Menu
domingo, 26 de maio de 2024
Andorinha - Novos ônibus - agosto 2023
Andorinha - Novos Ônibus - Agosto 2023
Geral

Cesta básica sobe 6,21% na Capital e tomate é o maior vilão

17 fevereiro 2016 - 11h32Gilmar Lisboa
O valor da cesta básica subiu 6,21% no mês de janeiro, em Campo Grande, passando de R$ 388,47, registrados em dezembro de 2015, para R$ 412,61 agora. Nessa majoração da cesta o tomate teve papel essencial. O preço do produto aumentou 46,83%. Os números fazem parte de pesquisa divulgada nesta terça-feira (16) pelo Dieese (Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos). Segundo o Dieese, o tomate foi o produto que contabilizou a maior alta na Capital em janeiro, entre os itens que compõem a cesta básica. A grande alta do tomate se deve às fortes chuvas registradas nas regiões produtoras, que acabaram comprometendo a safra, o que reduziu a oferta e provocou o incremento de preço. Depois do tomate, segundo o levantamento, aparecem como indutores do salto da cesta básica   a batata, com 23,22%, o feijão com 17,10%, o açúcar, com 10,29% e o óleo, com 7,24%. Dos 13 produtos que fazem parte da cesta, nove registraram alta no mês passado, segundo a pesquisa do Dieese. Apenas quatro contabilizaram retrações de preço. A banana caiu 5,83%, o pão francês 5,74%, o leite 1,38% e o arroz 1,18%. Com o valor apurado pelo Dieese, Campo Grande terminou janeiro tendo a 9ª cesta básica mais cara entre as 27 capitais do país. No mês o consumidor gastou R$ 24,14 a mais para comprar a mesma quantidade de produtos que adquiriu em dezembro, devido à elevação de preço dos produtos. O departamento apontou ainda que para adquirir a cesta básica individual, o trabalhador que recebe um salário mínimo, de R$ 880, comprometeu 50,96% de sua remuneração líquida (R$ 809,60 ao descontar os 8% da Previdência Social), o que foi equivalente a 103 horas e 9 minutos de trabalho. Já o custo da cesta básica familiar, com uma quantidade de produtos para atender quatro pessoas (dois adultos e duas crianças), seria de R$ 1.237,83, um valor R$ 72,42 maior que o de dezembro. O Dieese também calculou que o valor que o salário mínimo deveria ter para atender uma família com quatro pessoas deveria ser de R$ 3.795,24, ou 4,31 vezes o valor atual.  

Deixe seu Comentário

Leia Também

Meio Ambiente
Relatório da ONU sobre o clima responsabiliza a humanidade por aumento de fenômenos extremos
Facilidade
Mais de R$ 1,8 milhão em taxas judiciárias já foram pagos via Pix
Variedades
Cassinos Online: Sorte e estratégia na era digital
Reitoria
Colégio Eleitoral da UFMS mantém Camila Ítavo em primeiro lugar na lista tríplice
Meio Ambiente
Juiz mantém proibido o desmate no Parque dos Poderes
Crime
Na delegacia, assassino "confesso" diz que conheceu corretora em aplicativo
Educação
UEMS e Fundect investem R$ 4 mi para fortalecer ensino superior em Mato Grosso do Sul
Em Maracaju
Estudantes do IFMS levam tecnologia a maior evento agro do Estado
Destaque
Dia da Indústria: Longen destaca força do setor industrial de Mato Grosso do Sul
Extrema magreza
Polícia resgata cães em situação de maus-tratos no Popular Nova

Mais Lidas

Tráfico de Drogas
Boliviana é presa com 12,7 kg de cocaína em botijão de gás transportado dentro de mala
Soldado Cidadão
Projeto da Marinha vai oferecer formação de condutores para recrutas em Ladário
Interdição
Ponte sobre o rio Paraguai fecha às 17 horas deste sábado; interdição deve durar 19 horas
Investigação
Polícia Civil prende homem acusado por furto de joias e celulares na cidade