Menu
sexta, 26 de fevereiro de 2021
Andorinha Fevereiro
Andorinha Fevereiro
Geral

Comissão julgadora deste ano não terá integrantes corumbaenses

30 janeiro 2016 - 15h16Gesiane Medeiros
Os 18 jurados que irão julgar as dez escolas de samba de Corumbá este ano, serão todos do Rio de Janeiro. A decisão da Liga das Escolas (Liesco) tem como objeto buscar o máximo de imparcialidade, além de profissionalizar cada vez mais o carnaval da cidade. Em reunião deste sábado, 30, o coordenador da empresa contratada para realizar o julgamento das agremiações, apresentou a formação técnica e experiência dos jurados e, explicou aos representantes das escolas como serão os critérios de julgamento. “Os jurados irão avaliar de acordo com o que está estabelecido no regulamento das escolas, ninguém vai inventar critério. Mas deixo claro que o erro sendo visto não terá perdão, o quesito sofrerá redução de nota”, disse Riese Santos, coordenador da comissão julgadora. Santos falou com rigidez e objetividade, afirmando a todo momento que seu objetivo não era assustar ninguém, mas que o trabalho de julgamento será cumprido a risca.Segundo presidente da Liesco, Waldir Padilha, os acontecimentos do último carnaval o levaram a tomar a decisão de não trabalhar mais com a mescla de jurados, onde uma parte era composta por integrantes de outro Estado e outra por pessoas da cidade, “neste formato, ficávamos suscetíveis a apontamentos de que escolas estavam sendo beneficiadas em suas notas, no último carnaval, muitas pessoas apresentaram insatisfação com as notas. Este ano pesquisei bastante para contratar uma empresa especializada e que seja totalmente imparcial na avaliação, diz o presidente da liga. O fato dos jurados não estarem inseridas na cultura corumbaense, com certeza traz insegurança para algumas agremiações, como lembrou Joílson Cruz, presidente da Fundação de Cultura do Município, “a realidade do carnaval de Corumbá é diferente, os recursos são básicos e a aquisição e materiais de trabalho nem sempre é facilidade, vivemos em uma cidade onde o capital fica há quase 500 quilômetros, mas concordo com o novo formato de julgamento, a imparcialidade será um ponto muito positivo, e a rigidez no julgamento irá trazer insatisfações, mas elas são necessárias, só assim iremos conseguir profissionalizar nosso evento de carnaval”. No ponto de vista de Marcelo Toledo, presidente da Vila Mamona, a decisão foi sensata, “com certeza não irá agradar a todos, nada é 100%, mas acredito que o último carnaval serviu de experiência para as escolas, e todos estão buscando acertar os erros que tiveram”.  

Deixe seu Comentário

Leia Também

GERAL
Vale anuncia doação de 50 milhões de seringas para combate à Covid-19
Ação faz parte de novo pacote de ajuda humanitária ao país, que prevê ainda doação de oxigênio e EPIs
ESPORTE
Governo assina convênio de apoio aos clubes para a disputa do Estadual
SAÚDE
Após suspensão, voo comercial traz brasileiros que vivem em Portugal
POLICIAL
Homem é preso no Centro de Corumbá por ameaçar mulher com uma foice
SAÚDE
Sábado e Domingo haverá drive para vacinar idosos acima de 80 anos contra a Covid-19
CIDADE
Projeto sobre identificação de ruas e sinalização de trânsito pode se tornar lei na cidade
Geral
Primeiro caso de covid-19 no Brasil completa um ano
POLICIAL
PRF recupera dois veículos em Mato Grosso do Sul
EDUCAÇÃO
Governo de MS decide pela retomada das atividades da REE de forma remota
POLICIAL
PM de Corumbá prende dupla por furto em praça pública no Nova Corumbá

Mais Lidas

GERAL
Na final do Brasileirão, GFI interdita Avenida General Rondon
GERAL
Homem é alvejado por disparos de arma de fogo na Codrasa
CAPACITAÇÃO
Cassems realiza curso para implantação de UTI em Corumbá
POLICIAL
Passageira de ônibus é presa com mais de 80 mil reais em Corumbá