Menu
sexta, 01 de março de 2024
Andorinha - Novos ônibus - agosto 2023
Andorinha - Novos Ônibus - Agosto 2023
Geral

Com direito a bateria coreografada, Mocidade da Nova Corumbá busca tricampeonato

11 fevereiro 2024 - 22h58Gesiane Sousa

A bicampeã do Carnaval de Corumbá, Mocidade Independente da Nova Corumbá, entrou na avenida por volta das 22h horas com aproximadamente 750 componentes, divididos em quatro setores, distribuídos em 20 alas. A escola trás quatro carros alegóricos e um tripé.

Com a tradição de utilizar a mão de obra locaL, apesar de autorizado pelo regulamento da LIESCO (Liga Independente das Escolas de Samba de Corumbá) a utilização de 30% de fantasias (prontas) usadas de outras cidades, a diretoria artística da agremiação confecciona em Corumbá todas as fantasias e alegorias. A escola acredita que desta forma pode incentivar e valorizar a criação artística dos artesões da região Corumbá.

Neste carnaval de 2024, a Mocidade faz homenagem a um dos filhos mais famosos de Mato Grosso do Sul, Almir Sater, homem pantaneiro, produtor rural, defensor da natureza, músico, ator e internacionalmente premiado.

O enredo “A Mocidade apresenta Almir Sater, o Pantaneiro cantador de Esperança.”, apesar da epectativa, foi desfialdo sem a presença do homenageado, que disse ter compromissos inadiáveis, mas que estaria na torcida para que sua história trouxesse sorte para a conquista do tricampeonato da Mocidade.

Na comissão de frente, a porteira se abre para o show começar, numa referência a ousada ideia de Sater de formar grupo com produtor, câmera, pegar a viola e seguir caminhada, por mil quilometros, para ver in loco e conhecer a vivência de um povo.  Na coreografia, uma porteira típica das estradas boiadeiras ou
entradas de propriedades, com o nome da fazenda de Almir Sater: “Campo Novo”.

O primeiro casal de mestre-sala e porta bandeira, Robson e Lorrainny Moura, representam os índios Guaranis originários das cercanias da Serra de Maracajú tão bem retratado em músicas interpretadas por Almir Sater.
No primeiro setor, o carro abre-alas traz o trem do Pantanal, eternizado na música de mesmo título. Na sequência: a ala Libaneses, em referência a origem paterna; Minha origem materna, com descendência Paraguaia; Violas de 10 cordas, instrumento preferido de Almir; Beatles, paixão musical do artista; e Imensidão do Verde Pantaneiro, em referência ao orgulho que Sater tem de ser filho dessa terra.

A segunda alegoria, traz a fauna e a flora do bioma além do homem pantaneiro, retratados nas composições de Almir. Alas: Sinfonia na flora pantaneira, dando destaque aos pássaros da região; Rios de Sentimentos, em referência ao período de cheia no Pantanal; e Versos e Canções, em homenagem aos parceiros musicais de Sater, como Paulo Simões e Renato Teixeira.

Os 100 ritmistas da agremiação vieram representando os guardiões da natureza, hoje caracterizadas por Ong’s e entidades da sociedade civil, que protegem o bioma pantaneiro. Comandada pelo mestre Marcigley, ao retomar o percurso da avenida, a bateria realiza coreografia e toma a forma de uma viola. 

A rainha venerada, Carol Castelo, dá vida a Arara Azul, uma das aves pantaneiras que esteve na lista de extinção, e que foi salva por projetos apoiados pelo homenageado.  

Mocidadetrouxe bateria coreografada. Foto: Capital do Pantanal

O ritmo sertanejo das canções de Sater são novamente relembradas na ala 11 de nome  “Moda Sertaneja”. Na sequência: Jeito de ser do Pantaneiro; Respeitando a vida, em referência ao trabalho ambiental do artista; novelas e canções, sobre as participações em rtrabalhos televisivos a partir dos anos 90, sucessos relembrados pelo público até os dias de hoje; levando o meu amor, fala da canção ‘Chalana’ composta em 1943, durante estadia do cantor em Corumbá; Projeto comitiva Esperança, retrata a música composta com Paulo Simões inspirada no projeto que o possui mesmo nome, realizado na década de 80.

Na ala 16, ‘Jeito de Mato’, a escola usa da canção para fazer referência as participações que Almir fez e faz com músicos renomados do Brasil; Peão de rodeio trás a fantasia de Zé Trovão, personagem protagonizado por Almir Sater na novela da extinta Rede Manchete, muito citado até os dias atuais; Tocando em frente, ala 18, retrata a música de sucesso, com elevado teor conotativo, composta por Almir Sater e Renato Teixeira e interpretada pelos mesmos e por vários outros cantores brasileiros.

No último setor, a escola apresenta suas baianas como o pôr do sol pantaneiro, que sempre foi fonte de inspiração para o cantor. Na Ala 20, as Araras Vermelhas, símbolo da Mocidade, colorem a avenida. Seguida do quarto carro alegórico, ‘Meu recanto. Minha vida’, a agremiação dá ênfase a fazenda de Sater, local escolhido pelo homenageado para morar e criar os filhos.

A escola encerra seu desfile com um tripé, que faz referência ao 17º e 19º  Grammy Latino de melhor álbum de música regional  ou de raízes brasileiras.

Ficha Técnica

Grêmio Recreativo Escola De Samba Mocidade Independente da Nova Corumbá
Presidente: Bosco
Vice-Presidente: Jobson
Tesoureira: Morocha
2º Tesoureiro: Márcio Cavasana
Fundação: 22 de Junho de 1999
Cores: Vermelho, Verde e Branco
Simbolo: Arara vermelha
Quadra De Ensaios: Rua Marechal Floriano, 20 – Nova Corumbá
Enredo: “A Mocidade apresenta, Almir Sater, o Pantaneiro cantador de esperança”
Pesquisa e texto: Ninho, Elvis, Celenir Magalhães, Edilson de Oliveira, José Maria e Jô Diuary
Autores do Samba Enredo: Leandro Bessa, Dudu Botelho e Franco Cava
Total de Alas: 20 (Incluindo Passistas, Bateria E Baianas)
Número de alegorias: 04
Número de tripé: 01
Total de componentes: 750
Carnavalesco: Edilson de Oliveira
Diretora Geral: Maria Lucia Calabria (Dona Morocha)
Diretor de Carnaval: Reinaldo Bah
Diretor de Harmonia: Rogério César Dos Santos
Diretor de Alegorias: Luíz Mário Anache
Diretor de Bateria: Elvis E Ninho
Coreógrafo Comissão de Frente: Leandro Lincoln
Coreógrafo ala Ddas Baianas: Jô Diuary Rondon. Assistente: Sara Carolina
Intérprete Oficial: Braguinha
Intérpretes Auxiliares: Helder da Silva, Ivanete Malheiros, Karen Mendes e Breno Adrison
Músicos Cavaco: Vinicius e Dudu Souza
Violão: Sabará
Sanfona: Wendel Simões
Mestre de Bateria: Marcigley Santana
Total de Ritmistas: 100
Rainha de Bateria: Carol Castelo
1º Casal de Mestre Sala e Porta Bandeira: Robson e Lorraynny
Costureiros: Luis e Jucélia
Fantasias: Ateliê Orun Aiyê by Edilson de Oliveira
Equipe de Barracão: Bobi, Cida, Carolina, Joseney, Joelton, Nathan, Felipe, Luana, Jeferson e Levinho

Receba as notícias no seu Whatsapp. Clique aqui para seguir o Canal do Capital do Pantanal.

Deixe seu Comentário

Leia Também

Benefício
Prefeito assina decreto que regulamenta aumento no plantão de profissionais da saúde
Imunização
Corumbá terá três postos de multivacinação neste sábado, 02 de março
Ranking
MS é destaque nacional na gestão de recursos federais e execução de projetos e convênios
Necessário
Recadastramento em programa do Governo que paga a conta de luz segue até 10 de maio
Campanha
Ladário expande vacinação contra dengue nas escolas da rede municipal
Evento
Corumbá sedia 3ª edição da Copa dos Campeões da Assomasul neste final de semana
Mudanças
Supremo derruba a regra sobre distribuição de sobras eleitorais em eleições proporcionais
Em processo
Reunião com novos diretores aborda habilitação de unidade de saúde exclusiva para presídios
Turismo ecológico
Encontro aborda aspectos da educação ambiental no turismo do Pantanal
Direito à saúde
DPU assegura que imigrantes sejam incluídos na fila de transplantes

Mais Lidas

10 vagas em MS
Inscrições estão abertas para concurso da Caixa com três vagas em Corumbá
Confirmado
Dupla sertaneja Henrique e Diego é a principal atração cultural do FIPEC 2024
Bombeiros
Acidentes de trânsito fazem quatro vítimas nesta manhã em Corumbá
27 vagas
Inscrições para concurso de professores da UFMS seguem abertas até 7 de março