Menu
quinta, 23 de maio de 2024
Andorinha - Novos ônibus - agosto 2023
Andorinha - Novos Ônibus - Agosto 2023
Geral

Brasil vai desenvolver teste para detectar Zika em sangue de doadores

20 fevereiro 2016 - 13h02Redação
O Brasil vai desenvolver um teste para detectar o vírus Zika em bolsas de sangue para doação. O exame será semelhante ao Teste de Ácido Nucleico (NAT, na sigla em inglês), utilizado para identificar HIV e hepatites B e C no sangue de potenciais doadores. A pesquisa para o desenvolvimento do produto será feita pelo Instituto Bio-Manguinhos, da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), e não tem prazo para ser concluída. “A expectativa é que isso seja feito rapidamente”, disse o ministro da Saúde, Marcelo Castro, depois do encerramento de reunião na Organização Pan-Americana da Saúde (Opas), envolvendo os governos brasileiro e norte-americano. Pelas regras brasileiras, quem teve quadro infeccioso - de dengue, chikungunya, Zika ou outras doenças - deve ficar 30 dias sem doar sangue, a partir do desaparecimento dos sintomas. Porém, 80% dos casos de Zika não têm manifestações sintomáticas. “Muitas pessoas que têm o vírus Zika não sabem que estão infectadas. Quem não sabe pode vir a doar sangue e contaminar outra pessoa”, explicou Castro. De acordo com o secretário de Atenção à Saúde do ministério, Alberto Beltrame, serão recolhidas amostras de sangue de 300 pessoas infectadas pelo Zika para que os pesquisadores possam avaliar se há variações do vírus. “Nada me garante nesse momento que o vírus é igual em todos os pacientes, então pegaremos essas amostras para ter convicção e fazendo esse painel podemos pegar o que é representativo do vírus no país. Mas, pelo que sabemos até agora, só existe um sorotipo do Zika”, disse Beltrame.   Parceria internacional A ideia do teste de Zika para doadores de sangue surgiu durante reunião na Opas com pesquisadores do Brasil e dos Estados Unidos, encerrada hoje. O encontro reuniu os institutos Butantan, Biomanguinhos e Evandro Chagas, e os ministérios da Ciência, Tecnologia e Inovação e da Saúde, além de representantes norte-americanos do CDC, do Departamento de Saúde e da Food and Drug Administration (FDA). Segundo Beltrame, a FDA firmou parceria com a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) para que ambas possam acompanhar as pesquisas e acelerar a validação do teste, etapa da pesquisa que atesta a eficácia e a segurança do produto. “No trânsito normal, teríamos que testar (o novo NAT) no mundo inteiro”, explicou o secretário. Segundo ele, o acordo traz uma economia de anos para a finalização do processo. Apesar de não haver prazo para produção do exame, Beltrame diz esperar que o teste esteja disponível ainda no primeiro semestre de 2016. O Brasil já confirmou pelo menos uma transmissão de Zika por transfusão de sangue, porém, segundo a Associação Brasileira de Hematologia, Hemoterapia e Terapia Celular, esse é um evento raro.       Texto Agência Brasil

Deixe seu Comentário

Leia Também

Fiscalização
Ação conjunta apreende 4 toneladas de mercadorias em Corumbá
Esporte
Com trinta equipes, 1ª Copinha do Futuro de Futsal tem primeiro jogo nesta quarta-feira
Oportunidade
IHP abre vagas para jovens aprendizes com idades entre 16 e 20 anos
Afroturismo
Corumbá participa pelo segundo ano consecutivo do projeto Caminhadas Negras
Meio Ambiente
Show com Seu Jorge e Daniel Jobim vai arrecadar recursos para o Pantanal
Economia
Começa amanhã consulta a maior lote de restituição do IR da história
Economia
Quase 50 mil pessoas buscam negociar dívidas em MS
Saúde
Projeto que institui vacinação nas escolas vai à sanção presidencial
Na Zona Rural
Vereador quer equipes da Assistência Social, atendendo assentamentos de Corumbá
Segurança
Táxis de Corumbá tem até 21 de junho para implantar QR Code de identificação

Mais Lidas

Agenda Cultural
Evento de som automotivo arrecada doações para RS e Instituto Novo Olhar
Na Câmara
Projeto de Lei Municipal torna laudos de TEA permanentes
Segurança
Denúncia de moradora recupera moto furtada no bairro Vila Mamona
Gaeco
Operação apura desvio de R$ 6 milhões e 1.200 saques para driblar fiscalização no Futebol