Menu
domingo, 24 de outubro de 2021
Andorinha - Setembro e Outubro
Andorinha - Outubro e Novembro - MOBILE
Geral

Comissão julgadora deste ano não terá integrantes corumbaenses

30 janeiro 2016 - 15h16Gesiane Medeiros
Os 18 jurados que irão julgar as dez escolas de samba de Corumbá este ano, serão todos do Rio de Janeiro. A decisão da Liga das Escolas (Liesco) tem como objeto buscar o máximo de imparcialidade, além de profissionalizar cada vez mais o carnaval da cidade. Em reunião deste sábado, 30, o coordenador da empresa contratada para realizar o julgamento das agremiações, apresentou a formação técnica e experiência dos jurados e, explicou aos representantes das escolas como serão os critérios de julgamento. “Os jurados irão avaliar de acordo com o que está estabelecido no regulamento das escolas, ninguém vai inventar critério. Mas deixo claro que o erro sendo visto não terá perdão, o quesito sofrerá redução de nota”, disse Riese Santos, coordenador da comissão julgadora. Santos falou com rigidez e objetividade, afirmando a todo momento que seu objetivo não era assustar ninguém, mas que o trabalho de julgamento será cumprido a risca.Segundo presidente da Liesco, Waldir Padilha, os acontecimentos do último carnaval o levaram a tomar a decisão de não trabalhar mais com a mescla de jurados, onde uma parte era composta por integrantes de outro Estado e outra por pessoas da cidade, “neste formato, ficávamos suscetíveis a apontamentos de que escolas estavam sendo beneficiadas em suas notas, no último carnaval, muitas pessoas apresentaram insatisfação com as notas. Este ano pesquisei bastante para contratar uma empresa especializada e que seja totalmente imparcial na avaliação, diz o presidente da liga. O fato dos jurados não estarem inseridas na cultura corumbaense, com certeza traz insegurança para algumas agremiações, como lembrou Joílson Cruz, presidente da Fundação de Cultura do Município, “a realidade do carnaval de Corumbá é diferente, os recursos são básicos e a aquisição e materiais de trabalho nem sempre é facilidade, vivemos em uma cidade onde o capital fica há quase 500 quilômetros, mas concordo com o novo formato de julgamento, a imparcialidade será um ponto muito positivo, e a rigidez no julgamento irá trazer insatisfações, mas elas são necessárias, só assim iremos conseguir profissionalizar nosso evento de carnaval”. No ponto de vista de Marcelo Toledo, presidente da Vila Mamona, a decisão foi sensata, “com certeza não irá agradar a todos, nada é 100%, mas acredito que o último carnaval serviu de experiência para as escolas, e todos estão buscando acertar os erros que tiveram”.  

Deixe seu Comentário

Leia Também

Flagrante
Dois turistas são multados em R$ 1,8 mil por pesca predatória no rio Miranda
Alerta
Últimos dias para inscrições em editais da Funarte
Imunização
Quem pode se vacinar contra Covid neste fim de semana
1 hora a menos
Agepan defende o retorno do horário de verão para economia de energia em MS
74 vagas
Concurso público da Sanesul recebe inscrições até 11 de novembro
Boletim Epidemiológico
MS volta a registrar mortes por Covid-19
Orientação
O que fazer para prevenir problemas durante e após temporais
CNH MS Social
Programa de habilitação gratuita já tramita na Assembleia Legislativa
Tempo
Chuva ganha força a partir deste sábado e pode trazer nova tempestade para MS
Precaução
Tradicional Procissão Fluvial é cancelada devido previsão de mal tempo

Mais Lidas

Causa não definida
Motorista de ônibus fretado com 42 passageiros perde o controle e colide na mureta da ponte
Dom Bosco
Homem baleado pede socorro em escola, mas não resiste e morre
Desdobramento
Embarcação que naufragou e fez sete vítimas no rio Paraguai não era de transporte turístico
Boletim Epidemiológico
MS volta a registrar mortes por Covid-19