Menu
domingo, 26 de maio de 2024
Andorinha - Novos ônibus - agosto 2023
Andorinha - Novos Ônibus - Agosto 2023
Geral

Decreto autoriza entrada de agendes de endemias em imóveis fechados da cidade

27 janeiro 2016 - 14h04Gesiane Medeiros
Levantamento aponta que a cidade possui aproximadamente oito mil imóveis fechados, locais que podem ser ambientes perfeitos para proliferação do Aedes aegypit. Nesta terça-feira, 26, os 130 agentes de endemias do município iniciaram frente de combate ao mosquito com foco em visitas nos imóveis fechados. O decreto n° 1.609, publicado no final do ano passado autoriza a abertura destes locais por meio de chaveiro, acompanhando do agente de endemia e representante da polícia ou guarda municipal, quando o proprietário se faz presente e não autoriza a entrada da equipe. O bairro aeroporto, que ocupa a segunda posição nos bairros com maior índice de infestação, possui muitas casas e comércios fechados, além de ferros-velhos, que facilmente acumulam água e por consequência viram criadouro do mosquito. O bairro foi o primeiro a ser visitado pela equipe, que contou com agentes da vigilância, militares do exército e chaveiro. Quando larvas são encontradas, o morador ou proprietário é autuado e tem um prazo de cinco a quinze dias para recorrer, a quantidade de dias varia de acordo com o nível da irregularidade encontrada.  Se nenhuma medida for tomada por parte do responsável do imóvel, será aplicada uma multa que começa em R$ 700 e pode chegar há cindo mil reais. Cada visita da equipe, no mesmo imóvel, que conste irregularidades faz dobrar o valor da multa. Para os proprietários que não moram na cidade, o aviso de autuação será enviado via Correio. Para quem deseja solicitar uma visita ou indicar terreno que necessite de vistoria, o Centro de Controle de Vetores disponibiliza um número de contato, 0800 647 2255.   Índice Rápido do Aedes aegypit O primeiro LIRAa divulgado neste ano pela secretaria de saúde do município, apontou que Corumbá registra o índice de 4,99%, quase cinco vezes acima do estabelecido pela Organização Mundial de Saúde. O Beira Rio é o que possui a maior incidência, 28,57%, seguido do Aeroporto com 16,92%; Centro América com 8,33%; Guató com 8,05%; Maria Leite com 7,38%, Cristo Redentor com 7,30%, Popular Velha com 6,30%; Dom Bosco com 5,48%, Nova Corumbá com 5,34%; Jardim dos Estados com 4,82%, Universitário com 3,45%, Centro II    (da Antônio Maria Coelho até a Albuquerque) com 3,38%; Popular Nova com 1,59%, e Centro I (da Edu Rocha até a Antônio Maria) com 1,08%. Os bairros Nossa Senhora de Fátima, Arthur Marinho, Industrial, Previsul, Generoso, Cervejaria e Guarani não apresentaram focos do mosquito.

Deixe seu Comentário

Leia Também

Meio Ambiente
Relatório da ONU sobre o clima responsabiliza a humanidade por aumento de fenômenos extremos
Facilidade
Mais de R$ 1,8 milhão em taxas judiciárias já foram pagos via Pix
Variedades
Cassinos Online: Sorte e estratégia na era digital
Reitoria
Colégio Eleitoral da UFMS mantém Camila Ítavo em primeiro lugar na lista tríplice
Meio Ambiente
Juiz mantém proibido o desmate no Parque dos Poderes
Crime
Na delegacia, assassino "confesso" diz que conheceu corretora em aplicativo
Educação
UEMS e Fundect investem R$ 4 mi para fortalecer ensino superior em Mato Grosso do Sul
Em Maracaju
Estudantes do IFMS levam tecnologia a maior evento agro do Estado
Destaque
Dia da Indústria: Longen destaca força do setor industrial de Mato Grosso do Sul
Extrema magreza
Polícia resgata cães em situação de maus-tratos no Popular Nova

Mais Lidas

Tráfico de Drogas
Boliviana é presa com 12,7 kg de cocaína em botijão de gás transportado dentro de mala
Soldado Cidadão
Projeto da Marinha vai oferecer formação de condutores para recrutas em Ladário
Interdição
Ponte sobre o rio Paraguai fecha às 17 horas deste sábado; interdição deve durar 19 horas
Investigação
Polícia Civil prende homem acusado por furto de joias e celulares na cidade