Menu
quarta, 10 de agosto de 2022
Governo - Utilidade Pública - Agosto/22
Andorinha Institucional
Geral

Agora não: sindicato é contra retorno às aulas em escolas particulares em julho

24 junho 2020 - 16h30Midia Max

 

O Sindicato dos Estabelecimentos de Ensino de Mato Grosso do Sul (Sinepe) se posicionou contra o retorno às aulas em escolas particulares a partir do dia 1º de julho em Campo Grande. Estão reunidos, na tarde desta quarta-feira (24), representantes das instituições de ensino particulares, MPMS (Ministério Público) e prefeitura para decidir a questão.

 

Ao Jornal Midiamax, a presidente do Sinepe, professora Maria da Glória, disse, antes da reunião, que agora não é o momento para voltar. “Sempre trabalhamos com o fato de que o aumento [dos casos de coronavírus] seria em junho e julho. Agora não é hora. O foco é a saúde das crianças”, argumentou.

 

Em transmissão ao vivo pelo Facebook, essa semana, o prefeito Marquinhos Trad (PSD) deixou claro que essa data era apenas uma base. Segundo ele, o MPMS a definiu para apresentar às escolas, mas que essa questão ainda teria que ser muito bem analisada.

Momentos antes do início do encontro, um grupo ligado a escolas particulares maiores fazia manifestação em frente ao Ministério Público, pressionando para o retorno das aulas, com carreata, cartazes e buzinaço.

 

A situação é que logo após a suspensão das aulas por conta da pandemia, em março, um grupo formado por grandes escolas particulares se uniu para pressionar o Ministério Público. Eles pleiteavam o retorno para o dia 15 de abril, inclusive haviam se mobilizado para entrar na Justiça para conseguir que a reivindicação deles fosse atendida.

Um dos participantes do movimento é o condutor de van escolar, Juliano Ricartes, de 38 anos. Para ele, que depende do retorno para trabalhar, a volta às aulas é imprescindível. “100% de proibição fica difícil, o pessoal do transporte escolar que depende dessa situação e está se adequando para atender ao plano [de biossegurança]”, avaliou.

 

Para o vice-presidente da associação formada pelos dissidentes de escolas particulares, Gabriel Mazzoco, que também é dono de uma instituição particular, houve gastos para as adequações. “Cumprimos as medida de biossegurança. Fizemos tudo o que a prefeitura pediu. As escolas investiram valor considerável para a adaptação, esperando por essa data [1º de julho]”, pontuou.

Deixe seu Comentário

Leia Também

Joinville
Turma intermediária do Moinho Cultural se apresenta no maior festival de dança do mundo
Hoje
Caminhoneiro abandona Arara para evitar flagrante na operação Bocaiúva da PMA
Economia
Fiems lamenta suspensão de redução do IPI
Aberta ao Público
Conselho Municipal de Saúde realiza 472ª reunião ordinária nesta quarta-feira
No Rio de Janeiro
Artesãos de MS participam de exposição coletiva sobre o Centro Oeste
Assistência Financeira
Auxílio Taxista: Dados são repassados para Ministério do Trabalho
Parceria
Estreitando laços: Exército reúne imprensa corumbaense na 18ª Infantaria do Pantanal
Preservação
Evolução tecnológica é aliada no monitoramento das onças-pintadas no Pantanal
Na Câmara
Autoridades destacam a importância dos advogados para a sociedade
Dados Oficiais
Vendas no varejo de MS sofre queda após 4 meses de alta no ano

Mais Lidas

Corumbá
Briga entre patrão e funcionário termina na Delegacia
Investigação
PF deflagra Operação Persuasão no combate a fraudes praticadas em lotéricas
Dupla Presa
Autor confessa ter matado dependente de drogas por dívida de R$ 50
Com vagas para Corumbá
IFMS abre 1,6 mil vagas em cursos técnicos integrados ao ensino médio