Menu
quinta, 21 de janeiro de 2021
Andorinha Janeiro/Fevereiro
Andorinha Janeiro/Fevereiro Mobile
Geral

Defesa Civil emite boletim de alerta de risco moderado de inundação

20 março 2018 - 14h14Assessoria PMC

A Agência Municipal de Proteção e Defesa Civil de Corumbá emitiu nesta segunda-feira, 19 de março, o primeiro boletim de alerta de risco de inundação de 2018. Conforme levantamento realizado in loco por técnicos da Defesa Civil, o risco na região é considerado moderado.

“O nível do Rio Paraguai atingiu a sua cota de alerta na data de 17 de março, que é de 4,00 metros, estando até a data de hoje, 19, com 4,03 metros, logo com 2,01 metros acima do seu nível de redução, com comportamento de continuada elevação, demonstrando força de atingir níveis mais abrangentes”, afirmou o diretor-executivo da Defesa Civil, Isaque do Nascimento.

De acordo com as principais instituições que realizam prognósticos sobre o comportamento da cheia no complexo pantaneiro, o Rio Paraguai continuará em ascensão para as próximas semanas, podendo atingir níveis mais elevados e, de algum modo, gerar perturbação ao funcionamento da rotina para as populações ribeirinhas e para os empreendimentos que tenham conectividade ou influência desse principal rio pantaneiro.

O boletim de alerta, que será publicado no DIOCORUMBÁ, tem objetivo de subsidiar as ações de proteção ambiental, o manejo campestre, o manejo pastoril, a navegação fluvial, as atividades econômicas ativas no complexo pantaneiro e a programação regional das comunidades tradicionais que habitam nas regiões das águas, com procedimentos preventivos e preparativos frente ao evento adverso que se avizinha, com vista a evitar ou minimizar os danos humanos, materiais ou ambientais.

Inundação gradual

A Agência Municipal de Proteção e Defesa Civil de Corumbá vem acompanhando a inundação gradual do Rio Paraguai que já vem se desenvolvendo nos últimos meses. Foram notadas algumas características incomuns para o período, como por exemplo a chegada antecipada das águas originárias do planalto, mais especificamente na região norte,  onde nos últimos tempos tem havido uma precipitação pluviométrica constante e com acentuado volume.

Acrescenta-se a essa dinâmica as precipitações pluviométricas, que também continuam persistindo no pantanal sul. Os tributários do Rio Paraguai, como os Rios Taquari, Miranda, Aquidauana, Negro e outros que estão tendo níveis expressivos, acabam também de algum modo influenciando e impactando a cheia nesse complexo pantaneiro.

Alto Pantanal

No mês passado, uma equipe da Prefeitura de Corumbá percorreu, de barco, todo o trecho do Porto Geral até a Barra do São Lourenço. Foi realizado o mapeamento das famílias ribeirinhas e também realizado um diagnóstico de avaliação sobre a inundação do Rio Paraguai na região do alto Pantanal.

 

 

O trabalho consistiu no deslocamento da equipe até as comunidades, visitando suas  casas desde nossa saída  do Porto Geral até a Barra do São Lourenço, passando pelas regiões do Tuiuiú, Piúval, Capim Gordura, Domingos Ramos, Castelo, Ilha Verde, Paraguai Mirim, SãoFrancisco, Mato Grande, Bonfim, São Pedro, Chané, Amolar e Barra do São Lourenço.   Foram aproximadamente 220 quilômetros percorridos em cinco dias.

Este ano por conta da antecipação das chuvas no planalto e nas cabeceiras do  rios Paraguai e São Lourenço (Cuiabá), fatores preponderantes para gerar uma certa preocupação e expectativa de uma cheia que já vem se evoluindo,  preocupando não só as comunidades que habitam nosso rincão pantaneiro, mas como também o executivo municipal.

Histórico

Segundo a fundamentação da EMBRAPA Pantanal, historicamente quando o nível máximo do rio Paraguai, em Ladário, se iguala ou supera o nível de alerta de enchente, que é de 4,0 metros, o ano é considerado de cheia no pantanal, caso contrário, como sendo de seca. Quando o pico de cheia fica compreendido entre 4  e 4,99 m, como sendo de cheia pequena, entre 5 e 5,99 m como de cheia normal e igual ou superior a 6,0 m como cheia grande ou super cheia.

É importante destacar o registro das três maiores cheias já ocorridas: Em 1988 ocorreu a maior cheia já registrada em nossa região, com 6,64 metros; em 1905 a segunda maior cheia, quando foram registrados 6,62 metros; e em 1995 a terceira maior cheia , com 6,55 metros na régua de Ladário.

 

Deixe seu Comentário

Leia Também

MEIO AMBIENTE
Onça resgatada em novembro no Pantanal com queimaduras, será solta em seu habitat
FRAUDE ELEITORAL
Ministério Público quer impugnação de candidatos do PRB em Ladário
COVID-19
Pandemia ainda não acabou: MS registra mais de mil casos em apenas um dia
GERAL
Batida de carro e moto deixa criança ferida no Popular Nova
POLICIAL
PRF recupera dois veículos em MS que seriam levados para a Bolívia
JUSTIÇA
Alexandre de Moraes nega HC para anular seis prisões e mandar Jamil Name para casa
p
ECONOMIA
Preço da gasolina começa o ano acima do valor registrado em todos os meses de 2020
Combustível está 19,5% acima da média do mês com preços mais baixos de 2020
DEFESA CIVIL
Com previsão de mais chuva, Defesa Civil orienta população que mora em áreas de risco
EDUCAÇÃO
Professores dão dicas para o segundo dia de provas do Enem
GERAL
MPT divulga nota técnica sobre medidas de proteção a trabalhadoras gestantes

Mais Lidas

FRAUDE ELEITORAL
Ministério Público quer impugnação de candidatos do PRB em Ladário
GERAL
Comando do 6º Distrito Naval abre inscrições para concurso de nível superior
GERAL
Confira a distribuição das doses de vacina contra a Covid-19 por município em Mato Grosso do Sul
GERAL
Batida de carro e moto deixa criança ferida no Popular Nova