Menu
quinta, 21 de outubro de 2021
Andorinha - Setembro e Outubro
Andorinha - Outubro e Novembro - MOBILE
Geral

Delegado de Corumbá vai a júri popular

16 julho 2020 - 16h00Campo Grande News

O delegado de Corumbá, Fernando Araújo da Cruz Junior, de 34 anos, vai a júri popular por matar o boliviano Alfredo Rangel Weber, de 48 anos. A sentença de pronúncia foi publicada no Diário Oficial de Justiça desta quinta-feira (16).

Fernando Araújo responde por homicídio doloso qualificado por motivo torpe e por emboscada.

Conforme a denúncia, o crime aconteceu no dia 23 de fevereiro de 2019, depois de uma briga nas eleições para presidente da associação de agropecuaristas na Bolívia. O sogro de Fernando, Asis Aguilera Petzold (o atual prefeito da cidade de El Carmen), concorria ao cargo.

Alfredo, que apesar do envolvimento com o narcotráfico, era conhecido como pecuarista na região, foi até o local de votação e lá encontrou Sílvia Aguilera, que foi casada com um ex-sócio dele, mas já tinha um relacionamento com Fernando há algum tempo.

Ao ver a mulher, Alfredo teria cobrando dívidas do ex-marido dela e ameaçado os filhos dela com o delegado de Corumbá. Os dois discutiram e a confusão foi separada por Asis, que ao lado de Fernando, sentou-se em uma mesa para conversar com Alfredo. Aproveitando o momento de distração, Fernando esfaqueou as costas de Alfredo. O homem foi levado para um hospital local, mas devido a gravidade, transferido para Corumbá.

Já em território sul-mato-grossense a ambulância foi fechada por uma caminhonete preta, cabine simples, mesmo veículo que Fernando dirigia na época. O motorista desceu do veículo, foi até o veículo, abriu a porta e atirou quatro vezes. Três tiros atingiram a cabeça da vítima, um deles o tórax. Sem ter o que fazer, o motorista voltou com o corpo para o país vizinho.

Para o juiz André Luiz Monteiro há provas materiais juntadas pela acusação e embora, o delegado negue ter cometido o crime, “indícios suficientes” de ter sido Fernando o autor dos disparos que mataram Alfredo. 

O policial está em cela da 3ª DP (Delegacia de Polícia), em Campo Grande. Já tentou a liberdade algumas vezes, sem sucesso. Na sentença de pronúncia, o magistrado também indeferiu pedido da defesa do delegado para que ele respondesse ao processo em liberdade.

O investigador Emmanuel Nicolas Contis Leite será julgado como cúmplice do crime e por ter ajudado Fernando Araújo a atrapalhar as investigaçõe.

Deixe seu Comentário

Leia Também

Colônia do Bracinho
Pantaneiro denuncia construção de barragem no Rio Taquari
11.817 mil testes analisados
Estudo da Janssen na região de fronteira mostra eficácia de 50% da vacina e redução de 90% em óbitos
Oportunidade
Inscrições abertas para concurso público de procurador do Estado, com salário de R$ 25 mil
Agenda Política
Presidente Regional do Democracia Cristã visita cidades do interior de MS
Retomada da Economia
Setor de bares e restaurantes aumenta as contratações e retoma movimento
246 quilos de cocaína
Dracco assume investigação da queda do helicóptero do tráfico em Ponta Porã
Dois brasileiros foram presos
Denunciado por participação no roubo de aeronaves em Aquidauana é preso na Bolívia
Imunização
Veja quem pode se vacinar contra Covid em Corumbá nesta quinta e sexta
Corumbá
Casal é levado para delegacia após bebedeira e briga
Recurso
Vereador questiona uso do duodécimo do legislativo repassado para Santa Casa em 2020

Mais Lidas

Qualificação
Ministério da Educação anuncia formação para professores da educação infantil
Previsão Meteorológica
Tempo fica firme, mas nova frente fria promete mais chuva para o final de semana
Acidente de Trânsito
Mulher sofre fratura na perna em queda acidental de moto
Destaque
Vereador pede fim do toque de recolher e do uso de máscara em ambientes abertos