Menu
domingo, 26 de maio de 2024
Andorinha - Novos ônibus - agosto 2023
Andorinha - Novos Ônibus - Agosto 2023
Geral

Agentes penitenciários adequam rotina e organizam paralização para próxima segunda

27 abril 2016 - 12h12Gesiane Medeiros
Após os casos de envenenamento de seis agentes penitenciários de Campo Grande, capital do Estado, os servidores públicos do sistema penitenciário de Mato Grosso do Sul, se organizaram e resolveram estabelecer mudanças na rotina de trabalho. A principal reivindicação da classe é quanto ao efetivo insuficiente para a quantidade de internos, os servidores afirmam que não há servidores suficientes para a demanda de trabalho. A proposta da nova rotina, implica principalmente na alimentação e acompanhamento dos detentos durante o período de trabalho, através de convênios, e de cursos, dentro dos próprios presídios. Segundo o Agente Penitenciário, funcionário do Sindicato dos Servidores da Administração Penitenciária de MS, Guimarães, a situação dos Agentes Penitenciários é bastante complicada e vulnerável. “Após o acontecido em Campo Grande, os servidores se reuniram e perceberam que estavam na contramão, a carga de trabalho está muito além do que é possível ser feita com o atual número de servidores em atividade. Planejamos uma paralisação em todo o Estado para segunda (2 de maio), caso o governo não manifeste nenhum contraproposta”, afirma o agente se referindo ao reajuste salarial de R$ 200,00 proposto pelo Governo a todos os servidores públicos do Estado. A mudança de rotina da qual o Sindicato apoia começou a ser implantada na capital desde o início da semana, dia 25, e por consequência todos os outros presídios do Estado estão a seguindo. A alimentação que antes era manipulada pelos presidiários, agora não é mais, os servidores entenderam que a chance de ações criminosas por parte do detendo é facilitada com o trabalho de preparo da alimentação dos agentes, como aconteceu em Campo Grande. Outra medida, é quanto o acompanhamento dos detentos que realizam cursos e trabalho dentro do presídio, segundo o servidor, não há agentes suficientes para realizar o acompanhamento. Em Corumbá, o presídio masculino possui mais de 500 internos, enquanto a capacidade é de pouco mais de 200 e o efetivo do presidio é de apenas 24 servidores. No presídio feminino da cidade, a capacidade é de 100 internas, porém possui 160, enquanto o efetivo de agentes não chega nem a dez. Guimarães lembra ainda que até o momento, nenhum aprovado no concurso realizado no início de março, foi convocado.

Deixe seu Comentário

Leia Também

Meio Ambiente
Relatório da ONU sobre o clima responsabiliza a humanidade por aumento de fenômenos extremos
Facilidade
Mais de R$ 1,8 milhão em taxas judiciárias já foram pagos via Pix
Variedades
Cassinos Online: Sorte e estratégia na era digital
Reitoria
Colégio Eleitoral da UFMS mantém Camila Ítavo em primeiro lugar na lista tríplice
Meio Ambiente
Juiz mantém proibido o desmate no Parque dos Poderes
Crime
Na delegacia, assassino "confesso" diz que conheceu corretora em aplicativo
Educação
UEMS e Fundect investem R$ 4 mi para fortalecer ensino superior em Mato Grosso do Sul
Em Maracaju
Estudantes do IFMS levam tecnologia a maior evento agro do Estado
Destaque
Dia da Indústria: Longen destaca força do setor industrial de Mato Grosso do Sul
Extrema magreza
Polícia resgata cães em situação de maus-tratos no Popular Nova

Mais Lidas

Tráfico de Drogas
Boliviana é presa com 12,7 kg de cocaína em botijão de gás transportado dentro de mala
Soldado Cidadão
Projeto da Marinha vai oferecer formação de condutores para recrutas em Ladário
Interdição
Ponte sobre o rio Paraguai fecha às 17 horas deste sábado; interdição deve durar 19 horas
Investigação
Polícia Civil prende homem acusado por furto de joias e celulares na cidade