Menu
sábado, 13 de abril de 2024
Andorinha - Novos ônibus - agosto 2023
Andorinha - Novos Ônibus - Agosto 2023
Geral

Bomba flutuante é estratégia para impedir falta de água em Corumbá e Ladário

25 setembro 2020 - 08h31Portal do Governo

Com a maior seca dos últimos 47 anos atingindo Mato Grosso do Sul, o Rio Paraguai registrou, rapidamente, níveis hídricos críticos. Com isso, o Governo do Estado, por intermédio da Semagro (Secretaria de Estado do Meio Ambiente, Desenvolvimento Econômico, Produção e Agricultura Familiar) e a Sanesul (Empresa de Saneamento de Mato Grosso do Sul) elencaram as medidas estratégicas de prevenção para evitar o desabastecimento em Corumbá e Ladário.

Em reunião realizada nesta quinta-feira (24) na sede da Sanesul, o titular da Semagro, Jaime Verruck, e o diretor-presidente da instituição Walter Carneiro Junior deram destaque ao trabalho em conjunto das instituições e debateram as ações que estão sendo realizadas nos municípios. “O Governo do Estado decretou emergência ambiental e nós montamos uma sala de crise hídrica coordenada pela Agência Nacional de Águas e Saneamento na qual estamos monitorando a questão crítica”, ressaltou Verruck.

O secretário deu ênfase ao atual cenário: “ O que me preocupa é que ainda não chegamos ao nível crítico de redução do nível do rio, que poderá baixar ainda mais, tendo diminuído aproximadamente um metro. Por isso, precisamos construir iniciativas preventivas”, salientou Verruck que reforçou que as réguas de mediação, diante do atual cenário, estão sendo revistas. 

Carneiro Junior destacou que o rio chegou ao nível de 1,18 metro, sendo que a média de segurança é de três a cinco metros. “Estamos com duas ações já pontuais iniciais que acontecem a partir de hoje, destinando para Corumbá um equipamento de bomba flutuante, que será a nossa primeira tentativa, onde vamos produzir 500 metros cúbicos de água. Vamos monitorar dia a dia para ver se resolver”,  disse o diretor-presidente que afirmou, ainda, que a tal iniciativa já foi implementada em Ladário.

O dirigente acrescentou ainda que caso não a medida não surta efeito e caso o rio baixe o nível, ainda mais será implantado no local as bombas antifibrias e bombas submersíveis. “Vamos trabalhar com o plano A e com o plano B”.

O diretor-presidente da Sanesul enfatizou as medidas realizadas pelo Governo do Estado. “O governador Reinaldo Azambuja captou recursos de mais de 100 milhões de reais, em captação hídrica, distribuição e tratamento. Em breve estaremos inaugurando uma nova estrutura de tratamento na nossa regional, para dar ainda mais qualidade e certificar essa água que vem do rio”.

Deixe seu Comentário

Leia Também

Destaque
Referência mundial em prevenção e combate aos incêndios florestais, Prevfogo completou 35 anos
Carreira
Cerca de 40 mil bacharéis em direito participam do ENAM neste domingo
Ação de Cidadania
Equipe técnica visita o Alto Taquari para planejar realização do Juizado Itinerante em junho
Destaque
Alunos de MS são premiados em terceiro lugar em desafio internacional de programação
Meio Ambiente
Lançado em 2023, SIFAU auxilia Mato Grosso do Sul na identificação de áreas para queima prescrita
Cidade
Vítima de ferimento por faca é destaque no plantão dos Bombeiros
Pacto de Cooperação
Governo e Sebrae/MS vão fomentar o empreendedorismo indígena em no estado
Evento
Turismo de MS leva capacitação, gastronomia pantaneira e lançamentos à 11ª WTM Latin America
Mercado Internacional
MS quintuplica potencial de abate e exportação de carne bovina para a China
Concretagem
Ponte fecha às 17 horas de hoje e reabre às 5h de domingo (14)

Mais Lidas

Morte à Esclarecer
Idoso é encontrado morto com marcas de mordidas de cachorro em Corumbá
Últimas 24 horas
Incêndio em casa no centro é destaque no plantão dos Bombeiros
Qualificação
Cursos técnicos com alta demanda no mercado são opções de qualificação no Senac Corumbá
Decisão Judicial
Ribeirinhos são despejados de terras no Morrinho