Menu
quinta, 22 de fevereiro de 2024
Governo - Fazer Bem Feiro - Fevereiro 2024
Governo - Fazer Bem Feiro - Fevereiro 2024
Geral

Com 74 terras sem demarcação, MS é o terceiro em assassinatos de índios

28 setembro 2018 - 10h35Campo Grande News

Mato Grosso do Sul tem 74 terras indígenas “sem providências”, ou seja, sem processos demarcatórios. Os dados são do relatório “Violência contra os povos indígenas no Brasil”, do Cimi (Conselho Indigenista e Missionário). Além disso, o Estado ocupa o terceiro lugar no ranking de assassinatos de indígenas.

“Mato Grosso do Sul é o estado onde as violências contra os povos indígenas são práticas permanentes. Não bastassem os confinamentos populacionais nas reservas, que geram profundos e graves problemas, a questão fundiária constitui-se, no atual contexto, o eixo central das mobilizações criminosas do latifúndio e do agronegócio contra os povos Guarani-Kaiowá, Terena, Kadiwéu e Kinikinau”, afirma o documento.

Dados oferecidos pela Sesai (Secretaria Especial de Saúde Indígena) informam 110 assassinatos em 2017, 17 deles em Mato Grosso do Sul. Dados do Cimi, ainda assim, apontam que Mato Grosso do Sul teve o maior número de assassinatos: 23.

“A maioria das ocorrências aconteceu nas reservas de Dourados e Amambai e foi motivada por brigas, sempre antecedidas pelo consumo de álcool. A maioria das vítimas era jovem, entre 10 e 30 anos”, alerta o Cimi.

Dados do Cimi apontam mais assassinatos do que os dados da Sesai.

Em um dos casos, por exemplo, um indígena foi atingido por uma facada no peito. “O caso foi registrado na DP como homicídio simples, mas a polícia alegou que não poderia fazer nada porque a provável testemunha do ocorrido, a esposa da vítima, estava embriagada”, explica o relatório.

Mato Grosso do Sul ainda registrou 7 tentativas de assassinato, e 5 casos de homicídio culposo, relacionados a atropelamentos. O relatório destaca a perimetral norte. Também em Dourados, onde os indígenas trafegavam em bicicletas ou a pé. “Na grande maioria dos casos, os motoristas fugiram sem prestar socorro”, afirma.

O Estado também registrou 5 casos de violência sexual, 31 casos de suicídio e 5 casos de desassistência na saúde. O documento ressalta a situação de acampamentos Guarani e Kaiowá, Kurusu Ambá e Pyelito Kuê, onde as crianças apresentam quadro grave de desnutrição.

Mato Grosso do Sul também foi marcado, em 2017, por 5 casos de desassistência geral, 36 casos de mortalidade na infância, ocupando o sétimo lugar em casos como esse, além de 2 casos de desassistência escolar.

Deixe seu Comentário

Leia Também

Proposta
Vereador sugere tarifa zero aos domingos nos ônibus de Corumbá
Plantão
Bombeiros registraram sete quedas de árvores causadas pelo temporal desta quarta
Seminário
Combate à incêndios em MS será aliado a mudança da prática do uso do fogo
Imunização
Corumbá e Ladário aguardam chegada da vacina contra dengue nesta quinta-feira
Tempo
Quinta-feira tem tempo instável e maior probabilidade de chuva dos últimos dias
Corumbá tem 25°C pela manhã e 34°C à tarde
Você viu?
Bailarinos de Corumbá se apresentaram no palco do Caldeirão com Mion
Destaque
Curso de gastronomia qualifica guias e piloteiros das regiões de Albuquerque e Porto Morrinho
Destaque
Alunos do Geração Olímpica conquistam 3 ouros, 1 prata e 8 bronzes no Estadual de Judô
Na Câmara
Anatel e Procon são acionados para fiscalizar serviços de empresas de internet na cidade
Na Câmara
Projeto de Lei obriga remoção de cabos e fiação excedente e inutilizados na cidade

Mais Lidas

Últimas 24h
Bombeiros atendem acidente de trânsito, resgate de cadáver e incêndio em creche
Plantão
Pessoa é encontrada morta em casa do Popular Velha
Turismo
Anhuma, no Pantanal de Albuquerque: refúgio dos amantes da pesca e natureza
Você viu?
Bailarinos de Corumbá se apresentaram no palco do Caldeirão com Mion