Menu
segunda, 24 de junho de 2024
Governo - Detran MS
Andorinha - 76 anos - Junho 2024
Geral

Empresários bolivianos tentam impedir novo bloqueio previsto para amanhã na fronteira

21 outubro 2022 - 09h51Redação com El Deber

O prazo concedido pelo município de Santa Cruz para o censo a ser realizado em 2023 será cumprido em mais algumas horas, mas ontem (20) houve uma lacuna para o diálogo.

Primeiro foi a Confederação de Empresários Bolivianos (CEPB) que, após uma reunião de emergência, propôs ajuda para aproximar as partes e estabelecer negociações de “última hora”. A ideia é interromper a greve por tempo indeterminado. Manifestantes já anunciaram um novo paro cívico para este sábado (22), com fechamento de comércios e bloqueio na fronteira. 

"Sempre há tempo até o último minuto", disse o presidente da Câmara Nacional de Comércio (CNC), Mario Paredes, ao final do inusitado encontro empresarial realizado em La Paz.

“Com a seriedade que a instituição e os empresários privados têm, estamos tentando ver a forma como o diálogo pode ser feito, o mais rápido possível. Um confronto nunca é positivo para ninguém. As paralisações são sempre prejudiciais”, disse Paredes.

Ele revelou que o setor privado fez "uma análise séria do que pode acontecer" e admitiu que está "muito preocupado" com a projeção do conflito se, de fato, o protesto começar.

Jean Pierre Antelo, presidente da Federação dos Empresários de Santa Cruz, indicou que estão à espera "que o diálogo que foi proposto (ao Governo) tenha soluções". Antecipou que o seu setor apoia o recenseamento em 2023 e considerou que as "tabelas técnicas" promovidas pelo Governo sobre o recenseamento não foram bem sucedidas porque "não deram certezas".

Pouco depois, civis e políticos admitiram a existência de “um canal” de comunicações para a próxima instalação de uma “mesa de diálogo técnico”. A troca de critérios que começou no início da semana "congelou" no final da tarde de ontem e é possível que estes contatos sejam restabelecidos nesta sexta-feira (21).

Na noite de ontem, na Casa Grande del Pueblo, o governo anunciou um pronunciamento do ministro do Planejamento, Sergio Cusicanqui, justamente para estabelecer uma posição sobre a demanda de Santa Cruz e a, por enquanto, greve iminente. Às 20h30, a conferência de imprensa foi cancelada sem explicação.

O Governo adiou o censo para 2024 e com ele a entrega de seus resultados até 2025 e 2026, enquanto a Comissão Interinstitucional do Censo exige a anulação do Decreto 4760 para discutir o reajuste da data.

Ambas as partes ainda não puderam se reunir para trocar suas razões sobre a data do censo, apesar dos apelos da Igreja e da Ouvidoria. Até esta quinta-feira (20), estavam em andamento os preparativos para a greve por tempo indeterminado, assim como a convocação da Câmara Municipal, que contará com a participação das bases do MAS e funcionários públicos de várias regiões do país.

O governador Luis Fernando Camacho disse que “há uma predisposição para dialogar até o último minuto, mas desde que seja baseado no que o conselho decidiu”. Ele especificou que isso significa que o governo concorda em falar sobre o censo em 2023. "Quem negociar por menos do que isso está traindo os interesses do povo de Santa Cruz", disse Camacho após se reunir com os moradores de Villa Primero de Mayo.

Enquanto o prazo para o início da greve marca a contagem regressiva, nesta sexta-feira (21), quatro regiões definirão medidas. Pando que realizará uma Assembleia da Pandinidade; o mesmo que em Cochabamba e Potosí, que já convocou um conselho. Claro que nestas regiões a mobilização não conta com o apoio das autoridades que já acordaram com o Governo a realização do censo em 2024.

A quarta região que definirá será La Paz, pois realizará a Assembleia Pacífica na Câmara Municipal, onde as entidades cívicas e sociais do município determinarão quais medidas tomar diante da greve anunciada que ocorrerá em Santa Cruz. O cívico Antonio Alarcón denunciou que há "ameaças judiciais contra líderes que querem articular um protesto". Ele alertou que os processos podem ser reativados.

Tarija planeja realizar uma reunião nesta segunda-feira, 24 de outubro, mas descartou uma greve devido à "realidade complexa do departamento".

Em Oruro, a pressão é mais notória devido às peculiaridades que existem. A líder Rosario Sandalio admitiu que o governo tem o controle da maioria das organizações departamentais e, portanto, é difícil promover um protesto. A líder, juntamente com sua colega de Potosí, Roxana Gras, divulgou um comunicado em apoio às organizações em Santa Cruz.

No caso de Chuquisaca, seu Comitê Cívico optou pelo silêncio, apesar da insistência de ligações ao líder, Roger Amador.

Deixe seu Comentário

Leia Também

Meio Ambiente
Brigadistas atuam na divisa com a Bolívia para fogo não chegar à Serra do Amolar
Reforço
Mais três aeronaves chegam neste sábado para fortalecer combate à incêndios no Pantanal
Público-alvo
Com doses próximas do vencimento, Ministério da Saúde amplia vacinação contra dengue
18 km de distância
Bombeiros monitoram incêndio na divisa com Mato Grosso
Destaque
Hospital Regional de Mato Grosso do Sul renova selo de Hospital Amigo da Criança
2ª noite
Concurso de Quadrilhas Juninas é atração deste sábado no Banho de São João
Tradição
Concurso premia 10 andores na primeira noite do Arraial do Banho de São João
Em Aquidauana
Pantanal Tech MS promove painéis empresariais sobre mercado da carne e nutrição animal
Trabalho que emociona
"Bombeiros são anjos", diz idoso resgatado das chamas na região do Bracinho
Tempo
Com previsão de tempo quente e seco, sábado tem sol e variação de nebulosidade em MS
Corumbá deve atingir a máxima de 34°C

Mais Lidas

2ª noite
Concurso de Quadrilhas Juninas é atração deste sábado no Banho de São João
Trabalho que emociona
"Bombeiros são anjos", diz idoso resgatado das chamas na região do Bracinho
Tradição
Concurso premia 10 andores na primeira noite do Arraial do Banho de São João
Reforço
Mais três aeronaves chegam neste sábado para fortalecer combate à incêndios no Pantanal