Menu
sábado, 24 de fevereiro de 2024
Andorinha - Novos ônibus - agosto 2023
Geral

Cosme e Damião: Por traz da devoção a cultura da solidariedade

27 setembro 2018 - 13h16Sylma Lima
Crianças felizes se alimentando após um dia cansativo de correria. Fotos: Victor Viegas

Poucas cidades do pais mantem a tradição de dar doçes para as crianças no dia 27 de Setembro. Cosme e Damião (gêmeos) são santos da Igreja Católica Romana, cujo dia no calendário cristão é 26 de Setembro. Já na Umbanda e seu sincretismo religioso, o dia de comemoração é 27 de Setembro - e é justamente a data que caiu no gosto popular, quando as pessoas saem às ruas em busca dos doces. Esta seria uma prova da força da influência umbandista na cultura local e do forte sincretismo religioso presente na comunidade pantaneira.

O ato de dar doces para as crianças geralmente é cultural e passado de pais para filhos. Devotos do santo afirmam que o principio da devoção é fruto de milagres poderosos, “ a cura de uma doença, ou algum pedido muito difícil que os santos realizam” , dai por diante quem começa a  dar as oferendas nunca mais param, “ algumas pessoas prometem fazer por um determinado período, mas no fim elas acabam dando a vida toda, e aí entra a vez dos filhos que seguem a tradição dos pais” , disse Tatiana Amorim ao Capital do Pantanal.

Desde cedo as crianças saem com suas sacolas e passam o dia todo correndo. Onde estouram fogos, é certeza que tem doces, mas este ano as crianças se surpreenderam, pois muito devotos resolveram dar almoço, como no caso de Tatiana, “ vamos atender 250 crianças com macarronada com molho de frango, arroz, salada e feijão empamonado” . A vizinha e amiga Peluce Velmon vai distribuir doce das 15h como tem feito há mais de 30 anos. Estas promessas são antigas, e duram uma vida.

Comida bem feita e com alimentos de primeira qualidade prova o quão grande é a fé dos devotos. Footos: Victor Viegas

Este ano ,2018, a satisfação das crianças em receber um prato de alimento foi surpreendente, pois para muitas delas será única refeição do dia. Há pessoas que compram doces, fazem os saquinhos e sobem para os bairros mais carentes para  distribuir, “ faço por caridade mesmo. Não tem preço ver a alegria no rosto de uma criança”, diz Silvia Andrade, universitária que não abre mão da tradição, “ não foi promessa, é caridade e muito amor envolvido” .

Prova de que esses atos de solidariedades comovem são fáceis de serem observados, basta que subam para os bairros e vão perceber que os mais pobres é que se ajudam. É deles que partem a vontade de doar. Pouquíssimas pessoas do centro de Corumbá repartiram doces. O ato de fé é também de cultura, para isso agentes culturais de outros estados do país visitam Corumbá nesta data e no Banho de São João para fazer registro histórico da tradição que se perpetua , mesmo com o passar dos anos.

 

Deixe seu Comentário

Leia Também

Até 9h de amanhã
Corumbá e mais 23 cidades de MS estão sob alerta de chuvas intensas
Na entrada
Perícia estima que morte de homem encontrado em mata na cidade tenha ocorrido há 4 dias
Dados IBGE
Em 12 anos, quase 60 mil pessoas trocaram casa por apartamentos em MS
Nota Oficial
APAE de Campo Grande divulga nota de esclarecimento sobre bolsas coletoras
Pesquisa
UFMS apresenta Plano de Desenvolvimento e Integração da Faixa de Fronteira à Sudeco
Cursos
Academia de Música Manoel Florêncio abre inscrições para 127 vagas
Um menor
Operação resgata 20 trabalhadores sob condições de escravidão em fazenda de limão
Vindo do RJ
Boliviano de 21 anos é detido com 35 celulares sem nota fiscal
Convênio
Pacientes bolivianos em tratamento oncológico em Corumbá terão 75% de desconto na Andorinha
Protesto
Religiosos pedem retratação à site da capital por desrespeito à Iemanjá

Mais Lidas

Protesto
Religiosos pedem retratação à site da capital por desrespeito à Iemanjá
Na entrada
Perícia estima que morte de homem encontrado em mata na cidade tenha ocorrido há 4 dias
Oportunidade
Concurso da Caixa tem 3 vagas para Corumbá com salário de R$ 3,7 mil
Vindo do RJ
Boliviano de 21 anos é detido com 35 celulares sem nota fiscal