Menu
segunda, 21 de junho de 2021
Assembleia de MS - Campanha Mãos - Junho
Andorinha - Maio
Geral

Bernal veta “lei da mordaça” e ameaça processo se contrariado por vereadores

27 abril 2016 - 12h18Correio do Estado
Veto total do projeto escola sem partido ou “lei da mordaça”, nesta quarta-feira (27), pode motivar guerra jurídica, caso seja derrubado pela Câmara Municipal de Campo Grande. Alvo de protestos, a iniciativa previa que cartazes fossem afixados na sala dos professores os impedindo de interferir ou direcionar alunos quanto a orientação sexual, político-partidária e religiosa. Considerando a lei uma “monstruosidade”, o prefeito Alcides Bernal (PP) havia adiantado a decisão na semana passada e ameaçou, assim como a Federação dos Profissionais em Educação de Mato Grosso do Sul (Fetems), recorrer à Justiça caso a decisão seja contrariada pelos vereadores. A justificativa para o veto pontuou que a Secretaria Municipal de Educação (Semed) entendeu que o projeto é inconstitucional e desrespeita o artigo 5º, inciso VI (da liberdade de consciência), que consta na Constituição Federal. Determinação do Ministério Público também foi utilizada para embasamento. "Sobre a liberdade de crença, em recente determinação do Ministério Público à Semed, houve determinação de se abster da faculdade de rezar/orar o 'Pai Nosso' e devido a inúmeros casos de reclamações", alegou justificativa. Bernal ainda pontuou em seu veto que a lei aprovada na Câmara contraria o Plano Municipal de Educação, além de criar obrigação ao município que seria, na verdade, reservado ao Executivo para propor. "Atenta contra a Constituição Federal, Estadual e Lei Orgânica do Município de Campo Grande, assim como desrespeita a Lei de Diretrizes e Bases da Educação", informou veto. NA CÂMARA Paulo Siufi (PMDB), um dos sete a propor a lei, pontuou que a justificativa será analisada para determinar sua motivação: se política ou embasada em inconstitucionalidade. “Ele tem usado isso para mudar o emblema da greve dos professores”, avaliou Siufi, que não descarta derrubar o veto. Únicos contrários à iniciativa durante sua votação, em março, Eduardo Romero (Rede), Marcos Alex (PT) e Luiza Ribeiro (PPS) prometem resistência. Eles pontuam a existência de mecanismos legais para conter casos de má-fé em sala de aula, sem que haja desrespeito ao professor. Há dois anos, lei similar havia sido proposta pelo ex-vereador Alceu Bueno. Foi arquivada depois deste ser condenado a oito anos e dois meses de prisão, em regime fechado, pela exploração sexual de adolescentes. Sua defesa recorreu, mas o projeto ficou guardado até ser reapresentado neste ano.  

Deixe seu Comentário

Leia Também

RESGATE
Comando do 6º Distrito Naval resgata senhora na região do Paiaguás
O resgate foi efetuado com o auxílio de uma aeronave do 1º Esquadrão de Helicópteros de Emprego Geral do Oeste
GERAL
Processo Seletivo para contratação de Analista de Medidas Socioeducativas está com inscrições aberta
CULTURA
Votação para concursos de Andores de São João e Mini Andores termina amanhã
POLICIAL
PMA surpreende caçador, apreende arma e munições e frustra caçada ilegal
SAÚDE
Secretaria de Estado de Saúde distribui aos municípios 97.500 doses da vacina da Astrazeneca
CORONAVÍRUS
Corumbá registra em maio o segundo pior número nos óbitos por Covid-19 do ano
ECONOMIA
Empresários têm 9 dias para renegociar débitos do Fadefe
SAÚDE
Dia Mundial da Yoga: atividade terapêutica melhora qualidade de vida
ECONOMIA
Auxílio emergencial: beneficiários do Bolsa Família recebem hoje
ESPORTE
MS vai ao pódio seis vezes no Brasileiro de Canoagem Descida e assegura duas vagas ao Mundial

Mais Lidas

PROCURADOS
Mato Grosso do Sul tem 8 dos criminosos mais importantes na lista da Interpol
GERAL
Com lotes a partir de R$ 200, SAD fará leilão de 38 lotes de veículos e sucatas de veículos em julho
RESGATE DE ANIMAL
PMA de Corumbá resgata filhote de veado em condomínio no Aeroporto
POLICIAL
PMA prende infrator por porte ilegal de arma de caça