Menu
quinta, 13 de junho de 2024
Andorinha - 76 anos - Junho 2024
Andorinha - 76 anos - Junho 2024
Geral

Agropecuária de MS conquista 1º lugar em índice de desenvolvimento

01 julho 2022 - 08h21Rosana Siqueira, Semagro

Mato Grosso do Sul é o 1º no desenvolvimento agropecuário entre os estados do Brasil. É o que mostra um estudo da Confederação Nacional de Municípios (CNM) que elaborou o Índice de Desenvolvimento da Agropecuária Municipal (Idam). O índice serve para apoiar os gestores no planejamento e organização de ações municipais de incentivo ao desenvolvimento da produção rural. O estudo aponta que 2021 o Estado tinha índice de 0,6941 (em uma escala de zero a 1), seguido por Mato Grosso, com 0,6652 e o Paraná, com 0,5926. . 

O levantamento aponta que entre os 20 maiores do agronegócio do País, existem quatro cidades sul-mato-grossenses: Maracaju que lidera o ranking estadual e 8º no nacional, com índice de 0,9375; seguido por Sidrolândia, com 0,9272, em 12º no Brasil; Rio Brilhante, com 0,9248, ocupando a 13ª posição nacional; e em quarto no Estado e 17º nacionalmente aparece Chapadão do Sul, com índice IDAM de 0,9209. Entre as 100 maiores cidades agro do país, Mato Grosso do Sul tem 13 municípios. 

O IDAM leva em consideração o crescimento da produção rural, da geração de emprego e de empresas voltadas para o agro, do investimento e da arrecadação municipal, diferenciando do ranking PAM (Produção Agrícola Municipal), que é elaborado pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), que utiliza outros critérios. De acordo com o PAM-IBGE, Maracaju ocupa a 14ª posição, Sidrolândia a 18ª; e Ponta Porã a 20ª. 

De acordo com a área de estudos técnicos da CNM, 39% dos 5.568 municípios tem índice IDAM de até 0,2; outros 12% entre 0,2 e 0,4; 30% entre 0,4 e 0,6; 17% entre 0,6 e 0,8 e 2% acima de 0,8. 

No Estado o número de cidades com índice acima de 0,8 é de quase 20%. São ao todo 14 localidades. Outros 42 municípios estão entre 0,6 a 0,8, o que corresponde a 53% das 79 cidades. 

Na colocação dos estados Mato Grosso do Sul lidera o ranking IDAM, com índice de 0,6941; seguido por Mato Grosso com 0,6652; Paraná, com 0,5926; Goiás, com 0,5619; Rio Grande do Sul, com 0,5306; e São Paulo, com 0,5193. 

O estudo aponta que a agropecuária brasileira no ano passado chegou ao valor bruto da produção de R$ 1,12 trilhão, gerando renda ao produtor e movimentando o comércio local. Segundo a CNM o agronegócio traz grande impacto positivo na balança comercial brasileira e representa 23% do Produto Interno Bruto (PIB). 

O agronegócio foi um dos setores de maior contribuição para crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) de Mato Grosso do Sul nos últimos anos, gerando quase R$ 19 bilhões de riquezas ao Estado. A importância do setor que representa 17,10% de todo o PIB estadual que era de R$ 106 bilhões no último levantamento do IBGE (2019). 

 

Deixe seu Comentário

Leia Também

Novidade
Sorveteria de Caio Castro inaugura loja nesta sexta em Corumbá
Evento
Sábado tem Festival de Pipa em Ladário
Em até 9X
Ladário: prazo para incluir taxa do lixo na fatura de água encerra dia 14
Economia
Reunião aprovou prioridades e novas áreas de financiamento do FCO para 2025
Cidadania LGBTQIA+
Certidão de nascimento garante cidadania, direitos e renascimento de novas histórias
Viva a São João
Estão abertas as inscrições para concursos de Andores, Miniandores e Quadrilhas Juninas
Praça da Independência
Cerimônia cívico-militar comemora os 157 da Retomada de Corumbá
Edital
Sindicato convoca trabalhadores da J&F Mineração para Assembleia Geral
Economia
Em novo recorde para o mês, Junta Comercial registrou abertura de 960 empresas em maio
Cidade
Bancos não abrem neste feriado da Retomada de Corumbá

Mais Lidas

Infraestrutura
Moradores falam de melhor qualidade de vida após lajotamento de vias no Cravo Vermelho
Turismo
Consultoria vai facilitar certificação internacional para destinos e negócios de turismo em MS
Meio Ambiente
Câmara pede apoio técnico e logístico ao Governo Federal para combater queimadas no Pantanal
Meio Ambiente
Estudo alerta para escassez hídrica e aumento de mais de 1000% em incêndios no Pantanal