Menu
quarta, 27 de outubro de 2021
Cassems - Melhores e Maiores - Edição 2021
Andorinha - Outubro e Novembro - MOBILE
Geral

Cesta básica sobe 6,21% na Capital e tomate é o maior vilão

17 fevereiro 2016 - 11h32Gilmar Lisboa
O valor da cesta básica subiu 6,21% no mês de janeiro, em Campo Grande, passando de R$ 388,47, registrados em dezembro de 2015, para R$ 412,61 agora. Nessa majoração da cesta o tomate teve papel essencial. O preço do produto aumentou 46,83%. Os números fazem parte de pesquisa divulgada nesta terça-feira (16) pelo Dieese (Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos). Segundo o Dieese, o tomate foi o produto que contabilizou a maior alta na Capital em janeiro, entre os itens que compõem a cesta básica. A grande alta do tomate se deve às fortes chuvas registradas nas regiões produtoras, que acabaram comprometendo a safra, o que reduziu a oferta e provocou o incremento de preço. Depois do tomate, segundo o levantamento, aparecem como indutores do salto da cesta básica   a batata, com 23,22%, o feijão com 17,10%, o açúcar, com 10,29% e o óleo, com 7,24%. Dos 13 produtos que fazem parte da cesta, nove registraram alta no mês passado, segundo a pesquisa do Dieese. Apenas quatro contabilizaram retrações de preço. A banana caiu 5,83%, o pão francês 5,74%, o leite 1,38% e o arroz 1,18%. Com o valor apurado pelo Dieese, Campo Grande terminou janeiro tendo a 9ª cesta básica mais cara entre as 27 capitais do país. No mês o consumidor gastou R$ 24,14 a mais para comprar a mesma quantidade de produtos que adquiriu em dezembro, devido à elevação de preço dos produtos. O departamento apontou ainda que para adquirir a cesta básica individual, o trabalhador que recebe um salário mínimo, de R$ 880, comprometeu 50,96% de sua remuneração líquida (R$ 809,60 ao descontar os 8% da Previdência Social), o que foi equivalente a 103 horas e 9 minutos de trabalho. Já o custo da cesta básica familiar, com uma quantidade de produtos para atender quatro pessoas (dois adultos e duas crianças), seria de R$ 1.237,83, um valor R$ 72,42 maior que o de dezembro. O Dieese também calculou que o valor que o salário mínimo deveria ter para atender uma família com quatro pessoas deveria ser de R$ 3.795,24, ou 4,31 vezes o valor atual.  

Deixe seu Comentário

Leia Também

Formalização
Corumbá lança campanha de incentivo ao cadastro de profissionais do setor de turismo
Apelo Popular
MPT-MS vai investigar assédio moral de gerente que humilha funcionário em Carrefour da Capital
Justiça
Após 18 horas, 7 membros do PCC são condenados a 105 anos por decapitar jovem em Campo Grande
Operação Hot Point
Idoso é preso e multado em R$ 2 mil por pesca proibida no Rio Formoso
Qualificação
Senac Corumbá abre inscrições para cursos nas áreas da informática, saúde e beleza
Acidente
Motociclista sofre ferimentos em colisão com carro no bairro Aeroporto
Fronteira
Câmara busca apoio Federal para agilizar o Transporte Internacional de mercadorias
Deanópolis
Operação "Inescrupulosos" da PF combate esquema de fraude no Auxílio Emergencial em MS
Violência Doméstica
Marido ameaça mulher com dispositivo de choque no Popular Nova
Consulta Pública
Audiência pública revisa tarifa de abastecimento de água e esgoto sanitário em MS

Mais Lidas

Presente Inesperado
Policiais Militares de Corumbá fazem surpresa em aniversário de criança que sonha em ser PM
Péssimas Condições
Morte de motorista na BR 262 é mais um alerta para o perigo do tráfego na rodovia
Nova Corumbá
Foragido é preso com diversos itens suspeitos na mochila
Reivindicação
Vereadores pedem retorno das aulas presenciais na Rede Municipal