Matrículas - Sesi

Comissão presidida por Pedro Chaves aprova estímulo às licitações do pré-sal

Por Assessoria20 OUT 2017 - 09h17min
Deputado Julio Lopes e Pedro Chaves.Foto: Divulgação

A comissão mista da Medida Provisória 795/2017, presidida pelo senador Professor Pedro Chaves (PSC/MS), aprovou na noite desta quarta-feira (18) relatório favorável à MP, que  estimula a participação de empresas nas licitações de blocos das camadas pré-sal e pós-sal , a serem conduzidas ainda este ano pela Agência Nacional do Petróleo (ANP).
Somente para 2018, a previsão de renúncia de receita, decorrente dos incentivos fiscais, chegará a aproximadamente R$ 16,4 bilhões.

O senador sul-mato-grossense destacou a necessidade de se aprovar rapidamente a MP.

“Estamos isentando os equipamentos que vão permitir o aumento da produção de petróleo de uma maneira geral. Por isso, é fundamental que essas desonerações sejam aprovadas com urgência. O governo precisa e a Petrobras também”, explicou Pedro Chaves.

Oito das 46 emendas apresentadas por deputados e senadores foram acolhidas pelo relator, deputado Júlio Lopes (PP/RJ). A MP 795 segue agora para votação nos Plenários da Câmara dos Deputados e do Senado Federal. O objetivo do governo é aprova-la até o dia 27 deste mês, quando a ANP realizará a segunda rodada de leilões de áreas do pré-sal e pós-sal. Paralelamente à medida, foi publicado o Decreto 9.128/2017 que prorroga, de 2020 para 2040, o prazo de vigência do Repetro. O Repetro é um regime aduaneiro especial de exportação e importação que concede suspensão de tributos federais para equipamentos usados em pesquisa e lavra de jazidas de petróleo e de gás natural.

A MP 795 altera diversos pontos da legislação tributária e determina que, a partir de 2018, as empresas poderão deduzir, na determinação do lucro real e da base de cálculo da Contribuição Social sobre o Lucro Líquido (CSLL), os valores aplicados nas atividades de exploração e produção de petróleo e gás. Na prática, reduz os valores que a empresa pagará de CSLL e no Imposto de Renda da Pessoa Jurídica (IRPJ). Ainda de acordo com a MP, também passa a ser dedutível do IRPJ e da CSLL o gasto com a compra de máquinas e equipamentos.

A MP suspende o pagamento do Imposto de Importação (II), do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) e da contribuição para o PIS/Cofins nos bens importados que ficarem definitivamente no país, relacionados à esta indústria.

A Receita Federal vai definir a relação dos bens que terão os tributos suspensos. Decorridos cinco anos, a suspensão poderá ser convertida em isenção (para o Imposto de Importação e o IPI) ou em alíquota zero (para o PIS/Cofins).

O regime especial será aplicado a partir de 2018. As suspensões somente abrangeriam os fatos geradores ocorridos até 31 de julho de 2022, mas o relator alterou o prazo para 31 de dezembro de 2040. O regime especial é uma alteração significativa na tributação da cadeia de produção de bens para a indústria de petróleo e gás. Até recentemente, os bens importados não poderiam permanecer definitivamente em território nacional sem o pagamento dos tributos.

Deixe seu comentário

Leia Também

Combate ao tráfico

Polícia Civil estoura ‘boca’ no Loteamento Pantanal

Procon

Empresas são autuadas por impedirem reserva de passagens interestaduais gratuitas

Emprego

Mercado de Trabalho de MS inicia recuperação e gera mais de 700 vagas em outubro

Educação

IFMS divulga gabarito do Exame de Seleção para os cursos técnicos

Brasil

Presídios terão banco de dados sobre situação de detentos

Concorrência

Ônibus vai operar de Corumbá para Capital com fretagem a R$ 140 ida e volta

Segurança

Receita doa câmeras ao Município e amplia videomonitoramento na fronteira