Menu
domingo, 17 de outubro de 2021
Andorinha - Setembro e Outubro
Andorinha - Outubro e Novembro - MOBILE
Geral

Corumbá registra 1º semestre com o maior número de óbitos da história

20 julho 2021 - 08h42Redação

A pandemia da Covid-19 vem causando um profundo impacto nas estatísticas vitais da população corumbaense. Além das mais de 400 vítimas fatais atingidas pela doença no município, o novo coronavírus vem alterando a demografia de uma forma nunca vista desde o início da série histórica dos dados estatísticos dos Cartórios de Registro Civil de Corumbá, em 2003. Nunca se morreu tanto e se teve um dos números tão baixos de nascimentos em um primeiro semestre como neste ano de 2021, resultando na menor diferença já vista entre nascimentos e óbitos nos primeiros seis meses do ano. 
 
Os dados constam no Portal da Transparência do Registro Civil, base de dados abastecida em tempo real pelos atos de nascimentos, casamentos e óbitos praticados pelos Cartórios de Registro Civil do País, administrada pela Associação Nacional dos Registradores de Pessoas Naturais (Arpen-Brasil), cruzados com os dados históricos do estudo Estatísticas do Registro Civil, promovido pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), com base nos dados dos próprios cartórios brasileiros. 
 
Em números absolutos, os Cartórios corumbaenses registraram 607 óbitos até o final do mês de junho. O número, que já é o maior da história em um primeiro semestre, é 82,5% maior que a média histórica de óbitos no município de Corumbá, e 59% maior que os ocorridos no ano passado, com a pandemia já instalada há um ano e quatro meses na cidade. Já com relação a 2019, ano anterior à chegada da pandemia, o aumento no número de mortes foi de 69%. 
 
Com relação aos nascimentos, Corumbá registrou um dos menores números de nascidos vivos em um primeiro semestre desde o início da série histórica em 2003. Até o final do mês de junho foram registrados 1.003 nascimentos, queda de 10% em relação à 2019, ano anterior à chegada da pandemia, porém maior que os 666 registros de nascidos vivos de 2020, o menor número semestral da história do município. 
 
O resultado da equação entre o maior número de óbitos da série histórica em um primeiro semestre versus o baixo índice de nascimentos, da série no mesmo período, é o menor crescimento vegetativo da população em um semestre em Corumbá, aproximando-se, como nunca antes, o número de nascimentos do número de óbitos. A diferença entre nascimentos e óbitos que sempre esteve na média de 1.151 mil nascimentos a mais, caiu para 396 em 2021, uma redução de 65,6% na variação em relação à média histórica. Em relação a 2020, a queda foi de 91,7%, e em relação a 2019 foi de 88,6%. 
 
"Acompanhar os dados no Portal da Transparência é uma forma de informação capaz de conscientizar a população através dos números, pois eles refletem fielmente o que está acontecendo e no país e no estado", destaca o presidente da Arpen-MS, Marcus Roza. "Notamos que nos últimos meses, houve um aumento nos números de óbitos e uma queda nos nascimentos, resultando em um menor crescimento vegetativo da população, informação crucial para o planejamento das políticas públicas no Estado", completa. 
 
Natalidade e Casamentos 
 
Embora não seja a regra, a série histórica do Registro Civil demonstra que o aumento no número de casamentos está diretamente ligado ao aumento da taxa de natalidade em Corumbá, o que deve fazer com que os nascimentos ainda demorem um pouco a serem retomados, já que no primeiro semestre de 2021 o Estado registrou o segundo menor número de casamentos desde o início da série histórica. 
 
Embora 25,9% menor que a média histórica de casamentos no primeiro semestre no município, o número de matrimônios em 2021 mostra uma pequena recuperação em relação às celebrações do ano passado, fortemente impactadas pela chegada da pandemia que adiou cerimônias civis em virtude dos protocolos de higiene necessários à contenção da doença. Até junho deste ano os Cartórios celebraram 80 casamentos civis, número 42,9% maior que os 56 matrimônios realizados no ano passado, mas ainda 32,8% menor que os 119 casamentos celebrados em 2019. 
 
 
Sobre a Arpen/MS 
 
Fundada em dezembro de 2012, a Associação Nacional dos Registradores de Pessoas Naturais do Estado de Mato Grosso do Sul (Arpen-MS) representa a classe dos Oficiais de Registro Civil de todo o Estado, que atendem a população realizando os principais atos da vida civil de uma pessoa: o registro de nascimento, o casamento e o óbito.

 

Informações da Arpen/MS

Deixe seu Comentário

Leia Também

Tragédia
Médico do interior de SP é um dos sobreviventes de barco que naufragou; quatro parentes morreram
Atualizações
Dois dos corpos encontrados no rio Paraguai são identificados
Inédito
Tempestade de areia: Energisa recebeu 4 mil chamados em Campo Grande
Dia Mundial da Alimentação
Em MS, 69% da população está com excesso de peso e 36% com obesidade
Ensino Superior
UEMS investe mais de R$ 13 milhões em bolsas e auxílios para estudantes
Transporte
Expresso Queiroz tem autorização suspensa por incapacidade de atender passageiro
Defesa Civil
Tempestade de poeira e vendaval causaram estragos em pelo menos sete nos municípios
Cidade em alerta
Ventos de 64 km/h destelharam 20 casas em Corumbá
Previsão Meteorológica
Tempo continua fechado com chance de mais chuva para grande parte do Estado
Tragédia
Naufrágio no rio Paraguai deixou sete pessoas desaparecidas

Mais Lidas

Tragédia
Médico do interior de SP é um dos sobreviventes de barco que naufragou; quatro parentes morreram
Tragédia
Naufrágio no rio Paraguai deixou sete pessoas desaparecidas
Atualizações
Dois dos corpos encontrados no rio Paraguai são identificados
Cidade em alerta
Ventos de 64 km/h destelharam 20 casas em Corumbá