Menu
quarta, 14 de abril de 2021
Ambiental MS Pantanal - Aegea
Andorinha Fevereiro
Geral

Diálogo com instituições marca atuação do Governo durante paralisação dos caminhoneiros

04 junho 2018 - 07h30Kamilla Marques

Desde o início da paralisação dos caminhoneiros, o Governo de Mato Grosso do Sul tem conversado com representantes de diversas entidades e buscando soluções para por fim ao impasse. O resultado já começa a ser percebido no Estado.

“Estávamos preocupados porque começou a faltar carne, trigo, feijão e daqui a pouco a população ia ficar impaciente, poderia ter saques nos supermercados. Hoje, mudou o cenário. O resultado da reunião do Governo com o setor produtivo na terça-feira [29.5] já começa a surtir efeito. Chegaram combustíveis e produtos. O governador Reinaldo Azambuja soube ter sensibilidade de entender a crise e ao baixar a alíquota do diesel ajuda outros estados a fazer a parte deles também”, afirma o presidente da Associação Sul-mato-grossense de Supermercados (Amas), Edmilson Verati.

A Amas representa mais de mil lojas como supermercados, hipermercados e atacarejos, que abastecem os restaurantes e são responsáveis por 88% da alimentação dos lares das famílias de Mato Grosso do Sul. Ele estima um prejuízo para o setor supermercadista de, pelo menos, R$ 60 milhões neste período.

“Ficou mais justo. Vamos ter a mesma alíquota que São Paulo e Paraná e os postos serão fiscalizados para que essa redução chegue para nós”, afirma o caminhoneiro Giuliano Roberto de Souza. O Governo do Estado assumiu o compromisso de reduzir a alíquota do ICMS [Imposto Sobre Circulação de Mercadorias e Serviços] do diesel de 17% para 12%, desde que as rodovias fossem liberadas para o tráfego normal e, assim, restabelecer o abastecimento para que o consumidor seja beneficiado com a diminuição do preço na bomba.

O presidente da Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (Fecomércio-MS), Edson Araújo, destacou que o caminho para acabar com a paralisação foi construído por meio do diálogo. “O Governo do Estado tem agido corretamente e dentro do âmbito estadual para por fim a greve dos caminhoneiros”,declara. “A Fecomércio corrobora com as propostas do Governo do Estado, de redução da alíquota do ICMS em cinco pontos percentuais, mediante a liberação das mercadorias em trânsito por Mato Grosso do Sul”.

O governador Reinaldo Azambuja em reunião com representantes de diversos segmentos para definição da redução da alíquota do ICMS. Foto: Portal do Governo de MS.

Para o presidente da Federação das Indústrias de Mato Grosso do Sul (Fiems), Sérgio Longen, o Governo do Estado foi protagonista durante o momento de crise. “A sensibilidade do governador foi muito positiva. Abrir mão da arrecadação exige sacrifício do Governo do Estado. A parte do Governo foi feita. Ganharemos todos com o restabelecimento da ordem social de MS”.

O gerente executivo do Sindicato do Comércio Varejista de Derivados de Petróleo e Lubrificantes MS (Sinpetro-MS), Edson Lazarotto, afirmou que o governador Reinaldo Azambuja abriu para o diálogo, sentando à mesa, analisando as informações e escutando as necessidades dos setores de Mato Grosso do Sul. “O Sinpetro considera como uma atitude corajosa por parte do governador a redução da alíquota do ICMS do diesel. Enquanto as contas dos estados estão com dificuldades, mesmo assim Reinaldo Azambuja teve a coragem de reduzir o imposto”, completou.

A solução foi construída após muita conversa. No sábado (26.5), o governador Reinaldo Azambuja fez uma reunião com a equipe técnica e o secretariado para elaborar estratégias a fim de minimizar os impactos da paralisação dos caminhoneiros no Estado. No mesmo dia, o governador anunciou a redução na pauta fiscal do óleo diesel a partir do dia 1º de junho.

Durante o período da greve dos caminhoneiros, o Governo do Estado realizou diversas fiscalizações em postos de combustíveis e supermercado visando combater os preços abusivos ao consumidor. Em reunião com o Sinpetro, foi estabelecido um valor máximo pelo preço do litro dos combustíveis até que a distribuição se normalizasse, impedindo que o consumidor fosse prejudicado.

Devido ao desabastecimento do Estado, Reinaldo Azambuja decretou na terça-feira Situação de Emergência, que terá vigência até que a situação seja normalizada. No mesmo dia, o governador, em reunião com o setor produtivo, anunciou a redução da alíquota do ICMS do óleo diesel, desde que os caminhoneiros encerrassem a greve no Estado.

Deixe seu Comentário

Leia Também

POLICIAL
PM prende homens por tráfico de drogas e apreende 83 tabletes de cocaína
GERAL
Azambuja cobra em Brasília reforço de vacinas para 13 municípios de fronteira
GERAL
Vereador pede flexibilização de medidas que restringe atividades de buffets e salões de festas
GERAL
Visitas em presídios de MS continuam suspensas até 26 de abril
ECONOMIA
Câmara aprova Projeto de Lei que institui REFIS para amenizar crise causada pela pandemia
PANDEMIA
Aprovada abertura de crédito adicional para custeio de 10 leitos para tratamento da Covid
GERAL
Calouros da UEMS serão recepcionados por meio de evento virtual
SAÚDE
Corumbá segue com vacinação Antirrábica
INFRAESTRUTURA
Pavimentação da Frei Mariano e recuperação da Pedro de Medeiros é solicitada na Câmara
INTERNACIONAL
Covid-19: variante britânica não causa doença mais grave, diz estudo

Mais Lidas

POLICIAL
PM prende homens por tráfico de drogas e apreende 83 tabletes de cocaína
GERAL
Após briga, jovem é esfaqueado por padrasto no Centro América
MUDANÇA NO CTB
Nova Lei proíbe substituir prisão por pena mais branda em crimes de Trânsito
POLICIAL
Casal é preso após briga no Loteamento Pantanal