Menu
terça, 26 de outubro de 2021
Cassems - Melhores e Maiores - Edição 2021
Andorinha - Outubro e Novembro - MOBILE
Geral

 Conselho dos Procuradores do MP de MS manifestam apoio aos membros da instituição

02 março 2016 - 16h13Sylma Lima
O Conselho Nacional dos Procuradores-Gerais do Ministério Público dos Estados e da União (CNPG), a Associação Nacional dos Membros do Ministério Público (CONAMP) e a Associação Sul-Mato-Grossense dos Membros do Ministério Público (ASMMP) manifestam sua irrestrita confiança e apoio ao trabalho realizado pelo Procurador-Geral de Justiça do Estado de Mato Grosso do Sul e demais membros da sua Instituição. Diante de notícia veiculada na mídia e na internet, replicada em redes sociais, acerca da existência de um suposto inquérito policial que teria como objeto investigar o Procurador-Geral de Justiça deste Estado e membros do Ministério Público, é necessário trazer a verdade à tona. Jamais foi instaurado qualquer inquérito policial contra membros do Ministério Público do Estado de Mato Grosso do Sul nem sequer autorizada qualquer investigação criminal sobre os mesmos. O Delegado de Polícia Federal MARCOS ANDRÉ ARAÚJO DAMATO, lotado em Campo Grande-MS, segundo decisão judicial do Tribunal de Justiça do Estado de Mato Grosso do Sul (TJMS), agindo dolosamente, de modo abusivo e ilegal, lastreado em recortes de notícias retiradas da internet e amparado em levianas denúncias anônimas desprovidas de credibilidade, deixando de considerar elementos de convencimento de que tinha conhecimento, fez ilações a partir das quais sustentou uma “investigação preliminar”, por mais de dez meses, sem apontar concretamente qualquer ilegalidade praticada por membros do Ministério Público Estadual. Ao final, pretendeu a abertura de inquérito policial, o que foi negado pelo Poder Judiciário ante a ausência de qualquer elemento mínimo de prova que justificasse tal medida e também pela sua absoluta ausência de atribuição para proceder a tal investigação. Realizada por autoridade manifestamente incompetente para investigar os membros do Ministério Público, valendo-se de expediente iniciado e conduzido sem qualquer supervisão do Tribunal constitucionalmente investido na função de controle e do próprio Ministério Público, restou assentado na referida decisão judicial que o supracitado Delegado de Polícia Federal excedeu-se na sua atuação, desviou-se dos ditames legais e constitucionais, e, diante da ausência de qualquer indício de cometimento de crime por membro do Ministério Público deste Estado, realizou verdadeiro e grave constrangimento à idoneidade moral de membros da Instituição. Por isso, medidas de responsabilização civil, criminal e administrativa foram adotadas junto à Procuradoria-Geral da República e ao Ministério da Justiça diante dosreconhecidos excessos e das gravíssimas violações às prerrogativas dos membros do Ministério Público do Estado de Mato Grosso do Sul, fundados em notícias manifestamente inverídicas, após o prévio apoio e aquiescência do Conselho Nacional dos Procuradores-Gerais do Ministério Público dos Estados e da União (CNPG), e da Associação Nacional dos Membros do Ministério Público (CONAMP), em ambos os casos por unanimidade, com amparo em decisão dos respectivos órgãos colegiados. Constitucionalmente talhado para a defesa da ordem jurídica e do regime democrático, por todos os seus membros,  o Ministério Público, em perfeita simbiose de propósitos com a sociedade, fará o que for necessário para que as Instituições não sejam apequenadas, e para que seja respeitada a legislação vigente, devendo haver responsabilização, nos âmbitos civil, criminal e administrativo, tal como ocorreu neste caso por representação formulada pelas entidades que subscrevem esta em conjunto com os membros desrespeitados. É mister, pois, que todos os que rejeitam as odiosas práticas narradas permaneçam unidos, fortalecendo-se para os embates que, por certo, hão de vir e empenhando o irrestrito apoio e solidariedade ao Procurador-Geral de Justiça do Estado de Mato Grosso do Sul e demais membros do MPMS. Brasília-DF, 2 de março de 2016. Lauro Machado Nogueira Presidente do Conselho Nacional dos Procuradores-Gerais do Ministério Público dos Estados e da União (CNPG) Norma Angélica Reis Cardoso Cavalcanti Presidente da Associação Nacional dos Membros do Ministério Público (CONAMP) Lindomar Tiago Rodrigues Presidente da Associação Sul-Mato-Grossense dos Membros do Ministério Público (ASMMP) --

Deixe seu Comentário

Leia Também

Educação
Instalação de polo da Universidade Estadual em Corumbá é solicitada na Câmara
Tecnologia
Aplicativo Para Ver Conversas Do WhatsApp de Outra Pessoa
Prevenção
Vereador pede instalação de telas de proteção no prédio do antigo Cine Anache
Resgate +
Ministério do Meio Ambiente lança Programa de Resgate da Fauna Silvestre em Corumbá
Nova Corumbá
Foragido é preso com diversos itens suspeitos na mochila
Presente Inesperado
Policiais Militares de Corumbá fazem surpresa em aniversário de criança que sonha em ser PM
Reivindicação
Vereadores pedem retorno das aulas presenciais na Rede Municipal
Representatividade
Sancionada Lei que institui o Prêmio Zumbi dos Palmares em Corumbá
Péssimas Condições
Morte de motorista na BR 262 é mais um alerta para o perigo do tráfego na rodovia
Campo Grande
Casa Rosa: atendimento integrado contra o câncer de mama inaugura em novembro

Mais Lidas

Denúncia
Sem resposta, passageira recorre a rede social para reclamar da Buser
Acidente
Rapaz sofre fraturas após ser atropelado na saída da quermesse em Ladário
Mundo Novo
Jovem é preso por disparos e porte ilegal de arma de grosso calibre
Procurados
Membros do PCC presos na fronteira com MS são entregues à polícia brasileira