Menu
segunda, 27 de maio de 2024
Andorinha - Novos ônibus - agosto 2023
Andorinha - Novos Ônibus - Agosto 2023
Geral

Campanha promove conscientização contra assédio a mulheres no trabalho

18 abril 2024 - 10h16Redação

O combate ao assédio moral e sexual no ambiente de trabalho ganhou impulso significativo com a edição de 2024 do Abril Verde, promovida pelo Ministério Público do Trabalho (MPT). Este ano, o slogan da campanha amplia seu escopo para abordar também a prevenção de doenças ocupacionais como uma extensão dos riscos no local de trabalho. Com o tema “Adoecimento também é acidente do trabalho. Conhecer para prevenir”, o Ministério Público do Trabalho em Mato Grosso do Sul (MPT-MS) antecipou as ações de conscientização e instrução sobre o tema no mês de março, como parte integrante do compromisso contínuo com a saúde e segurança das trabalhadoras.

Entre janeiro de 2023 e abril de 2024, o MPT-MS conduziu 166 procedimentos para investigar a conduta de empresas em casos onde trabalhadoras foram prejudicadas. Dentre os temas recorrentes, destacam-se a falta de igualdade de oportunidades, violência, assédio e discriminação nas relações de trabalho, com especial atenção à discriminação contra mulheres. Um subtema igualmente relevante é o assédio ou violência psicológica, que vem ganhando crescente atenção da sociedade nos últimos anos.

Esta forma de violência se manifesta frequentemente como comentários depreciativos, isolamento intencional ou sobrecarga de trabalho, práticas que não só comprometem a saúde mental das trabalhadoras, mas também minam seu desempenho e sentido de pertencimento na empresa. As investigações do MPT-MS buscaram não apenas punir comportamentos infracionais, mas também atuar na promoção do ambiente de trabalho mais justo e seguro para as mulheres, enfatizando a importância de políticas internas eficazes que previnam, identifiquem e combatam tais práticas insalubres.

O assédio moral, sexual e a discriminação contra mulheres no ambiente de trabalho constituem fatores prejudiciais que infringem direitos individuais e podem desencadear adoecimento físico e psicológico, sendo assim considerados como acidentes de trabalho. Tais comportamentos contribuem para a criação de um clima hostil e estressante, afetando diretamente a saúde mental das trabalhadoras, o que pode resultar em condições clínicas como depressão, ansiedade e estresse crônico.

As trabalhadoras devem conhecer os canais de denúncia disponíveis para que possam reportar qualquer incidente de assédio ou discriminação. Além disso, a participação ativa de gestores e colegas de trabalho é essencial, pois a omissão pode perpetuar esses comportamentos inadequados. Tais medidas são indispensáveis para assegurar que as mulheres possam desempenhar suas funções profissionais em condições de igualdade.

O Ministério Público do Trabalho em Mato Grosso do Sul possui canais para denúncias de assédio no trabalho através do site www.prt24.mpt.mp.br/servicos/denuncias, e do aplicativo MPT Pardal, disponível gratuitamente para download em smartphones. Com informações do MPT-MS.

Receba as notícias no seu Whatsapp. Clique aqui para seguir o Canal do Capital do Pantanal.  

Deixe seu Comentário

Leia Também

Geral
Deputado Luiz Ovando destina recursos para atender a APAE de Corumbá
Geral
Prefeitura de Corumbá terá ponto facultativo na sexta-feira, 31 de maio
Tempo
Segunda-feira de frio em Corumbá
Corumbá amanhece com 14 graus nesta segunda
Meio Ambiente
Relatório da ONU sobre o clima responsabiliza a humanidade por aumento de fenômenos extremos
Facilidade
Mais de R$ 1,8 milhão em taxas judiciárias já foram pagos via Pix
Variedades
Cassinos Online: Sorte e estratégia na era digital
Reitoria
Colégio Eleitoral da UFMS mantém Camila Ítavo em primeiro lugar na lista tríplice
Meio Ambiente
Juiz mantém proibido o desmate no Parque dos Poderes
Crime
Na delegacia, assassino "confesso" diz que conheceu corretora em aplicativo
Educação
UEMS e Fundect investem R$ 4 mi para fortalecer ensino superior em Mato Grosso do Sul

Mais Lidas

Reitoria
Colégio Eleitoral da UFMS mantém Camila Ítavo em primeiro lugar na lista tríplice
Facilidade
Mais de R$ 1,8 milhão em taxas judiciárias já foram pagos via Pix
Meio Ambiente
Relatório da ONU sobre o clima responsabiliza a humanidade por aumento de fenômenos extremos
Variedades
Cassinos Online: Sorte e estratégia na era digital