Menu
domingo, 28 de novembro de 2021
Cassems - Rede Amo
Andorinha - Outubro e Novembro - MOBILE
COLUNA

Entrelinhas

Sylma Lima

Não existe crime perfeito

25 novembro 2021 - 11h45

No processo que investiga compra de votos em Corumbá, a Polícia Federal interceptou áudios em que o chefe de gabinete do prefeito Marcelo Iunes negociava com eleitores. A moeda de troca era dinheiro, cesta básica, exames médicos e até mesmo marmitex.

50tão

Em uma das gravações, em áudio, encaminhado por Marconi de Souza Junior, também conhecido por ‘macaco’,  a Yussef Mohamad El Salla (PDT), em 30 de outubro do ano passado, negociava voto por  R$ ‘50’.

Quebra de sigilo

Os áudios vazaram nesta quarta-feira, 24, quando o processo chega nas mãos do Ministério Público. Marconi é assessor do prefeito Marcelo Iunes (Podemos), que foi reeleito. Já Yussef era candidato a vereador, sendo eleito para uma cadeira na Câmara Municipal de Corumbá.

Ramificações

Chegou em mãos da reportagem do Capital do Pantanal cópia da nomeação da mulher de Marconi como assessora do vereador Youssef. A nomeação de Laudinéia do Nascimento é datada de 01 de Março de 2020, ou seja, antes das eleições. As ramificações implicadas na compra de votos apontam um forte esquema montado com objetivo claro de captar eleitores. Se a polícia investigar encontra mais vestígios que comprovam o ‘modus operandis’ do grupo.

A nomeção da mulher de Marconi como assessora do vereador Yssef também pode estar ligada ao esquema de corrupção eleitoral na cidade. Foto: Reprodução

Corrupção

Marconi teve o sigilo telefônico quebrado e as gravações comprometedoras foram decupadas e constam no processo que investiga um forte esquema de corrupção eleitoral em Corumbá. Entre as provas estão a foto de uma mulher segurando “santinhos” de Yussef Salla. Depois, vem o áudio, “Yussef, meu nobre, boa noite! Acabei de sair aqui da casa de dona Tuta, tá?!   Uma pessoa forte nossa aqui que, acabei de falar com ela quantas pessoas que vem da fazenda dela né?! Ela falou que vem em torno de vinte e duas, vinte e seis pessoas pro dia da eleição, mais a vizinhança dela! Aí já expliquei pra ela, falei que, passei uma relação pra ela, ela vai numerar todo esse pessoal aí, cadastrar tudo certinho! Aí no dia, pra esse povo aqui vai ser cinquentão entendeu? Por cabeça! Tranquilo?”

A verdade aparece

De acordo com a PF, Marconi intermediava a compra de votos para o então candidato. Noutra passagem, em 25 de setembro de 2020, Marconi informa a Yussef  que com R$ 200 era possível entregar cesta básicas para cinco famílias.

Deixe seu Comentário

Leia Também

Não existe crime perfeito
O crime não compensa
Para quem quiser ver
Revoada
A casa vai cair