Menu
terça, 30 de novembro de 2021
Cassems - Rede Amo
Andorinha - Outubro e Novembro - MOBILE
Geral

Campo Grande registra em 2015 maior inflação em 12 anos, 11,41%

07 janeiro 2016 - 13h38G1
Campo Grande registrou em 2015 o maior índice de inflação dos últimos 12 anos. Segundo o Índice de Preços ao Consumidor (IPC/CG), medido pelo Núcleo de Estudos e Pesquisas Econômicas e Sociais (Nepes), da Uniderp, em dezembro do ano passado o indicador chegou a 0,84% e no acumulado do ano atingiu a marca de 11,41%, seu maior percentual desde 2003. Esse percentual de 2015 está muito acima do teto da meta estabelecido pelo Conselho Monetário Nacional (CMN), que era de 6,5%. No ano, de acordo com o Nepes, os grupos de produtos e serviços que apresentaram as maiores altas foram: alimentação, com 15,81%, habitação, com 13,59% e transportes, com 13,46%. Os três registraram índice superior, inclusive, a inflação acumulada nestes 12 meses na capital sul-mato-grossense. Dos sete grupos de produtos e serviços apenas um, o de vestuário apresentou deflação, ou seja, queda de preços, em Campo Grande em 2015. O IPC/CG acumulado no ano passado na cidade foi -0,14. Os outros três grupos registraram inflação abaixo da acumulada na cidade: despesas pessoais, 11,25%, educação, 9,61% e saúde, 3,31%. “O resultado está muito acima do teto da meta estabelecida pelo Conselho Monetário Nacional (CMN). Assim, apesar de janeiro historicamente ter inflação alta, a tendência é de que haja queda para os próximos meses”, considera o coordenador do Nepes e pesquisador da Uniderp, Celso Correia de Souza. Ele aponta que a situação do grupo alimentação continua a preocupar em relação ao futuro do índice de inflação na capital. “Caso as condições climáticas para os próximos meses sejam favoráveis e a oferta de boi gordo aos frigoríficos melhorar, a tendência é que o grupo não pressione tanto a inflação”, avalia. Dezembro Conforme o Nepes, em dezembro, os grupos de produtos e serviços que mais impactaram na inflação em Campo Grande foram: alimentação, com índice de 1,92% e contribuição de 0,39%; transportes, com 1,60% e peso de 0,24% e a habitação com percentual de 0,40% e contribuição de 0,13%. Entre os produtos e serviços os que registraram as maiores altas e por consequência influência no IPC/CG foram: etanol, com aumento de 8,20% e contribuição de 0,15%; gasolina, com acréscimo de 2,39% e contribuição de 0,08%; frango congelado, com elevação de 6,05% e contribuição de 0,04%; tomate, com aumento de 20,63% e contribuição de 0,04%; alcatra com aumento de 2,77% e contribuição de 0,03%; refrigerador com reajuste de 5,88 % e colaboração de 0,03%; cebola com elevação de 31,86 % e contribuição de 0,03%; açúcar com alta de 5,56% e participação de 0,03%; aluguel de apartamento, com aumento de 0,57% e colaboração de 0,03% e o contrafilé com variação de 4,54% e contribuição de 0,03%. Em contrapartida, os dez itens que ajudaram a impedir que a inflação subisse ainda mais no mês foram: presunto, com deflação de -4,15% e contribuição de -0,0003%; limão, com queda de -21,33% e contribuição de -0,003%; chocolate em pó com redução de -2,02% e contribuição -0,003 %; massa de tomate com queda de -1,19% e colaboração de -0,003 %; queijo cremoso com deflação de -1,50% participação de -0,002%; farinha de mandioca com redução de -4,99% e contribuição de -0,002%; melancia com queda de -3,97% e colaboração de -0,002%; lingerie com deflação de -0,42% e contribuição de -0,002%; berinjela com redução de -6,55% e participação de -0,002% e manga com decréscimo de -14,07% e contribuição -0,002%. Carnes Dos quinze cortes de carnes bovinas pesquisados pelo Nepes, dez deles tiveram alta de preços. Os maiores aumentos ocorreram com: ponta de peito (5,25%), contrafilé (4,54%), alcatra (2,77%), vísceras de boi (1,92%), patinho (1,87%), costela (1,77%), acém (0,90%), fígado (0,90%), paleta (0,69%) e músculo (0,23%). Já reduções de preços aconteceram com: lagarto (-2,66%), cupim (-1,51%), filé mignon (-1,50%) e coxão mole (-1,29%). A picanha foi o único corte que permaneceu com preço estável. “Como está havendo uma queda no consumo desse produto, a tendência é que nos próximos meses a carne bovina comece a cair de preço, principalmente, se a oferta de boi gordo aos frigoríficos melhorar. Também, percebe-se que está ocorrendo a migração do consumidor aos cortes de segunda de carne bovina, de menores preços, fazendo com que esses cortes subam de preços de modo mais expressivo. Percebe-se também uma maior procura pela carne suína e de frango, pois seus preços têm sido majorados”, analisa Celso Correia de Souza. As carnes suína e de frango também ficaram mais caras em novembro. O pernil aumentou 4,05%, a costeleta 1,39% e a bisteca 1,38%. O frango resfriado teve reajuste de 6,05%, como também, os miúdos, com aumento de 1,34%.  

Deixe seu Comentário

Leia Também

Delegacia de Polícia Civil
Com emenda parlamentar de Evander, Ladário inaugura "Sala Lilás" em Dezembro
Cidade
Briga de casal termina com marido ferido por faca
Política
Paulo Duarte toma posse dia 03 com transmissão ao vivo
Transporte Coletivo
Vereador pede mais ônibus circulando para reduzir espera e evitar superlotação
Além de mais veículos circulando, a reivindicação incluiu a instalação de cobertura e banco no ponto de ônibus da Firmo de Matos
Sem festa
Depois de cancelar o Carnaval, Trad diz que Capital também não terá festa de Réveillon
Farsa
Bolivianos são presos ao tentavam ir para a Europa com documentos paraguaios
Doe Vida
Nesta terça e quarta Corumbá realiza campanha de doação de sangue
Economia Local
Servidores municipais recebem salário de novembro hoje e 13º no dia 15 de dezembro
Transporte Aéreo
Voo ligando Corumbá a Campo Grande é solicitado durante sessão da Câmara
Vigilância
Nota técnica alerta população para doença mão-pé-boca

Mais Lidas

Oportunidade
IFMS abre 482 vagas em cursos de graduação gratuitos
No Pantanal
Estrada que liga ponte do Naitaca a rodovia tem previsão de entrega antecipada para janeiro de 2022
Corumbá
Bombeiros evitam explosão de gás de cozinha em casa do centro
Corumbá
Motorista abandona condutor de moto ferido após colisão