Menu
domingo, 25 de julho de 2021
Expresso Mato Grosso - Junho
Expresso Mato Grosso - Promoção de Junho
Geral

Diminuição de árvores nativas do Pantanal prejudica a preservação da arara-azul

11 setembro 2020 - 12h29Ascom Fundect MS

O desmatamento da flora nativa do Pantanal está prejudicando a preservação da arara-azul, um dos maiores símbolos da fauna pantaneira, de acordo com informações apresentadas por pesquisadores da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS).

“Estudos prévios indicam que está ocorrendo o declínio populacional da sterculia apetala, que é o manduvi, uma planta que tem bastante interesse das populações tradicionais do Pantanal e é uma planta que tem uma grande relevância biológica. Isso se deve porque a árvore do manduvi é a espécie escolhida em 90% das vezes pela arara-azul para nidificar, para cavar o buraquinho e fazer seu ninho. Está ocorrendo o declínio populacional dessa espécie e isso provavelmente vai afetar a população das araras-azuis”, explica a professora Letícia Couto Garcia, integrante do Laboratório de Ecologia da Intervenção (LEI) e do Instituto de Biologia (Inbio-UFMS).

Além do manduvi, outra espécie essencial para a sobrevivência da arara-azul, a attalea phalerata, palmeira conhecida como acuri, também está sofrendo com o avanço do desmatamento no Pantanal. Enquanto o manduvi é a casa da arara-azul, a acuri é a principal fonte de alimentação da ave. “Cerca de 94% das vezes que ela se alimenta é dos frutos da acuri, a attalea phalerata, que é uma palmeira. Então, a arara-azul é muito dependente dessas duas espécies de vegetais”, frisa Letícia.

O estudo foi realizado a partir do Acordo de Cooperação entre o Instituto Arara Azul e a UFMS, com colaboração da Embrapa Pantanal, sendo que as constatações foram analisadas pelo pesquisador Maxwell Rosa Oliveira, estudante do curso de mestrado de Biologia Vegetal da universidade e orientado pela professora Letícia. “Maxwell iniciou seu estudo de mestrado avaliando a modelagem, ou seja, a gente queria descobrir quais são as áreas mais propícias para que essas três espécies ocorram. Outra motivação desse estudo foi a publicação recente do doutorado da pesquisadora Angélica Guerra, que também foi aluna de Ecologia da UFMS. O estudo dela detectou esse arco do desmatamento, um arco da conversão vindo do planalto para a planície do Pantanal, então a gente tem o Pantanal, que tem a planície e em volta do Pantanal tem o planalto, que é a região mais alta. Esse estudo da Angélica detecta que há essa diferença do aumento do desmatamento vindo de uma região”, explica Letícia.

Segundo a pesquisadora, o arco do desmatamento abrange o corredor da borda leste do Pantanal, que compreende Corumbá, Coxim, Sonora e Rio verde. “A gente tem a população do norte da arara-azul e a população do sul da arara-azul, que é dividida por essa grande região do Paiaguás. Essas duas populações de arara para elas se comunicarem, elas precisam de corredores, ou seja, o corredor da borda leste e o corredor da borda oeste. Mas, o corredor da borda leste está pegando o arco do desmatamento”, alerta.

De acordo com Letícia, a borda leste atingida pelo arco do desmatamento compreende as cidades de Corumbá, Coxim, Sonora e Rio Verde. “Ao mesmo tempo essa região é modelo para a ocorrência dessas três espécies, o manduvi, a acuri e a arara-azul. É uma região que tem grande possibilidade de ser desmatada, mas que é importante como corredor biológico dessas duas populações de arara-azul para que elas mantenham sua diversidade genética. A gente deveria então priorizar essas áreas para conservação e para restauração dessa espécie bandeira do Pantanal, que é a arara-azul”, aponta.

 

Deixe seu Comentário

Leia Também

Seguiriam para Bolívia
Dois veículos que seriam atravessados para Bolívia são recuperados
Mais tempo
Exame toxicológico na emissão de CNH tem prazo ampliado para utilização do laudo
Empreendedorismo
Cinco erros que o empresário deve evitar no Marketing e Vendas
Imunização
Sábado tem vacinação contra Covid até 12h no drive do Poliesportivo
Investigaçã
Famosos em MS, grupos de venda estão 'recheados' de produtos roubados
Saúde
Anvisa suspende estudos clínicos da Covaxin no Brasil
Sorte
Mega-Sena pode pagar R$ 7 milhões no sorteio deste sábado
Cidade Tranquila
Operação conjunta combate crimes fronteiriços em Corumbá e Ladário
Tempo
Ar seco e quente pode marcar o sábado em Mato Grosso do Sul
Acidente
Motociclista fratura clavícula após perder controle em lombada

Mais Lidas

Seguiriam para Bolívia
Dois veículos que seriam atravessados para Bolívia são recuperados
Imunização
Sábado tem vacinação contra Covid até 12h no drive do Poliesportivo
Cidade Tranquila
Operação conjunta combate crimes fronteiriços em Corumbá e Ladário
Mais tempo
Exame toxicológico na emissão de CNH tem prazo ampliado para utilização do laudo