Menu
quarta, 22 de maio de 2019
Andorinha - Viaje para Campo Grande com a Andorinha
Andorinha - Viaje para Campo Grande com a Andorinha
Geral

Setor produtivo discute o valor da energia no Estado; painel teve presença de diretor da Aneel

15 março 2019 - 08h01Infinito Comunicação

O vice-presidente da Fecomércio-MS, Adeilton Feliciano do Prado, participou na manhã desta quinta-feira, 14, do encontro do setor produtivo de Mato Grosso do Sul com diretores da Aneel, da Energisa MS e da Agepan, intitulado “Como é composta a conta de energia”.

Os representantes do setor produtivo da indústria, agropecuária e comércio abriram o debate trazendo informações gerais sobre como a energia impacta os empresários do Estado.

O presidente da Fiems, Sérgio Longen, observou que a proposta do evento é esclarecer os componentes da tarifa de energia elétrica. “O desmantelo do setor elétrico construído lá atrás nós estamos pagando hoje”. Já o presidente da Famasul, Maurício Saito, destacou importância de se colocar de forma transparente e direta a demanda da energia e ainda se conhecer os investimentos voltados ao setor rural para que se trace a previsibilidade da oferta de energia.

Adeilton enfatizou que no comércio, especialmente atividades mais sensíveis como supermercados, é desafiador contemplar nos custos os impactos da energia elétrica, por isso a importância de momentos como este, para entender a composição tarifária. “A energia chega a impactar em 2% do faturamento dos supermercados, e em determinados setores do comércio, corresponde ao segundo maior custo, perde apenas para a folha de pagamento, por isso, a necessidade de discutirmos este impacto nos custos fixos do setor produtivo”.

O diretor presidente da Aneel, André Pepitone, acompanhado de uma equipe técnica, abordou em sua fala sobre as áreas de distribuição e qualidade, medição setorial e qualidade dos indicadores de continuidade. Lembrou que o setor de geração deixa quase R$ 27 milhões em receitas ao Estado e R$ 49 milhões aos municípios. “São recursos obtidos da arrecadação de impostos cobrados sobre o consumo”.  Outros dados técnicos foram abordados, como a  microgeração distribuída, ligada à rede, que somam 2,5 mil consumidores gerando a própria  energia no Estado.

Quanto à tarifa, MS gera receita de R$ 2,4 bilhões de receita com um milhão de consumidores. O diretor geral enfatizou que no ranking de tarifas, a da Energisa MS está abaixo da média nacional e do Centro-Oeste. Falou sobre o custo da geração elevado com a hidrologia adversa, que leva ao acionamento do parque térmico. “Se quisermos desoneração efetiva temos que dialogar com Ministério das Minas e Energia para acionar térmicas mais baratas e com as secretarias de fazenda via Confaz”, destacou, lembrando que a carga tributária representa 40% do custo. A terceira perna deste tripé são os subsídios que, em 2019, representam custo de R$ 20,2 bilhões, sendo que cada bilhão corresponde a 0,6% de impacto na tarifa. “Precisamos de uma agenda multilateral”, resumiu.

O presidente da Agepan, Valter Almeida, explicou como se dá o convênio com Aneel para fiscalização, destacando a atuação recente na análise de barragens. Valter ressalta que foi feito diagnóstico da atual situação no Estado encaminhado para Aneel.

O presidente da Assembleia Legislativa, deputado Paulo Corrêa, ressaltou que o propósito do encontro é desmistificar a tarifa de energia elétrica e lembrou a importância de o setor produtivo estar reunido no evento. “Há de se fazer claramente a demonstração desse custo para desmistificar qualquer dúvida. O que nos interessa é ter boa energia elétrica, satisfação do consumidor e modicidade tarifária”.

O diretor de Regulação da Energisa, Fernando Maia, fez apresentação técnica, demonstrando o funcionamento do sistema e os componentes no período de 2011 a 2017, apontando redução de 26% na parcela de energia, em termos reais, única da composição que sofreu redução nos últimos anos. Por outro lado, a alíquota de ICMS oscila de 0 a 25%, conforme a faixa de consumo, bem como também a tarifa de iluminação pública oscila em função das faixas, o que, em situação de consumo em alta por conta dos picos de calor, provoca descontinuidade na tarifa. Também apresentou os impactos de subsídios e do risco hidrológico.

Deixe seu Comentário

Leia Também

Ação social
Sanesul distribui cobertores na Campanha do Agasalho em Campo Grande
Capacitação
Senai oferece consultoria em plano de manutenção e operação de ar condicionado
Policial
Polícia Militar frustra furto e recupera objeto antes da vítima perceber o fato
Educação
Unicamp destina duas vagas da graduação para medalhistas da Olimpíada de História
Edital de “Vagas Olímpicas” prevê duas vagas no curso de graduação em História; participantes da ONHB deverão declarar interesse até dia 17 de junho
Mineração
Empresas esclarecem riscos e ações preventivas nas barragens de Corumbá e Ladário
Policial
Foragido é capturado pela PM na área central
Crime ambiental
PMA autua paranaense por armazenamento de madeira ilegal
Geral
Peão é pisoteado por cavalo durante lida no campo na Nhecolândia
O homem de 44 anos precisou ser resgatado pelo helicóptero da Marinha devido a gravidade dos ferimentos
Acidente de transito
Ciclista vai parar no hospital após ser atropelado no bairro Universitário
Consumidor
Vereador pede apoio de deputado para fim da tarifa básica do consumo de água

Mais Lidas

Cota Zero
Empresários realizam encontro da pesca no Pantanal em apoio a cota zero
Saúde
Prefeitura libera construção de posto de saúde e licitação para escola em São Gabriel
Trânsito
Aulão do Maio Amarelo leva mensagem de trânsito de forma descontraída
Educação
Depois da Educação, Longen prevê novos cortes se Reforma da Previdência não for aprovada