso ao celular e computador”, disse.   

A palavra estelionato deriva do latim stellionatu, faz alusão ao camaleão, que possuí a característica física de se camuflar. A pena prevista pelo crime é estabelecida por meio do artigo 171 do Código Penal e prevista em reclusão de um a cinco anos e multa.  

 

 

Deixe seu Comentário

Leia Também

Sítio Pioval
Bombeiros resgatam família ribeirinha cercada pelo fogo
Provisório
Sanesul passa a atender na rua 15 de novembro a partir de segunda (17)
Geral
MEC aceita revogar portaria se professores de federais acabarem greve
Esporte
Atletas indígenas são destaque em Jogos Escolares da Juventude de Mato Grosso do Sul
Geral
Projeto de protocolo cardiológico de Mato Grosso do Sul é destaque no Conass
Geral
Diálogo avança e 122 servidores do Detran de MS são promovidos por antiguidade
Destaque
Boletim Epidemiológico: MS registra 11.550 casos confirmados de dengue
Geral
Com apoio do Governo, Expotrês apresenta novas tecnologias do agro e leva entretenimento ao público
Geral
No ar boletim Detran Mais Perto, Mais Eficiente da semana de 10 a 14 de junho
Clima
Corumbá amanhece com 25 graus
A máxima neste sábado pode chegar a 36 graus

Mais Lidas

Provisório
Sanesul passa a atender na rua 15 de novembro a partir de segunda (17)
Sítio Pioval
Bombeiros resgatam família ribeirinha cercada pelo fogo
Geral
Diálogo avança e 122 servidores do Detran de MS são promovidos por antiguidade
Esporte
Atletas indígenas são destaque em Jogos Escolares da Juventude de Mato Grosso do Sul