Menu
segunda, 08 de março de 2021
Andorinha Fevereiro
Andorinha Fevereiro
Geral

Bernal veta “lei da mordaça” e ameaça processo se contrariado por vereadores

27 abril 2016 - 12h18Correio do Estado
Veto total do projeto escola sem partido ou “lei da mordaça”, nesta quarta-feira (27), pode motivar guerra jurídica, caso seja derrubado pela Câmara Municipal de Campo Grande. Alvo de protestos, a iniciativa previa que cartazes fossem afixados na sala dos professores os impedindo de interferir ou direcionar alunos quanto a orientação sexual, político-partidária e religiosa. Considerando a lei uma “monstruosidade”, o prefeito Alcides Bernal (PP) havia adiantado a decisão na semana passada e ameaçou, assim como a Federação dos Profissionais em Educação de Mato Grosso do Sul (Fetems), recorrer à Justiça caso a decisão seja contrariada pelos vereadores. A justificativa para o veto pontuou que a Secretaria Municipal de Educação (Semed) entendeu que o projeto é inconstitucional e desrespeita o artigo 5º, inciso VI (da liberdade de consciência), que consta na Constituição Federal. Determinação do Ministério Público também foi utilizada para embasamento. "Sobre a liberdade de crença, em recente determinação do Ministério Público à Semed, houve determinação de se abster da faculdade de rezar/orar o 'Pai Nosso' e devido a inúmeros casos de reclamações", alegou justificativa. Bernal ainda pontuou em seu veto que a lei aprovada na Câmara contraria o Plano Municipal de Educação, além de criar obrigação ao município que seria, na verdade, reservado ao Executivo para propor. "Atenta contra a Constituição Federal, Estadual e Lei Orgânica do Município de Campo Grande, assim como desrespeita a Lei de Diretrizes e Bases da Educação", informou veto. NA CÂMARA Paulo Siufi (PMDB), um dos sete a propor a lei, pontuou que a justificativa será analisada para determinar sua motivação: se política ou embasada em inconstitucionalidade. “Ele tem usado isso para mudar o emblema da greve dos professores”, avaliou Siufi, que não descarta derrubar o veto. Únicos contrários à iniciativa durante sua votação, em março, Eduardo Romero (Rede), Marcos Alex (PT) e Luiza Ribeiro (PPS) prometem resistência. Eles pontuam a existência de mecanismos legais para conter casos de má-fé em sala de aula, sem que haja desrespeito ao professor. Há dois anos, lei similar havia sido proposta pelo ex-vereador Alceu Bueno. Foi arquivada depois deste ser condenado a oito anos e dois meses de prisão, em regime fechado, pela exploração sexual de adolescentes. Sua defesa recorreu, mas o projeto ficou guardado até ser reapresentado neste ano.  

Deixe seu Comentário

Leia Também

BOLETIM COVID
SES registra mais 25 mortes por covid e MS chega a 3.469 óbitos
ESPORTE
Estadual de Futebol 2021: Jogos do grupo B terminam empatados em 1 a 1 neste domingo
MULHERES
Reinaldo Azambuja assina decretos que fortalecem políticas públicas para as mulheres
EDUCAÇÃO
Inep publica resultado das análises de recursos do Revalida
PROCESSO SELETIVO
Funsau abre processo seletivo para contratação de agente de farmácia, farmacêutico e médico
CRIME DE RECEPTAÇÃO
Homem vai para a delegacia por conduzir na BR 262 veículo roubado
POLICIAL
Homem é preso por receptação e apreende moto furtada no bairro Vila Mamona
DIA INTERNACIONAL DA MULHER
Na linha de frente, mulheres fazem gestão de excelência no combate da pandemia da Covid-19
POLICIAL
PM prende homem com mandado de prisão durante rondas no bairro Vila Guarani
POLICIAL
PM de Corumbá recupera motocicleta roubada minutos após o crime no bairro Popular Nova

Mais Lidas

GERAL
Ônibus clandestino com 34 bolivianos é apreendido no Brás em São Paulo