Menu
quinta, 23 de maio de 2024
Andorinha - Novos ônibus - agosto 2023
Andorinha - Novos Ônibus - Agosto 2023
Geral

Câmara mantém veto e derruba Lei da Mordaça na educação pública de Campo Grande

10 junho 2016 - 08h45Redação
O movimento sindical da educação de Mato Grosso do Sul, representado pela Federação dos Trabalhadores em Educação de Mato Grosso do Sul (FETEMS) e o Sindicato Campo-Grandense dos Profissionais da Educação Básica (ACP), juntamente com outros movimentos sociais e estudantis, se fez presente em peso, na manhã desta quinta-feira (9), na Câmara Municipal de Campo Grande, para protestar contra o projeto de Lei 8.242/16, conhecido como Lei da Mordaça, que visava proibir, na Rede Municipal de Ensino de Campo Grande, os professores de debaterem assuntos sobre política, religião e sexualidade. Após suspender a sessão e se reunir com representantes de grupos a favor e contra a Lei da Mordaça, a Câmara de Campo Grande fez uma votação simbólica entre os vereadores e manteve o veto à Lei da Mordaça, derrubando o projeto. De acordo com o presidente da FETEMS, Roberto Magno Botareli Cesar, a decisão foi uma vitória da mobilização e luta da categoria. “Manter o veto do prefeito significa tirar de pauta a legislação e para que o assunto volte a ser abordado precisará ser feita uma nova lei, portanto derrubamos com muita luta este retrocesso para a educação pública de nossa capital e deixamos claro que escola é lugar de cidadania e de se debater os mais diversos assuntos para que tenhamos formadores de opinião, cidadãos conscientes do seu papel na sociedade, portanto religião, sexualidade e política, são sim temas a serem abordados nas escolas públicas, respeitando as nossas legislações vigentes, a LDB, a Constituição Brasileira e os estatutos municipais e estaduais que regem a nossa profissão”, afirma.Segundo o presidente da ACP, Lucílio Nobre, a manutenção do veto do prefeito é simbólica e demonstra que a união faz a força. “Mobilizados, mais uma vez, conseguimos mostrar a nossa força de luta e negociação. Não aceitamos a tentativa de amordaçar os nossos professores e impossibilitar debates de suma importância para a formação cidadã de nossas crianças e adolescentes. Também enfatizamos aos vereadores a importância de se debater a escola pública com quem vive a escola pública, que são os trabalhadores em educação e os pais dos alunos das unidades públicas de ensino, não com um instituto, que se denomina conservador e que pouco conhece do dia a dia de nossas escolas e das legislações que nos regem”, disse. Para Guilherme Passamani, professor da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS), à derrubada do projeto é importantíssima. "Dentro do acordo que fizemos, ficou certo que a nova proposta deverá ter acordo das partes. Vamos lutar para defender o espaço do professor, que é o de ensinar", conclui. Na ocasião os vereadores mantiveram o veto, como explicado acima, portanto para que haja qualquer debate em relação ao assunto, será necessária a criação de um novo projeto de lei e os parlamentares se comprometeram que se o assunto for retomado haverá representantes a favor e contrários na comissão de debate.

Deixe seu Comentário

Leia Também

Fiscalização
Ação conjunta apreende 4 toneladas de mercadorias em Corumbá
Esporte
Com trinta equipes, 1ª Copinha do Futuro de Futsal tem primeiro jogo nesta quarta-feira
Oportunidade
IHP abre vagas para jovens aprendizes com idades entre 16 e 20 anos
Afroturismo
Corumbá participa pelo segundo ano consecutivo do projeto Caminhadas Negras
Meio Ambiente
Show com Seu Jorge e Daniel Jobim vai arrecadar recursos para o Pantanal
Economia
Começa amanhã consulta a maior lote de restituição do IR da história
Economia
Quase 50 mil pessoas buscam negociar dívidas em MS
Saúde
Projeto que institui vacinação nas escolas vai à sanção presidencial
Na Zona Rural
Vereador quer equipes da Assistência Social, atendendo assentamentos de Corumbá
Segurança
Táxis de Corumbá tem até 21 de junho para implantar QR Code de identificação

Mais Lidas

Agenda Cultural
Evento de som automotivo arrecada doações para RS e Instituto Novo Olhar
Na Câmara
Projeto de Lei Municipal torna laudos de TEA permanentes
Segurança
Denúncia de moradora recupera moto furtada no bairro Vila Mamona
Gaeco
Operação apura desvio de R$ 6 milhões e 1.200 saques para driblar fiscalização no Futebol