Menu
quinta, 22 de abril de 2021
Andorinha Abril
Andorinha Abril
Geral

Azambuja destaca importância do pantaneiro na conservação do Pantanal e cobra ação integrada MS e MT

10 maio 2017 - 09h01Notícias MS

O governador Reinaldo Azambuja propôs a formação de um grupo de trabalho, envolvendo o poder público, terceiro setor e segmentos da sociedade, para se discutir modelos de gestão visando manter a preservação do Pantanal, um dos biomas mais sustentáveis do planeta, e a harmonia entre a natureza, o homem e o boi, que se compartilham por mais de 200 anos. “São desafios que devemos superar avançando as discussões em uma grande mesa, com todos os setores, integrando sempre Mato Grosso do Sul e Mato Grosso, que são um único Pantanal”, afirmou, ao discursar durante a abertura do 1º Seminário Internacional Pantanal, Okavango e Everglades – Desafios e Oportunidades -, na tarde desta terça-feira (9.5), no plenário da Assembleia Legislativa, na Capital.

Ao falar das ações desenvolvidas pelo Governo do Estado em apoio ao meio ambiente e à produção sustentável, Reinaldo Azambuja citou a regulamentação do Cadastro Ambiental Rural (CAR) – o Estado saiu na frente na definição de um marco regulatório amplamente discutido pela sociedade e instituições de pesquisa – e a recuperação de dois milhões de hectares de pastagens degradadas, credenciando Mato Grosso do Sul como primeiro Estado carbono neutro.

Ameaças vem de fora

Em relação ao CAR, o governador disse que 42,8 mil propriedades rurais foram inscritas (76.6% das áreas passíveis de cadastramento, representando mais de 23 milhões de hectares), e que a meta é chegar em 31 de dezembro deste ano com a totalidade dos imóveis. “O CAR vai proporcionar o aprimoramento das políticas de desenvolvimento sustentável do Estado”, completou.

Para o ele, as ameaças de degradação ambiental ao Pantanal – considerado oficialmente 85% conservado – vem de fora, do planalto, onde a expansão da agropecuária sem critérios, a partir da década de 1.970, gerou o desastre ecológico do Rio Taquari e coloca em risco a perenidade de toda a bacia hidrográfica do Alto Paraguai. “Devemos agir rápido para que o assoreamento e outros efeitos negativos não afetem outras regiões”, pontuou.

Homem pantaneiro

Reinaldo Azambuja reforçou posição já manifestada quanto a necessidade de se discutir apenas um Pantanal, integrando as ações entre Mato Grosso do Sul e Mato Grosso, e destacou a ampla discussão, na Assembleia Legislativa, de uma nova legislação de pesca, onde se avalia a proibição por tempo determinado da captura do dourado, um dos peixes nobres da bacia pantaneira. “Podemos inclusive incluir outras espécies”, sugeriu.

Ele falou da pujança e da força econômica do agronegócio para a balança comercial do País, acrescentando que o econegócio também pode ser um grande e vantajoso negócio, conciliando uma atividade lucrativa de forma sustentável e com racionalidade. “Se o Pantanal, que alia seu ambiente natural com a pecuária, é um dos biomas mais preservado, devemos isso ao homem pantaneiro”, sustentou.

O seminário, promovido pela Ong SOS Pantanal, será realizado também em Cuiabá, nesta quarta-feira (10.5), e em Brasília, na quinta-feira (11.5), com a proposta de promover uma ampla discussão sobre o turismo, a ocupação econômica, o diálogo de saberes e as possíveis parcerias em favor da construção de caminhos para o desenvolvimento e a proteção do Pantanal. O evento reúne estudiosos de outros biomas, como Okavango e Everglades.

Sem radicalismos

Ao abrir o encontro, o presidente da SOS Pantanal, Roberto Klabin, realçou o comprometimento de Reinaldo Azambuja na definição de uma política única para os pantanais de Mato Grosso do Sul e Mato Grosso. Ele disse que o evento busca chamar a atenção para o Pantanal sem radicalismo dos mais diferentes setores, mas, sim, com um entendimento entre ambientalistas, produtores rurais e outros segmentos “para se construir um diálogo e, juntos, pensarmos o futuro da região”.

Presentes ao seminário o presidente da Assembleia Legislativa, deputado Junior mochi; secretário de Meio Ambiente, Desenvolvimento Econômico, Produção e Agricultura Familiar (Semagro), Jaime Verruck; diretor presidente do Instituto de Meio Ambiente de MS (Imassul), Ricardo Éboli; e representantes do Ministério Público, produtores rurais, pesquisadores, ambientalistas e estudantes. Veja outras fotos.

 

Deixe seu Comentário

Leia Também

Esporte
Coudet salva campeonato do Celta de Vigo e ganha destaque como treinador
JUSTIÇA
181 é ferramenta para denuncia anônima em Mato Grosso do Sul
EDUCAÇÃO
Reforma de escolas municipais é solicitada por vereador durante sessão da Câmara
ESPORTE
Vereador sugere transformar o Marina Gattass em espaço para esportes radicais
LÍNGUA DE SINAIS
Projeto de Lei obriga instituições a disponibilizar intérpretes de Libras na cidade
ECONOMIA
Caixa paga auxílio emergencial a nascidos em agosto
COVID-19
Polícia investiga empresa por fraude em oferta de vacina
CIDADE
Prefeito decreta luto oficial de três dias pelo falecimento de Dom Martinez
POLICIAL
PM de Corumbá prende foragido da justiça e apreende arma branca
POLICIAL
Homem é preso por porte de drogas no bairro Popular Nova

Mais Lidas

POLÍTICA
Câmara aprova projeto de lei que torna escolas serviços essenciais
MUDANÇAS NO CTB
Nova Lei abranda infração para motociclistas sem viseira ou óculos de proteção
GERAL
Vereador solicita recuperação da 21 de Setembro, após intervenções da Sanesul
SEGURANÇA
Tiradentes: no dia do patrono das polícias, Governo destaca investimentos na segurança