Menu
quinta, 04 de março de 2021
Governo do Estado - Campanha de Março
Geral

Após mais de um ano e meio, Cantareira sai do volume morto

30 dezembro 2015 - 10h04UOL FOLHA
Depois de 19 meses, o Cantareira atingiu nesta quarta-feira (30) o seu volume útil, tendo recuperado o volume morto, água que fica abaixo do nível de captação das comportas. O nível subiu hoje de 22,4% para 22,6%, percentual que corresponde à quantidade de água que existe no sistema em relação à capacidade total de armazenamento, incluindo as duas cotas do volume morto. O sistema conseguiu deixar o volume morto depois que seu nível teve altas seguidas durante quase um mês por causa das recentes chuvas na região. O índice do sistema aumentou 7,5 pontos percentuais desde o começo de dezembro. Os dados são disponibilizados na internet pela Sabesp (Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo). Entre ontem e hoje, o Cantareira recebeu 5,4 milímetros de chuva. A quantidade acumulada ao longo do mês foi de 258,2 milímetros, superior à média histórica para dezembro, que é de 219,4 milímetros. Segundo o jornal "Folha de S.Paulo", o secretário de Saneamento e Recursos Hídricos do Estado, Benedito Braga, declarou que a saída do Cantareira do volume morto indica que a "situação climática nos meses de outubro, novembro e dezembro voltaram à normalidade".

Volume morto

O volume morto começou a ser usado em maio de 2014. À época, diante da falta de chuva e da queda acelerada do índice do Cantareira, o governo de São Paulo começou a captar água dessa reserva que nunca tinha sido usada antes. A decisão gerou críticas de especialistas, que questionaram a qualidade dessa água e alertaram para os danos que essa medida poderia causar ao meio ambiente. Com o agravamento da crise, uma segunda cota do volume morto passou a ser usada em outubro do mesmo ano. O Cantareira é responsável atualmente pelo abastecimento de 5,2 milhões de moradores da Grande São Paulo. Antes da crise, o sistema fornecia água para 8,8 milhões de pessoas na região. Parte dessa população passou a receber água de outros sistemas.

Situação preocupante

Apesar de o governo não precisar recorrer mais ao volume morto do Cantareira a partir de hoje, a situação do abastecimento de água na Grande São Paulo ainda é considerada crítica em comparação com o cenário de dois anos atrás. No fim de dezembro de 2013, quando surgiram os primeiros sinais da crise hídrica, o nível do Cantareira era de 27,5% do volume útil, sem contar com nenhuma cota do volume morto. Pedro Luiz Côrtes, geólogo, especialista em gestão de recursos hídricos e professor da USP (Universidade de São Paulo) e da Uninove (Universidade Nove de Julho), alerta para o risco de o Cantareira voltar ao volume morto no próximo ano. "O prognóstico para este verão é de acúmulo de água no positivo, mas [o índice] não deve chegar aos 35% por volta do mês de abril, [percentual] que seria suficiente para nos livrar em 2016 de voltar ao volume morto", afirma. Côrtes explica que a população abastecida pelo Cantareira consome, em uma situação normal, entre 30% e 35% do volume de água durante o período de estiagem, entre abril e outubro.

Outros reservatórios

A Grande São Paulo também é abastecida por outros cinco sistemas. Nesta quarta-feira, o nível do Guarapiranga, que fornece água para 5,8 milhões de pessoas na região, caiu de 90,9% para 88,2%. O índice do Rio Grande também registrou queda, passando de 96,3% para 95,5%. Já o nível do Alto Tietê, que abastece 4,5 milhões de pessoas, aumentou de 23,3% para 23,5%. O do Alto Cotia também teve alta, subindo de 84,4% para 85,5%. O índice do sistema Rio Claro foi o único que se manteve estável, em 71%.

Três índices de medição

O site da Sabesp informa três percentuais diferentes do nível do Cantareira. O primeiro índice, que hoje está em 29,3% corresponde ao volume armazenado de água em relação ao volume útil do sistema. Por determinação da Justiça, a companhia foi obrigada a fornecer outros dois índices. A taxa 2, que está em 22,6% e é adotada pelo UOL, equivale à quantidade de água existente em relação ao volume total do Cantareira, incluindo as duas cotas do volume morto que passaram a ser usadas. Já o índice 3, que está em 0%, representa o quanto de água tem, excluindo o volume morto, em comparação com o volume útil do sistema.  

Deixe seu Comentário

Leia Também

BOLETIM COVID
O mês começa com média de 6 mortes por Covid a cada 24 horas
SAÚDE
MS é o estado que mais aplicou as duas doses da vacina contra a Covid-19
GERAL
Ministério Público denuncia servidores de Ladário por corrupção passiva
GERAL
Bombeiros continuam buscas por homem desaparecido na região do Paiaguás
CONSUMIDOR
Vereador pede relatório ao Procon sobre processos, multas e empresas penalizadas em 2020
ESPORTE
Fluminense estreia no Carioca de olho na final da Copa do Brasil
ECONOMIA
Governo adia para dia 31 reinício de bloqueio e suspensão de benefício
OPORTUNIDADE
Máscara + Renda já beneficiou mais de 1.900 costureiras em todas as regiões do país
RECONHECIMENTO
Câmara vai prestar homenagem às corumbaenses pelo Dia Internacional da Mulher
ACIDENTE DE TRÂNSITO
Colisão de carro e moto deixa mulher ferida no Maria Leite

Mais Lidas

GERAL
PMA realiza trabalhos de orientação sobre minhocas em casas de iscas no MS
ABANDONO
Ladário sofre com descaso e abandono das autoridades municipais
INFRAÇÃO ADMINISTRATIVA
PMA autua morador de Corumbá por transporte ilegal de pescado
GERAL
Reinaldo Azambuja autoriza concurso público com 250 vagas para Polícia Civil