Menu
quinta, 20 de junho de 2024
Câmara - Queimadas 2024
Andorinha - 76 anos - Junho 2024
Geral

Em Corumbá estão quatro dos patrimônios históricos tombados em MS

17 agosto 2022 - 10h12Priscilla Peres do Mídiamax

Mato Grosso do Sul tem seis construções históricas tombadas pelo Iphan (Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional), nos municípios de Campo Grande, Corumbá e Jardim. O processo de tombamento é um instrumento federal utilizado para proteger o patrimônio histórico, garantindo a preservação dos bens de interesse cultural para o país. 

Na cidade mais antiga de Mato Grosso do Sul estão quatro construções históricas tombadas, incluindo o primeiro a receber a proteção do Iphan. O Forte Coimbra, localizado em Corumbá, na margem direita do rio Paraguai, começou a ser construído em 1797, foi utilizado durante a Guerra da Tríplice Aliança e reconstruído pelo Exército Brasileiro a partir de 1868. 

Palco de parte da história de Mato Grosso do Sul e do Brasil, a estrutura foi tombada em outubro de 1974 pelo Iphan por sua estrutura física e também pelo valor paisagístico na região Pantaneira. O espaço é marcado ainda pela devoção à Nossa Senhora do Carmo, padroeira da fortificação com data celebrada em 16 de julho. 

Durante a guerra da Tríplice Aliança os paraguaios chegaram a tomar o Forte Coimbra e após a expulsão das tropas inimigas foi construído o Forte Junqueira para reforçar a segurança, em posição estratégica. O prédio faz parte de um conjunto de fortificações espalhadas pelo Brasil e foi tombado pelo Iphan em 2014. 

Patrimônio que ressalta a beleza pantaneira 

Do rio Paraguai é possível avistar um conjunto de 119 imóveis de arquitetura eclética facadista dividida entre parte alta e baixa, com espaçosas ruas paralelas e perpendiculares ao rio. A região do casario do Porto Geral foi o centro comercial de Corumbá em meados de 1870 e o tombamento da área aconteceu em 1993 considerando seu valor histórico, paisagístico e arquitetônico. 

Casario do Porto Geral foi tombado em 1993 pelo Iphan. Foto: Divulgação

Do visual panorâmico da cidade alta para o marco da arquitetura e da engenharia moderna brasileira. A ponte Eurico Gaspar Dutra, sobre o rio Paraguai, foi construída no início do século XX em região de difícil acesso e tombada pelo Iphan em 2012 considerando seu valor histórico, arqueológico, etnográfico, paisagístico e de belas artes. 

A ponte possui 2.009 metros de comprimento tendo um vão central para o tráfego de balsas pelo rio. Ao todo, a ponte tem 46 pilares, sendo que seis deles foram assentados no leito do rio Paraguai, com profundidade de 7 metros. A obra demorou mais de 10 anos para ser concluída e teve inúmeras paralisações devido às cheias do rio. Mais de 2.100 homens trabalharam na construção inovadora para a época. 

Tombamentos em Campo Grande e Jardim

Campo Grande tem um complexo ferroviário composto por 135 edifícios em alvenaria e madeira localizado no centro da cidade que é tombado pelo Iphan desde 2009. Os prédios foram construídos em anos diferentes a partir do início do século XX, como um elo de comunicação com os outros estados brasileiros. 

A Companhia Estrada de Ferro Noroeste do Brasil recebeu em 1904 a concessão para implantar a linha férrea, que seria o grande impulsor do desenvolvimento da região. Em 1914, chegava a Campo Grande o primeiro trem, símbolo da modernidade na época, quando a cidade pertencia ao então estado do Mato Grosso. O tombamento se deu por seu valor histórico, arqueológico, etnográfico e paisagístico. 

Você sabe o que é uma rotunda? É uma edificação em formato circular ou semicircular, utilizada para a manutenção e depósito de locomotivas. A de Campo Grande é dividida em dois prédios, tendo a maior completando 90° e a outra de apoio de frente para a primeira. 

História preservada no interior do Estado 

Os patrimônios tombados pelo Iphan contam parte da história de Mato Grosso do Sul, como é o caso do Cemitério dos Heróis, localizado em Jardim. Lá estão os restos mortais de militares considerados heróis durante a Guerra da Tríplice Aliança, conhecida como “Retirada da Laguna”. 

Os heróis são o guia José Francisco Lopes, coronel Carlos de Morais Camisão e o tenente-coronel Juvêncio Manuel Cabral de Menezes, que em 1867 lutaram contra os paraguaios em território hoje brasileiro. 

 

 

Deixe seu Comentário

Leia Também

50% + que 2023
Governo de MS libera R$ 72 milhões das emendas parlamentares de 2024
Paredão de fogo
Equipes atuam em cinco frentes de combate ao fogo no Pantanal
Economia
Conselho aprova 86 cartas consulta que pleiteiam R$ 175 milhões em financiamentos pelo FCO
Meio Ambiente
ONGs destacam importância do trabalho conjunto no combate à incêndios no Pantanal
Tempo
Quinta-feira tem chance de chuva em parte do estado, mas em Corumbá o calor continua
Meio Ambiente
Falta de navegabilidade já impacta atuação de combate ao fogo no Pantanal
Programação
Arraial do Banho de São João em Ladário acontece de 20 a 23 de junho
Estado
Aprovados no concurso público da Saúde de MS são convocados para posse
Incêndios
Reunião entre Governo do estado e MMS alinham ações para ampliar atuação no Pantanal
Queimada
Fogo cresce na região do Bracinho e brigada da Apa Baía Negra fica sob alerta

Mais Lidas

Queimadas
Fogo destrói ponte de madeira na Estrada Parque
Ladário
Incêndio atinge região da Apa Baía Negra
Queimada
Fogo cresce na região do Bracinho e brigada da Apa Baía Negra fica sob alerta
Fronteira
Operação conjunta apreende 2 toneladas de mercadorias irregulares, Ilhamas empalhadas e cocaína