Menu
terça, 21 de setembro de 2021
Expresso Mato Grosso - Junho
Geral

Agora não: sindicato é contra retorno às aulas em escolas particulares em julho

24 junho 2020 - 16h30Midia Max

 

O Sindicato dos Estabelecimentos de Ensino de Mato Grosso do Sul (Sinepe) se posicionou contra o retorno às aulas em escolas particulares a partir do dia 1º de julho em Campo Grande. Estão reunidos, na tarde desta quarta-feira (24), representantes das instituições de ensino particulares, MPMS (Ministério Público) e prefeitura para decidir a questão.

 

Ao Jornal Midiamax, a presidente do Sinepe, professora Maria da Glória, disse, antes da reunião, que agora não é o momento para voltar. “Sempre trabalhamos com o fato de que o aumento [dos casos de coronavírus] seria em junho e julho. Agora não é hora. O foco é a saúde das crianças”, argumentou.

 

Em transmissão ao vivo pelo Facebook, essa semana, o prefeito Marquinhos Trad (PSD) deixou claro que essa data era apenas uma base. Segundo ele, o MPMS a definiu para apresentar às escolas, mas que essa questão ainda teria que ser muito bem analisada.

Momentos antes do início do encontro, um grupo ligado a escolas particulares maiores fazia manifestação em frente ao Ministério Público, pressionando para o retorno das aulas, com carreata, cartazes e buzinaço.

 

A situação é que logo após a suspensão das aulas por conta da pandemia, em março, um grupo formado por grandes escolas particulares se uniu para pressionar o Ministério Público. Eles pleiteavam o retorno para o dia 15 de abril, inclusive haviam se mobilizado para entrar na Justiça para conseguir que a reivindicação deles fosse atendida.

Um dos participantes do movimento é o condutor de van escolar, Juliano Ricartes, de 38 anos. Para ele, que depende do retorno para trabalhar, a volta às aulas é imprescindível. “100% de proibição fica difícil, o pessoal do transporte escolar que depende dessa situação e está se adequando para atender ao plano [de biossegurança]”, avaliou.

 

Para o vice-presidente da associação formada pelos dissidentes de escolas particulares, Gabriel Mazzoco, que também é dono de uma instituição particular, houve gastos para as adequações. “Cumprimos as medida de biossegurança. Fizemos tudo o que a prefeitura pediu. As escolas investiram valor considerável para a adaptação, esperando por essa data [1º de julho]”, pontuou.

Deixe seu Comentário

Leia Também

Política
Brasil quer atrair mais investimentos privados, diz presidente na ONU
21 de setembro
Incêndios continuam e Corumbá não tem motivo para celebrar o dia da árvore
Mudança no prazo
Saúde mantém vacinação para adolescentes em MS
Dados Estatísticos
Índices de criminalidade apresentam queda em Mato Grosso do Sul
Limpeza
Nos dias 22 e 23 tem ação de combate à dengue no bairro Cravo Vermelho
Evento Virtual
Semana Temática do Empreendedorismo acontece nos dias 28, 29 e 30 de setembro
Crime
Concen pede ação da Polícia Civil no combate ao furto de fios de energia em MS
Maratona
Prorrogadas inscrições para o Hackathon IFMS
Naviraí
Casal preso por tráfico de aves silvestres recebe multa de R$ 2,5 milhões da PMA
243 anos
Corumbá celebra aniversário com retomada de desenvolvimento

Mais Lidas

Denúncia
Bar é fechado e proprietário é multado em R$ 5 mil por poluição sonora
Fronteira
Mulher presa com "cinturão de cocaína" receberia R$ 1.500 pela travessia
Oportunidade
Senac Corumbá abre inscrições para cursos na área da saúde
Tempo
Primavera terá La Niña de fraca intensidade, chuvas abaixo da média e muito calor