Menu
domingo, 07 de março de 2021
Andorinha Fevereiro
Andorinha Fevereiro
Geral

Cesta básica sobe 6,21% na Capital e tomate é o maior vilão

17 fevereiro 2016 - 11h32Gilmar Lisboa
O valor da cesta básica subiu 6,21% no mês de janeiro, em Campo Grande, passando de R$ 388,47, registrados em dezembro de 2015, para R$ 412,61 agora. Nessa majoração da cesta o tomate teve papel essencial. O preço do produto aumentou 46,83%. Os números fazem parte de pesquisa divulgada nesta terça-feira (16) pelo Dieese (Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos). Segundo o Dieese, o tomate foi o produto que contabilizou a maior alta na Capital em janeiro, entre os itens que compõem a cesta básica. A grande alta do tomate se deve às fortes chuvas registradas nas regiões produtoras, que acabaram comprometendo a safra, o que reduziu a oferta e provocou o incremento de preço. Depois do tomate, segundo o levantamento, aparecem como indutores do salto da cesta básica   a batata, com 23,22%, o feijão com 17,10%, o açúcar, com 10,29% e o óleo, com 7,24%. Dos 13 produtos que fazem parte da cesta, nove registraram alta no mês passado, segundo a pesquisa do Dieese. Apenas quatro contabilizaram retrações de preço. A banana caiu 5,83%, o pão francês 5,74%, o leite 1,38% e o arroz 1,18%. Com o valor apurado pelo Dieese, Campo Grande terminou janeiro tendo a 9ª cesta básica mais cara entre as 27 capitais do país. No mês o consumidor gastou R$ 24,14 a mais para comprar a mesma quantidade de produtos que adquiriu em dezembro, devido à elevação de preço dos produtos. O departamento apontou ainda que para adquirir a cesta básica individual, o trabalhador que recebe um salário mínimo, de R$ 880, comprometeu 50,96% de sua remuneração líquida (R$ 809,60 ao descontar os 8% da Previdência Social), o que foi equivalente a 103 horas e 9 minutos de trabalho. Já o custo da cesta básica familiar, com uma quantidade de produtos para atender quatro pessoas (dois adultos e duas crianças), seria de R$ 1.237,83, um valor R$ 72,42 maior que o de dezembro. O Dieese também calculou que o valor que o salário mínimo deveria ter para atender uma família com quatro pessoas deveria ser de R$ 3.795,24, ou 4,31 vezes o valor atual.  

Deixe seu Comentário

Leia Também

Geral
Aumento da gasolina também causa impacto no preço do etanol
OPORTUNIDADE
Receita Federal abre vagas de estágio em Corumbá
CULTURA
Eleitos os representantes não governamentais para o Conselho de Cultura do município
SEGURANÇA PÚBLICA
Em MS, Senad defende proposta de agilizar leilões de bens do crime organizado
POLICIAL
Bandidos armados usam carro oficial do Governo de MS para roubar casal na Afonso Pena
GERAL
Mãe é detida após espancar bebê de 9 meses com pedaço de madeira em cidade de MS
ESPORTE
Estadual de Futebol 2021 prossegue com mais quatro partidas neste fim de semana
SAÚDE
Redução de testa: Dermatologista de MS explica sobre melhores formas de tratamento
GERAL
Mulher tem bebê em casa e bombeiros prestam atendimentos
SAÚDE
Endometriose pode afetar 10% das mulheres brasileiras

Mais Lidas

OPORTUNIDADE
Receita Federal abre vagas de estágio em Corumbá
GERAL
Mãe é detida após espancar bebê de 9 meses com pedaço de madeira em cidade de MS
POLICIAL
Bandidos armados usam carro oficial do Governo de MS para roubar casal na Afonso Pena
GERAL
Mulher tem bebê em casa e bombeiros prestam atendimentos